Sarto derrota Capitão Wagner e é eleito prefeito de Fortaleza

Em eleição nacionalizada pelos candidatos, Sarto (PDT) acumula 51,7% de votos válidos e derrota bolsonarista Capitão Wagner (PROS)

José Sarto Nogueira (PDT) é eleito prefeito de Fortaleza com 51,7% dos votos válidos, uma diferença superior a 40 mil em relação ao adversário do segundo turno. O vice-prefeito de Sarto será Élcio Batista (PSB). Capitão Wagner (PROS) teve 48,3% dos votos válidos.

As eleições na capital cearense ganharam caráter nacional após apoio de Bolsonaro ao candidato do Partido Republicano da Ordem Social, Capitão Wagner. Sarto tem apoio dos irmão Cid e Ciro Gomes, também do PDT, além do governador do Ceará, Camilo Santana (PT) e atual prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT).  

O discurso de José Sarto (PDT) foi em defesa da democracia. Durante o voto na manhã deste domingo (29) afirmou que “Este domingo é a defesa da democracia, de uma Fortaleza mais inclusiva, justa e humana”. Ele é médico e a proposta em que foi mais enfático é em investir em um serviço público de saúde, especialmente no enfrentamento da pandemia. 

Para o candidato, os valores de sua campanha são inclusão social e redução das desigualdades, geração de emprego e renda, participação popular, ética e transparência, responsabilidade com as finanças públicas, integração e intersetorialidade. Antes da campanha, Sarto atuava como deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Ceará. 

Seu adversário, Capitão Wagner (PROS), é ligado principalmente às forças armadas. Ele é deputado federal e concorreu à prefeitura pela segunda ocasião. Na primeira vez, foi derrotado pelo atual prefeito Roberto Cláudio (PDT). Apesar de negar envolvimento no motim da Polícia Militar no início do ano, ele apresentou projeto de lei na Câmara Federal em que concedia anistia aos Policiais e Bombeiros Militares que participaram do movimento grevista.

No início deste ano, a Polícia Militar do Ceará amotinou-se por um reajuste salarial acima do proposto pelo Governo do Estado. O motim durou 13 dias e causou um aumento da criminalidade no estado durante o período. No início de março, as negociações entre as partes avançaram e a situação foi normalizada, porém sem a garantia de anistia para os envolvidos. Sarto (PDT) defende que os responsáveis pelos atos de vandalismo e irresponsabilidade sejam punidos. 

Na pesquisa do Ibope, divulgada no sábado (28), Sarto contabilizava 61% dos votos válidos frente a 39% de Capitão Wagner. Na mesma data, a diferença entre os candidatos foi um pouco menor segundo o Datafolha. José Sarto tinha 57% das intenções de voto enquanto Capitão Wagner possuía 43% dos votos válidos. 

A pesquisa também mediu a rejeição de Jair Bolsonaro em Fortaleza. O levantamento apontou que 47% dos fortalezenses consideram o governo de Bolsonaro ruim/péssimo, 22% regular e 28% como ótimo/bom. Cerca de 3% não souberam responder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *