Votação histórica contra Trump; republicanos devem decidir seu futuro

A maioria dos presidentes pretende deixar o cargo com a nação melhor do que quando entrou, mas o legado de Trump parece estar cimentando um país mais dividido, onde seu tipo de “política de conflito” agressiva pode ser a nova norma.

Deputados republicanos que votaram pelo impeachment de Trump sabem que ele está disposto a vingança em prato quente (Montagem por Cezar Xavier)

Em uma votação histórica nesta quinta (14 de janeiro de 2021), Donald Trump se tornou o único presidente dos Estados Unidos a sofrer dois impeachments.

Por uma margem de 232–197, a Câmara dos Representantes dos EUA, controlada pelos democratas, votou para acusar Trump de “incitar à violência contra o governo dos Estados Unidos” por seu papel em encorajar os rebeldes que invadiram o Capitólio dos EUA na semana passada.

Quando Trump sofreu impeachment pela Câmara no ano passado por abuso de poder e obstrução do Congresso, nenhum republicano se juntou aos democratas na votação.

Desta vez, no entanto, dez membros do próprio partido de Trump apoiaram o esforço para removê-lo do cargo.

Republicanos que votaram contra o candidato de seu partido

Existe alguma chance de condenação?

Agora que a Câmara votou pelo impeachment de Trump, um julgamento será realizado no Senado, embora o momento disso não esteja claro no momento.

Uma maioria de dois terços no Senado é necessária para condenar Trump, o que seria de 67 senadores se todos os senadores estivessem presentes. Se todos os 50 democratas e independentes votarem para condenar Trump como esperado, então pelo menos 17 republicanos precisariam se juntar a eles.

Até agora, apenas três (Lisa Murkowski, Ben Sasse e Pat Toomey) indicaram que o fariam. Mitt Romney, um crítico vocal de Trump, provavelmente se juntará a eles, e Susan Collins é uma possibilidade.

Mesmo que o mais poderoso senador republicano, Mitch McConnell, apóie privadamente o esforço de impeachment (e disse publicamente que não decidiu como votará), os números necessários para condenar Trump provavelmente ainda serão insuficientes.

McConnell's vote will be crucial.
O futuro do Partido Republicano pode depender de como McConnell vota no julgamento do Senado. Televisão do Senado / AP

O que está em jogo para os republicanos?

O ex-assessor de segurança nacional de Trump, John Bolton, disse que o presidente “será lembrado como uma aberração” quando deixar o cargo após o meio-dia de 20 de janeiro.

Mesmo assim, o Partido Republicano continuará. E precisará encontrar sua identidade na era pós-Trump.

Eles continuam com o arquiconservadorismo da última década que deu origem ao Tea Party e Trump, ou eles retornam à política republicana mais tradicional associada a George W. Bush, John McCain e Romney?

Embora alguns republicanos do Senado tenham declarado em voz alta sua lealdade a Trump, outros parecem estar subitamente em cima do muro.

Lindsey Graham, que passou de um dos oponentes mais declarados de Trump a seu mais ferrenho apoiador no Congresso, rompeu na semana passada com Trump sobre seus esforços para reverter os resultados das eleições de 2020. No entanto, Graham se opõe fortemente ao impeachment.

McConnell também pode estar pensando em reconstruir o partido pós-Trump, e é por isso que ele está vacilando em seu voto para condenar Trump. Como um republicano próximo a ele disse a Axios,

Se você é McConnell, quer ser lembrado por defender o Senado e a instituição.

A republicana mais proeminente a se juntar ao esforço de impeachment na Câmara é Liz Cheney.

A filha do ex-vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, está no Congresso apenas desde 2017. Depois de apenas dois anos, no entanto, ela foi eleita presidente da Conferência Republicana da Câmara, o terceiro cargo republicano mais antigo na Câmara depois do líder da minoria (Kevin McCarthy ) e o açoite minoritário (Steve Scalise).

Uma estrela em ascensão no partido, Cheney surpreendeu muitos quando disse que não concorreria à vaga no Senado em Wyoming no ano passado, optando por permanecer na Câmara.

Com McCarthy e Scalise votando contra o impeachment hoje, o movimento de Cheney sugere que ela está se posicionando como líder da facção anti-Trump no partido, com os olhos talvez em se tornar a primeira mulher porta-voz da Câmara dos republicanos.

A influente republicana Liz Cheney age para se tornar uma das grandes opositoras de Trump no partido

Por que expurgar Trump pode não ser possível

Deve-se notar que uma porção significativa do eleitorado americano ainda apóia Trump e suas políticas. De acordo com o FiveThirtyEight, cerca de 42% dos americanos não apóiam o impeachment. E entre os republicanos, apenas 15% dizem que querem que ele seja destituído do cargo.

Quem quer que lidere o Partido Republicano pós-Trump precisará considerar como manterá o apoio raivoso de sua “base”, enquanto trabalha para reconquistar eleitores mais moderados que desertaram do partido nas eleições de 2020.

A razão pela qual McConnell supostamente estaria considerando votar para condenar Trump é que isso tornaria mais fácil expurgá-lo do partido.

Mas expurgar Trump será difícil. Mesmo sem o Twitter, o poder de Trump é imenso. O medo entre muitos republicanos é que ele possa encorajar desafios primários a qualquer governante que ele sinta que o ofendeu.

Ele já fez isso muitas vezes antes. Em 2018, Trump apoiou fortemente Brian Kemp em sua campanha de sucesso para governador da Geórgia, mas quando Kemp rejeitou suas alegações de fraude eleitoral em novembro, Trump anunciou que tinha vergonha de tê-lo apoiado. Os partidários de Trump já estão procurando por um desafiante principal para ele.

Trump também pediu desafios primários para o governador republicano de Ohio Mike Dewine e John Thune, o segundo republicano no Senado.

“Nossa identidade nos últimos anos foi construída em torno de um indivíduo. E temos que voltar ao ponto em que foi construído em torno de um conjunto de ideias, princípios e políticas ”, diz o senador Thune

Preocupações de segurança entre os apoiadores de Trump

Trump não parece querer ir embora em silêncio, o que também é motivo de preocupação do ponto de vista da segurança.

Esta semana, um boletim interno do FBI que vazou alertou que protestos armados estão planejados para todos os 50 estados e Washington DC nos dias anteriores à posse do presidente eleito Joe Biden em 20 de janeiro.

Alguns edifícios da capital estadual começaram a fechar suas portas e janelas, enquanto 15.000 soldados da Guarda Nacional foram mobilizados para implantação na capital do país, antes da violência e agitação esperadas.

A member of the Pennsylvania Capitol Police
Um membro da Polícia do Capitólio da Pensilvânia monta guarda na entrada do Capitólio da Pensilvânia em Harrisburg.

Este é um sinal infeliz de quantos esperam que os apoiadores de Trump respondam tanto ao seu impeachment quanto à posse de Biden – mesmo com Trump finalmente pedindo mais violência e agitação.

A maioria dos presidentes pretende deixar o cargo com a nação melhor do que quando entrou, mas o legado de Trump parece estar cimentando um país mais dividido, onde seu tipo de “política de conflito” agressiva pode ser a nova norma.

Esta é uma situação sem saída para o país. E os republicanos ainda estão tentando descobrir de que lado da história desejam estar.

Bryan Cranston é professor acadêmico principal de Política e Ciências Sociais (Swinburne Online), Swinburne University of Technology (Australia)

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *