Sem categoria

Com inflação dos alimentos, carestia aumenta o drama dos trabalhadores

Preços dos alimentos necessários para as refeições de um adulto aumentaram em todas as capitais

O fantasma da carestia volta a rondar. Além da pandemia e desemprego acelerado, a população vê minguar seu poder de compra, especialmente dos itens básicos. É o que constata Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA), do Dieese, concluída em dezembro.

Os apontamentos indicam que, em 2020, os preços dos alimentos necessários para as refeições de um adulto aumentaram em todas as capitais. A maior alta ocorreu em Salvador (32,89%). Curitiba registrou a mais baixa: 17,76%. Na Capital paulista, o aumento entre janeiro e dezembro chegou a 24,69%. Em dezembro, a cesta mais cara era a paulistana, que custava R$ 631,36.

Segundo o Dieese, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta, no conjunto das Capitais pesquisadas – para quem recebe salário mínimo e trabalha 220 horas – era de 115 horas e 8 minutos, em dezembro.

O levantamento também informa: “Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, após o desconto à Previdência, se verifica que a pessoa remunerada pelo Piso nacional comprometeu, em dezembro, na média, 56,57% do salário líquido pra comprar os alimentos básicos a um adulto”.

Fonte: Agência Sindical, com Dieese

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.