Militância do PCdoB participa dos protestos contra Bolsonaro

Militantes foram às ruas neste sábado (2) com faixas, cartazes e gritos de ordem na jornada de lutas com o lema pedindo o impeachment de Bolsonaro, mas também com bandeiras contra as privatizações do patrimônio do Brasil, o aumento da energia, do gás de cozinha, por mais vacinas contra a Covid-19 e pela geração de empregos.

Os protestos contra o governo Bolsonaro começaram logo pela manhã deste sábado (2) em algumas regiões do país. Estão marcados mais de 320 atos em 308 cidades brasileiras e em 18 diferentes países.

As manifestações são organizadas por entidades dos movimentos sociais, pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, pelas centrais sindicais, movimento estudantil e de juventude, de luta por moradia, movimento negro, de mulheres e LGBTQIA+, além da militância de mais de 20 partidos políticos de oposição ao governo Bolsonaro, além do PCdoB, PT, Psol, PDT, PV, PSB, PSD, DEM, MDB, PCB, PCO, PL, PSDB, PSL, PSTU, Rede, Solidariedade Podemos, Cidadania e UP presentes.

A militância do PCdoB foi às ruas neste sábado (2) com faixas, cartazes e gritos de ordem na jornada de lutas com o lema pedindo o impeachment de Bolsonaro, mas também com bandeiras contra as privatizações do patrimônio do Brasil, o aumento da energia, do gás de cozinha, por mais vacinas contra a Covid-19 e pela geração de empregos, entre outras bandeiras.

Pernambuco

Na capital, Recife, milhares de manifestantes se reuniram no centro da cidade nesta manhã com faixas e cartazes pedindo o impeachment do presidente. A concentração começou por volta das 10 horas na Praça do Derby, área central da capital pernambucana, de onde saíram em passeata, em direção à Ponte Duarte Coelho, onde chegaram por volta das 13 horas. Os participantes do ato também protestaram contra proposta de reforma administrativa do setor público, mas também cobraram mais empregos e vacinas contra a Covid-19, além de comida para a população. Eles também levantavam bandeiras do Brasil e de movimentos sociais.

Estiveram presentes no ato a presidenta nacional do PCdoB e vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos; o senador Humberto Costa (PT); o deputado federal Túlio Gadêlha (PDT); o deputado estadual João Paulo (PT) e as vereadoras de Recife, Cida Pedrosa (PCdoB) e Liana Cirne (PT).

A presidenta do PCdoB, Luciana Santos, participou do ato e ainda fez um vídeo convocando à militância às ruas neste sábado (2). “Aqui estamos com o coração vermelho, mas com a bandeira verde e amarela, pois essa bandeira é nossa, o Brasil é nosso” junto todos àqueles que defendem um projeto de nação, afirmou.

Confira abaixo as imagens:

Segundo a dirigente, é preciso estar as ruas para “denunciar essa catástrofe que é esse governo Bolsonaro. Governo que além de praticar crime de lesa pátria porque entrega o patrimônio brasileiro, ele ainda retira direitos como nunca antes na história desse país”, frisou.

Luciana disse ainda que o protesto de hoje “é contra a perda de 600 vidas perdidas neste país e para dizer que o governo Bolsonaro além de negacionista é incompetente e, agora, eivado de denúncia de corrupção em torno da vacina”.

“Estamos cada vez mais próximo, de derrotar o governo Bolsonaro, é desmascarar, isolar e derrotar e por isso precisamos da frente ampla e de todos às ruas! Para poder garantir a manifestação daqueles que querem o Brasil com esperança, com inclusão social e com crescimento”, ressaltou a presidenta do PCdoB.

Luciana disse ainda que participa na parte da tarde da manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, “com  uma frente amplíssima”.

O líder do PCdoB na Câmara, deputado federal Renildo Calheiros (PCdoB-PE) – camisa amarela –, também esteve presente no ato e afirmou que Bolsonaro está destruindo o Brasil, afundando o país com a volta da inflação, com a carestia e a alta dos preços e que é preciso mudar o rumo que o Brasil está tomando. “O Brasil é um país muito rico, mas é um país muito desigual, com muita injustiça social. Enfrentar as mazelas da sociedade brasileira é responsabilidade nossa. Precisamos devolver as pessoas a esperança. Precisamos devolver ao Brasil a possibilidade de as pessoas terem uma vida melhor, com dignidade, com distribuição de renda.”

Bahia

O PCdoB na Bahia voltou às ruas de diversos municípios do estado, na manhã deste sábado (2), para reafirmar a defesa do impeachment do presidente Jair Bolsonaro, em um movimento que, cada vez mais, tem ganhado adesão de partidos e outras organizações da sociedade. Em Salvador, o ato acontece no centro, com saída da praça do Campo Grande.

Foto: Lucas de Matos

A militância comunista da capital, Salvador, levou uma faixa que pede o impeachment de Bolsonaro e defende o Socialismo como uma alternativa à crise que o país vive. “Com o governo desastroso de Bolsonaro, o país está indo para o buraco. O povo, para a fome, comendo osso. Ninguém aguenta mais”, disse o presidente do PCdoB-BA, Davidson Magalhães.

Foto: Ascom/Dep.: Alice

Segundo a deputada federal Alice Portugal, os protestos que acontecem no país são um grito democrático que pretende, antes de tudo, eliminar as punições impostas ao povo por Bolsonaro e repavimentar a democracia no país. “Precisamos tirar esse governo, [o ministro da Economia] Paulo Guedes e a mentira do Palácio do Planalto. Chega de ódio e de guerra cultural!”, defendeu.

(Foto: Lucas de Matos/Ascom Dep. Daniel)

O também deputado federal baiano Daniel Almeida (foto acima) explicou que o novo ato representa uma unidade nacional ‘contra tudo de atrasado que representa Bolsonaro’. “Não é uma manifestação isolada, é uma manifestação do povo que não aguenta mais Bolsonaro, a sua destruição, a fome, as mortes que continuam, a negligência criminosa no enfrentamento à pandemia”, pontuou.

A deputada estadual Olívia Santana (BA) ainda acrescentou que o PCdoB permanece firme na luta contra o governo Bolsonaro porque compreende os danos que estão sendo causados ao povo e também porque defende um Brasil diferente, com inclusão e dignidade. “Nós não queremos armas. Queremos vacina, educação decente e um país que a gente possa se orgulhar”, disse. A presidenta da Unegro, Ângela Guimarães também participou da manifestação de Salvador.

(Selfie Olívia Santana – acervo perfil redes sociais)

Matéria com informações inseridas ao longo do dia.

Colaboração: Bárbara Luz

Fonte: Portal do PCdoB