EUA sancionam aliado da OTAN, Turquia, por mísseis de defesa russos

A Turquia condena a ação dos EUA, chamando-a de “grave erro” e ameaça retaliar conforme necessário.

Veículos e equipamentos militares, peças dos sistemas de defesa aérea S-400, são descarregados de uma aeronave de transporte russa, no aeroporto militar Murted em Ancara, Turquia, em 12 de julho de 2019 [Arquivo: Ministério da Defesa turco]

A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, na segunda-feira, impôs sanções a seu aliado da Otan, a Turquia, por causa da compra de um sistema de defesa aérea russo, preparando o cenário para um novo confronto entre as duas nações enquanto o presidente eleito Joe Biden se prepara para assumir o cargo.

A mudança ocorre em um momento delicado nas relações entre Washington e Ancara, que estão em desacordo há mais de um ano sobre a aquisição do sistema de defesa antimísseis S-400 pela Turquia, junto com as ações turcas na Síria, o conflito entre a Armênia e Azerbaijão e no Mediterrâneo oriental.

Os EUA já haviam expulsado a Turquia de seu programa de desenvolvimento e treinamento de caças F-35 stealth sobre a compra, mas não tomaram outras medidas, apesar dos alertas persistentes de autoridades americanas que há muito reclamam da compra do S-400, que dizem é incompatível com o equipamento da OTAN e uma ameaça potencial para a segurança aliada.

“Os Estados Unidos deixaram claro para a Turquia nos níveis mais altos e em várias ocasiões que a compra do sistema S-400 colocaria em risco a segurança da tecnologia e do pessoal militar dos EUA e forneceria fundos substanciais para o setor de defesa da Rússia, bem como o acesso russo ao as forças armadas turcas e a indústria de defesa”, disse o secretário de Estado Mike Pompeo.

“A Turquia, no entanto, decidiu prosseguir com a aquisição e teste do S-400, apesar da disponibilidade de sistemas alternativos e interoperáveis ​​da OTAN para atender aos seus requisitos de defesa”, disse ele em um comunicado.

“Exorto a Turquia a resolver o problema do S-400 imediatamente em coordenação com os Estados Unidos”, disse ele. “A Turquia é um aliado valioso e um importante parceiro de segurança regional para os Estados Unidos, e buscamos continuar nossa história de décadas de cooperação produtiva no setor de defesa removendo o obstáculo da posse do S-400 da Turquia o mais rápido possível.”

O ministério da defesa turco rejeitou alegações de que os sistemas S-400 colocarão em risco os sistemas da OTAN. “O próprio presidente Trump admitiu em muitos casos que a aquisição da Turquia era justificada”, disse o ministério em um comunicado.

Ele disse que a Turquia “retaliará da maneira e no momento que considerar apropriado” e exortou “os Estados Unidos a reconsiderar esta decisão injusta”.

As sanções dos EUA visam a Presidência das Indústrias de Defesa da Turquia, a agência de compras militares do país, seu chefe Ismail Demir e três outros altos funcionários. As penalidades bloqueiam quaisquer bens que os quatro funcionários possam ter nas jurisdições dos EUA e impedem sua entrada nos EUA. Eles também incluem a proibição da maioria das licenças de exportação, empréstimos e créditos para a agência.

O governo havia evitado impor sanções punitivas fora do programa de caça por meses, em parte para dar às autoridades turcas tempo para reconsiderar sua implantação e, alguns suspeitam, devido ao relacionamento pessoal do presidente Donald Trump com o líder turco Recep Tayyip Erdogan.

No entanto, nos últimos meses, a Turquia avançou com os testes do sistema, atraindo críticas do Congresso e de outros que exigiram que as sanções fossem impostas sob a Lei de Combate aos Adversários da América por meio de Sanções, ou CAATSA, que impõe penalidades para transações consideradas prejudiciais aos interesses dos EUA.

Cerca de um mês antes de Biden assumir o cargo, as sanções representam um dilema potencial para a nova administração, embora a equipe do presidente eleito tenha sinalizado que se opõe ao uso do S-400 pela Turquia e à desunião dentro da OTAN que isso pode causar.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, na segunda-feira condenou as sanções dos EUA à Turquia sobre a compra do sistema de defesa aérea S-400 da Rússia como “ilegítimo”.

“Esta é, obviamente, outra manifestação de uma atitude arrogante em relação ao direito internacional, uma manifestação de medidas coercitivas ilegítimas e unilaterais que os Estados Unidos vêm usando há muitos anos, já décadas, à esquerda e à direita ”, disse Lavrov, de acordo com agências de notícias russas.

No mês passado, o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, disse que a Turquia estava preparada para discutir com os EUA sua “ansiedade” sobre a interoperabilidade dos S-400s e dos F-35s. Os EUA reagiram com frieza à sugestão e Pompeo logo em seguida não se encontrou com nenhum funcionário do governo turco em uma visita a Istambul.

A Turquia testou o sistema de defesa antimísseis pela primeira vez em outubro, atraindo a condenação do Pentágono.

Ancara diz que foi forçada a comprar o sistema russo porque os EUA se recusaram a vender mísseis Patriot de fabricação americana. O governo turco também apontou o que considera um padrão duplo, já que a Grécia, membro da Otan, usa mísseis de fabricação russa.

Com informações da Al Jazira

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *