Ciro e Lula: a política é a arte da superação de impasses

Há 1 impasse objetivo que envolve as chamadas esquerda e centro-esquerda, que vai precisar ser equacionado olhando para o futuro e pensando generosamente no povo brasileiro e no Brasil. Esse impasse evidenciou-se mais ainda nestas eleições municipais. Esses 2 matizes políticos separados (PT e PDT) não ganham. Pior para esses. Pior para o Brasil e o povo brasileiro.

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Mas, antes de entrar nesse contencioso é preciso fazer algumas brevíssimas considerações que precisam ser debatidas com serenidade, respeito e frieza, porque política deve ser feita de forma impessoal, inclusive superando as cruezas da vida e as soberbas d’alma. Sigamos.

A rejeição ao PT, que começou nas manifestações de junho/julho de 2013, avançou em 2016, consolidou-se em 2018, ao ponto de ter sido a principal variável que inviabilizou o candidato do partido, Fernando Haddad, mostrou-se resiliente e sem sinais de arrefecimento nestas eleições.

É verdade que todas as forças de esquerda e centro-esquerda perderam neste pleito. Uns mais, outros menos, mas, perderam. Os números são evidentes e ‘falam’ por si. Vamos expor alguns apenas para efeito comparativo. Em particular do PT e PDT.

PT e PDT perderam

Dos 174 prefeitos eleitos 20 anos atrás, o PT aumentou para 411 prefeituras em 2004. Em 2008, saltou para 549 municípios. Em 2012, estendeu seu poder para 630 prefeituras. Caiu para 254 prefeitos nas eleições de 2016 (veja quadro completo com desempenho de todos os partidos no 1º turno). E agora tem 179. Mesmo que tenha êxito total (impossível) onde ainda vai disputar o 2º turno não vai ultrapassar os números de 2016.

O PDT está à frente do PT, mas também perdeu. Vamos aos números. Em 2004, a legenda brizolista elegeu 306 prefeitos. Subiu, em 2008, para 351. E caiu novamente em 2012, quando alcançou 304 administrações. Subiu em 2016, com 331 eleitos e caiu em 2020, fazendo 311 municípios.

O PDT foi o partido do campo progressista — esquerda e centro-esquerda —, cujo desempenho foi o mais exitoso.

Separados, o PDT (311) está na 6ª posição e o PT (179), na 11ª. Juntos, se se entendessem desde já, como se estivessem coligados em nível nacional, subiriam para a 5º posição (490) no ranking dos partidos que elegeram mais prefeitos no 1º turno. Ficariam atrás do MDB (774), PP (682), PSD (650) e PSDB (512). E ficaram à frente do DEM (459) e do PL (345).

O PT, numericamente teve mais votos que o PDT. O 1º recebeu 6.972.246 e o 2º, 5.318.867. Em população dos municípios que cada partido vai governar no Brasil (% do total do estado, no 1º turno), o PDT (3,32%) está na frente do PT (1,87%).

Rejeição, a variável

Votando à rejeição ao PT, essa mantém-se firme, forte e resiliente e, tudo indica, não arrefecerá em 2022. A velha mídia trabalha isso, com competência, e o partido de Lula não está conseguindo superar esse problema. Dito isto, qualquer candidato do PT, salvo melhor juízo, inclusive Lula, se puder ser candidato, não terá chance de ganhar a batalha presidencial, mesmo sob aliança. Seja alicerçado por frente de esquerda ou ampla. O PT está agendado, como se diz no jornalismo.

As chamadas forças de esquerda que elegeram prefeitos e vereadores — PT, PCdoB e PSol — foram fragorosamente derrotadas neste pleito. PCB, PCO e PSTU não elegeram ninguém. Esse resultado joga por terra qualquer tentativa de essa configuração partidária restrita vir a ter êxito em 2022.

Assim, diante desse cenário que se anuncia catastrófico no futuro, o mais sensato, lúcido, e diria até inteligente, será construir uma aliança ampla, com PDT e PT se sentando à mesa desde já como forças políticas maduras e bastante experimentadas, que estão pensando no País e no povo brasileiro, para delinear o que pode ser melhor diante do caos que é o governo do presidente Bolsonaro.

Volto novamente à variável ‘rejeição’ para propor uma reflexão geral. O PT, com o estigma a que está submetido, caso não esse arrefeça e caia, não ganha. Se estiver na ‘cabeça’ de qualquer composição vai ser rejeitado. Pode descer Jesus Cristo, se botar a estrelinha do PT no peito, perde!

PDT e Ciro

Depois de Lula, Ciro Gomes é o quadro da esquerda brasileira mais conhecido. É o quadro do campo da esquerda mais preparado e experiente. Mas, sozinho ou com os partidos que anunciam aliança — PSB, PV e Rede — não tem a menor chance. Não estou dizendo nenhuma novidade. O pleito de 2018 já nos antecipou esse quadro e agora, em 2020, isto ficou mais explícito.

Diante deste cenário, se estiver correta esta leitura, para disputar com chances de vitória as eleições presidenciais de 2022, o campo progressista — esquerda, centro-esquerda e centro —, terá de formar uma frente, ampla!

O resto são idiossincrasias que terão de ser superadas com tranquilidade, sabedoria e habilidade. Refiro-me às arengas entre Ciro/PDT e Lula/PT, seus microentornos e a militância de ambas as forças políticas que se digladiam dia e noite nas redes sociais. Ou todos darão 1 passo atrás para depois dar 2 à frente, ou a derrota se anuncia bruta.

Nessa equação não se pode esquecer o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), cuja gestão é bem avaliada, e Guilherme Boulos (PSol), cujo cacife na bolsa de apostas subiu muito.

Política é ciência inexata

Tudo isso pode não acontecer, pois política, embora seja ciência, não é exata. Muitos fatores internos e externos interferirão nesse processo e daqui a 2 anos tudo pode estar melhor ou pior. Pessoalmente, não acredito que o País estará melhor sob Bolsonaro. Assim, vai ser preciso saber trabalhar todos os elementos que estão sobre o tabuleiro, com calma, inteligência, frieza e visão no futuro.

Por fim, mas não menos importante, se essa equação política não ocorrer — a aliança ampla —, ninguém vai morrer ou se acabar. Aqueles que pensam ou desejam que o PT se imploda não terão sucesso. Bem ou mal, o partido de Lula vai seguir sua trajetória. E o PDT também.

Mas, em grande medida, os eleitores já anteciparam neste pleito que finda no dia 29 de novembro, que nem o PT/Lula, nem o PDT/Ciro ganharão separados em 2022. Nesse cenário, a direita, chamada eufemisticamente pela velha mídia de ‘centrão’, poderá levar! Já deu o 1º passo, pois ganhou as eleições, cuja 1ª fase terminou no último domingo (15).

E assim, se isso acontecer, é como diz Ferreira Gullar: ‘Em casa que não tem pão todos brigam e ninguém tem razão’.

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Portal Vermelho
Autor

Um comentario para "Ciro e Lula: a política é a arte da superação de impasses"

  1. Darcy Brasil disse:

    Quem viveu em várias cidades do interior, como eu, sabe que é incorreto quantificar o tamanho da influência da esquerda pela soma aritmética do número de vereadores do PT, do PDT, do PSB etc. Isso porque, principalmente no interior, a utilização de siglas de esquerda como legendas de aluguel para acomodar candidaturas de grupos dominantes locais é uma constante. O próprio PCdoB conhece esse fenômeno, que gera, não poucas vezes, confusão, como o flagrante de alguém filiado a um partido supostamente de esquerda, eleito ou não para para algum cargo, manifestar posições absolutamente incompatíveis com as de seu partido. O principal dirigente do PDT de MG, por exemplo, votou a favor do impeachment de Dilma, e ao lado de Michel Temer, desconsiderando o fechamento de questão de seu partido e desafiando a ameaça de expulsão que jamais se concretizou. Ao falarmos de aliança das esquerdas, ou em uma Frente Ampla, deveríamos estabelecer a busca desse propósito como tarefa das bases e dos dos militantes e dirigentes intermediários, muito mais do que em esforços para conciliar indivíduos personalistas como Ciro Gomes, histórico membro do “partido do eu sozinho”, com sentimentos exclusivistas inerentes ao PT, por exemplo. A unidade da esquerda, visando torná-la o núcleo de uma Frente Ampla, deve ser construída de baixo para cima, no dia dia, com exemplos, nas eleições para os sindicatos, entidades estudantis, associações de moradores, etc, alianças nas eleições municipais em torno de indivíduos reconhecidamente progressistas, e não porque são membros de partidos supostamente de esquerda. Trata-se, portanto, de um movimento, de uma luta que luta para ser mais ampla, a partir de baixo. Através de encontros de caciques, dado o perfil personalista dos caciques brasileiros, pouco ou nada se conquistará. A Frente Ampla que eu defendo terá algum nome certamente para ser candidato em 2022, que pode ser Ciro ou não, Haddad ou não, mas ela se elabora nas lutas do dia a dia, construindo amplas frentes de luta que, desde já, visam mobilizar, organizar e conscientizar os trabalhadores e o povo. Ela não é um instrumento das disputas eleitorais, institucionais, principalmente, mas um instrumento da luta de classes entre os dois polos da sociedade brasileira, que se dividem entre os que defendem o projeto neoliberal excludente, antinacional e antidemocrático, e os que defendem um projeto de combate às desigualdades sociais, a defesa da democracia e da soberania nacional. Ela deveria ser o principal instrumento de mobilização, conscientização e organização dos trabalhadores e do povo e, por ser ampla, da maioria esmagadora da sociedade civil, em um processo de construção de cidadanias retroalimentativo. Ela deveria ser como um rio que vai se tornando cada vez mais caudaloso a partir do recebimento das águas que o chegam dos seus afluentes que a ele vão se juntando durante o seu curso. O meu método de construção de uma Frente Ampla se inspira na luta de massas e não na luta institucional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *