Dilma Rousseff: “Brasil está à deriva em um oceano de fome e doenças”

“Não temos governo, nem administração da crise”, afirma a ex-presidenta

A resposta perversa e “genocida” de Bolsonaro a um dos mais mortíferos surtos de Covid-19 do mundo deixou o Brasil “à deriva em um oceano de fome e doenças”, diz a ex-presidenta Dilma Rousseff. Em declarações ao The Guardian nesta semana – enquanto o número de mortes em decorrência do novo coronavírus no Brasil atingia níveis devastadores, com mais de 12 mil mortes nos últimos três dias –, Dilma disse que seu país enfrenta talvez o momento mais grave de sua história.

“Estamos vivendo uma situação extremamente dramática no Brasil porque não temos governo, nem administração da crise”, afirma Dilma, uma ex-guerrilheira de esquerda que foi presidente por pouco mais de cinco anos até seu polêmico impeachment em 2016.

“Estamos vendo 4.200 mortes por dia agora e tudo sugere que, se nada mudar, chegaremos a 5 mil. Mas há uma normalização absolutamente repulsiva dessa realidade em andamento. Como você pode normalizar as 4.211 mortes registradas (na terça)?”, questiona Dilma, quando o número oficial de mortos no Brasil chegou a mais de 345 mil, perdendo apenas para os EUA.

A primeira mulher a chegar à Presidência do Brasil acredita, como um número crescente de cidadãs, que grande parte da culpa é de Bolsonaro, um populista de extrema direita cuja resposta anticientífica ao que ele chama de “gripezinha” o tornou um bicho-papão internacional. Pesquisas de opinião e protestos barulhentos sugerem crescente raiva pública contra o político admirador de Trump, eleito em 2018 depois que o mentor de Dilma, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi preso e impedido de concorrer por um juiz que mais tarde ingressou no gabinete de Bolsonaro.

Aos 73 anos, Dilma afirma que a sabotagem de Bolsonaro dos esforços de contenção e vacinação, a recusa em ordenar um bloqueio e a falha em oferecer apoio econômico adequado aos pobres contribuíram para uma tragédia de “proporções catastróficas”. O País vive hoje o auge da pandemia de Covid-19.

“Não estou dizendo que o Brasil não teria sofrido mortes (com uma resposta diferente) – todos os países sofreram”, disse ela. “Estou dizendo que parte do nível de mortes aqui se deve fundamentalmente a decisões políticas incorretas, que ainda estão sendo tomadas”.

O colapso do Brasil também é uma ameaça internacional. “A ausência de um combate efetivo à pandemia leva a algo gravíssimo: o surgimento das chamadas novas variantes, que são altamente infecciosas e aumentaram o número de mortes nos países vizinhos”, disse Dilma, apontando sobre como os vizinhos sul-americanos estavam fechando suas fronteiras por medo da variante P1, mais contagiosa, ligada à Amazônia brasileira.

Muitos críticos agora argumentam que as ações de Bolsonaro equivalem a “genocídio”. E Dilma diz que ela está entre eles. “Eu uso essa palavra. O que caracteriza o ato de genocídio é quando você desempenha um papel deliberado na morte de uma população em grande escala ”, afirmou Dilma, de sua casa em Porto Alegre, uma das muitas cidades onde hospitais e médicos ficaram sobrecarregados. “Não é a palavra (genocídio) que me interessa – é o conceito. E o conceito é este: responsabilidade por mortes que poderiam ter sido evitadas”.

Na quinta-feira, a Suprema Corte do Brasil ordenou uma investigação do Congresso sobre a conduta do governo – uma medida chocante que os especialistas avaliam como negativa para Bolsonaro, que ainda conta com o apoio de cerca de um terço dos eleitores, mas enfrenta níveis recordes de rejeição.

O desastre do Brasil – que está sendo turbinado pela variante P1 – deve se aprofundar ainda mais nos próximos dias. Mais de 66 mil vidas de brasileiros foram perdidas para a Covid em março. O número de mortos em abril deve ultrapassar 100 mil. Na sexta-feira, o conselheiro sênior da Organização Mundial da Saúde, Bruce Aylward, chamou o surto de “um inferno furioso”.

“É desesperador. Para ser honesto, não consigo dormir direito. Vou para a cama com esses números e simulações na cabeça e simplesmente não consigo pensar direito”, disse Miguel Nicolelis, um cientista proeminente cujas projeções sombrias sobre o surto foram repetidamente confirmadas.

“Os EUA tiveram um dia com mais de 5 mil mortes. E nós vamos ultrapassar os EUA – no número de mortes diárias e provavelmente no número total de fatalidades também”, previu Nicolelis. “Vamos começar a ver corpos amontoados em nossas clínicas de saúde e pessoas morrendo nas ruas em breve na maior cidade do Brasil”, disse ele sobre São Paulo, pedindo um mês de bloqueio nacional e o fechamento de estradas, aeroportos e rios.

Dilma também pede um fechamento imediato, embora Bolsonaro venha rejeitando repetidamente essa ideia, aparentemente temendo que prejudique a economia e suas esperanças de reeleição em 2022. “Não haverá bloqueio nacional”, insistiu Bolsonaro durante uma viagem ao sul do Brasil nesta semana.

Falando fora de sua residência na terça-feira, Bolsonaro, 66, ignorou as críticas. “[Eu fui chamado] de homofóbico, racista, fascista, um torturador… Agora sou genocida”, ele sorriu . “Existe alguma coisa pela qual eu não sou culpado no Brasil?”

Dilma concorda que Bolsonaro não é o único culpado pela calamidade Covid que abalou seu país e o mundo. Ela também responsabiliza as elites econômicas, chefes militares, magnatas da mídia e políticos que ajudaram os extremistas de direita a ganhar o poder apoiando sua destituição do cargo e depois aplaudindo a queda de Lula e a ascensão de Bolsonaro. Líderes mundiais, incluindo Donald Trump, também lidaram com a pandemia de forma desastrosa.

“As pessoas terão de ser responsabilizadas pela catástrofe que foi engendrada no Brasil”, afirma Dilma, mapeando suas atuais tribulações até sua suspensão do cargo há exatamente cinco anos por supostamente manipular o orçamento para mascarar o mal-estar econômico. “O Bolsonaro é um produto deste pecado original – o impeachment”, diz ela sobre o que seus partidários chamam de “golpe” de orientação política.

Naquele domingo, em 16 de abril de 2016, Bolsonaro, então um obscuro congressista, foi um dos 367 deputados que aprovaram o impeachment de Rousseff. Numa sessão indisciplinada, ele dedicou seu voto a um torturador da era da ditadura que supervisionava os abusos de rebeldes de esquerda como ela.

Naquela época, Dilma Rousseff afirma que nunca imaginou que Bolsonaro um dia se tornaria presidente. Ela também não conseguia imaginar o Brasil enfrentando a emergência de hoje sob uma liderança mais inadequada. “A realidade é pior do que qualquer coisa que eu poderia ter imaginado. É como se estivéssemos à deriva. Estamos à deriva em um oceano de fome e doenças”, diz. “É realmente uma situação extrema que estamos testemunhando no Brasil.”

Fonte: The Guardian | Tradução: Dilma.com.br