Os Companheiros, um filme sobre a organização dos trabalhadores

As massas precisam de um intelectual, que venha de fora, sem experiência com o trabalho na fábrica, para aprender a se organizar?

No fim do século 19, a indústria europeia crescia a todo vapor, e a exploração do trabalho operário não tinha limites. Foi neste contexto que, nas imediações de Turim, Itália, a chegada do professor Sinigaglia coincidiu com a data de um desastre que mobilizou os operários: um trabalhador, exausto devido sua carga de 14 horas diárias, descuida e perde um braço na máquina que operava.

O fato faz os demais operários questionarem suas condições e, sobretudo, a jornada de trabalho. Mas, sem experiência, aqueles trabalhadores não conseguem agir organizadamente, e a chegada de Sinigaglia os ajuda. Não foi por acaso que ele desembarcou naquela região industrial, conhecida pela degradação ao trabalhador. Seu objetivo era justamente organizar a classe trabalhadora e formar sindicatos.

O professor, então, começa se aproximar dos operários e a participar de suas assembleias. Com conhecimento teórico e eloquência, ele se destaca como uma liderança. E orienta os demais a criar um fundo de greve, negociar, fazer piquetes e manter sempre o ânimo elevado. Mas suas teorias não funcionam e a situação fica cada vez mais caótica. Sem saída, Sinigaglia clama aos operários a ocupar a fábrica.

Num choque de realidade, o protesto tem um desfecho trágico. Fica a questão: as massas precisam de um intelectual, que venha de fora, sem experiência com o trabalho na fábrica, para aprender a se organizar?

O tom documental do filme insere-se no rescaldo do neorrealismo italiano do final da 2ª Guerra Mundial. Os Companheiros mostra situações reais. E o ponto crucial da crítica de Monicelli é conflito entre a tomada de consciência do operariado a partir de sua própria situação e a necessidade de um “instrutor” que venha de fora para organizar os trabalhadores.

Hoje, mais de 50 anos após sua estreia, Os Companheiros ainda instiga um debate atual e procedente.

Os Companheiros (I Compagni)
Itália, 1963
Direção: Mario Monicelli
Elenco: Marcello Mastroianni, Annie Girardot, Renato Salvatori, Bernard Blier, Folco Lulli
Palavras-chave: exploração, luta de classe, proletarização, sindicalismo

Fonte: Livro O Mundo do Trabalho no Cinema (Centro de Memória Sindical), via Rádio Peão Brasil

Autor

Um comentario para "Os Companheiros, um filme sobre a organização dos trabalhadores"

  1. Rita de Cassia Vianna Gava disse:

    As massas precisam muito dos intelectuais. Muitos movimentos de massa faliram porque tem medo dos intelectuais tirarem seus cargos. A experiência das massas junto com pensadores é imbatível

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *