Em uma semana, Cuba perde dois importantes cineastas

Enrique Pineda Barnet e Juan Carlos Tabío faleceram neste mês

Os cineastas cubanos Enrique Pineda Barnet e Juan Carlos Tabío, que morreram recentemente

Em menos de uma semana foram-se Enrique Pineda Barnet e Juan Carlos Tabío, dois dos mais importantes diretores de cinema de Cuba. Enrique Pineda Barnet (1933-2021) morreu dia 12 aos 87 anos. É autor de obra extensa, na qual se destaca La Bella de la Alhambra (1987), um dos clássicos do cinema cubano. Barnet foi também escritor e roteirista. É um dos autores do roteiro do soviético Soy Cuba (1963), de Mikhail Kalatozov.

Esse filme ambientado em Cuba é meio problemático do ponto de vista estético, pois parecia difícil ao olhar eslavo captar o espírito caribenho. No entanto, é belíssimo. Martin Scorsese é entusiasta da obra. Soy Cuba tem um dos planos-sequência mais impressionantes de toda a cinematografia mundial. Ao acompanhar, ao longo de vários minutos, um cortejo fúnebre com grande público, a câmera se desloca pelo alto, entre os edifícios de Havana; entra por uma janela em uma fábrica de charutos e sai por outra, sem perder a imagem da manifestação de rua… Impressionante.

Em 2006, o brasileiro Vicente Ferraz lançou seu Soy Cuba – o Mamute Siberiano, documentário sobre esse filme hoje um tanto esquecido. Como participante do projeto e um dos seus autores, Pineda Barnet é um dos mais importantes depoentes do longa brasileiro.

Juan Carlos Tabío (1943-2021) morreu ontem (17) aos 78 anos. Quem nos informou foi o cineasta brasileiro Sérgio Muniz – que, por sua vez, foi avisado por Ivan Giroud, diretor do Festival de Cinema de Havana. Entre nós, Tabío ficou mais conhecido como co-diretor de Morango e Chocolate e Guantanamera – os dois últimos trabalhos do maior diretor de cinema da ilha, Tomás Gutiérrez Alea (1928-1996).

Morango e Chocolate, em particular, fez sucesso mundial, de público e crítica. Libelo humanístico contra a homofobia, ganhou um prêmio especial do júri em Berlim e foi lançado numa infinidade de países. No Brasil, venceu o Festival de Gramado em 1994. É o maior êxito do cinema cubano no exterior em toda a história.

Em sua carreira solo, Tabío é autor de filmes engenhosos, como Plaff e O Corno da Abundância, que já passaram no Brasil em mostras de cinema.

Publicado originalmente no blog Cinema, Cultura & Afins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *