Ex-ministros da Saúde querem plano abrangente de vacinação contra Covid-19

Para eles, todo o acúmulo de competências está sendo colocado em risco pelo desastre e ineficiente condução do Ministério da Saúde em relação à estratégia brasileira de vacinação da população contra Covid-19

(Foto: Reprodução)

Em artigo conjunto publicado no jornal Folha de São Paulo, ex-ministros da Saúde defenderam um plano sólido de vacinação contra Covid-19 no país. Eles dizem que essa etapa tem que envolver todos os imunizantes com registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sem qualquer discriminação.

O plano dever permitir, em 2021, vacinar toda a população brasileira, “prevenindo o surgimento da doença grave e suas consequências, afetando a pressão atual sobre nosso sistema de saúde e garantindo o retorno pleno às atividades econômicas e sociais”.

Para eles, todo o acúmulo de competências está sendo colocado em risco pelo desastre e ineficiente condução do Ministério da Saúde em relação à estratégia brasileira de vacinação da população contra Covid-19.

Os ex-ministros destacam ainda que a história da ciência brasileira, ligada ao processo de pesquisa, desenvolvimento e produção de imunobiológicos e vacinas, é de sucesso. Entre os países em desenvolvimento, o Brasil é um dos poucos a dispor hoje de uma base produtiva e tecnológica em vacinas. Dois dos maiores produtores estão no Brasil: o Instituto Butantan (São Paulo) e o Instituto Bio-Manguinhos, na Fundação Oswaldo Cruz (Rio de Janeiro).

“Essa base produtiva e o esforço de ação coordenada do SUS nas três esferas de governo permitiram que o país disponha hoje de um dos melhores e mais abrangentes programas de imunizações do mundo, capaz de garantir altíssima cobertura vacinal e que tem possibilitado a prevenção e o controle de várias doenças. Exemplos recentes são a vacinação da população brasileira, em 2010, contra o H1N1, quando 100 milhões de pessoas foram imunizadas com vacinas produzidas localmente no Instituto Butantan; a erradicação da rubéola e da síndrome da rubéola congênita, em 2010; e a introdução de novas vacinas, como um anti-HPV, em 2014, que nos próximos anos reduzir drasticamente a mortalidade por câncer de colo uterino”, diz um trecho do artigo.

Segundo eles, contando com proteção do SUS, um sistema de saúde de caráter universal e com vários centros de P&D (pesquisa e desenvolvimento) voltados para o campo da vacinologia, o Brasil produz em seus laboratórios a maioria das doses utilizadas pelo país em seu programa nacional de vacinação. Se considerado apenas o ano de 2018, nosso programa de imunizações utilizou mais de 300 milhões de doses de vacinas.

“Essa capacidade endógena na produção de imunizantes, que reduz nossa dependência do exterior e garantias altas coberturas vacinais, foi construída a partir de uma visão estratégica de distintos governos com parcerias de transferência de tecnologia entre laboratórios públicos e empresas multinacionais do setor farmacêutico”, lembraram.

Eles também destacaram a inovação da capacidade logística, que nos permitiu ao país dispor de pontos de vacinação em todo o território nacional e de mobilizar milhares de profissionais plenamente capacitados na organização e execução de campanhas de vacinação em massa.

Ex-ministros que assinaram o artigo:

Alexandre Padilha
Arthur Chioro
Barjas Negri
Humberto Costa
José Agenor Álvares da Silva
José Gomes Temporão
José Serra
José Saraiva Felipe
Luiz Henrique Mandetta
Marcelo Castro
Nelson Teich

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.