A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: Armas nucleares

Honrar as vítimas de Hiroshima e Nagasaki e abolir as armas nucleares

Como todos os anos, devemos aproveitar a ocasião das datas de 6 e 9 de agosto para honrar as vítimas dos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki pelos Estados Unidos, em 1945, e reforçar a nossa luta determinada contra as armas nucleares, armas de destruição em massa cujo uso foi então inaugurado pela potência imperialista

No 75º aniversário de Hiroshima, a ameaça de armas nucleares cresce

Se o relógio da destruição atômica chegar à meia-noite, o mundo estará em um armagedom nuclear. Existem várias razões pelas quais o mundo está cada vez mais próximo desse destino.

Contradições entre as grandes potências

Na sexta-feira (21), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou que seu país sairá do Acordo sobre Armas Nucleares de alcance Intermediário, assinado em 1987 entre o então presidente dos EUA Ronald Reagan, e o ex-presidente da URSS, Mikhail Gorbatchev.

Por Pedro Oliveira*

As sanções dos EUA que tentam isolar o Irã

Após deixar o acordo nuclear multilateral com o Irã, os Estados Unidos reativaram as sanções economicas contra o país persa. A Europa, que quer promover a manutenção do pacto, também está sendo afetada: todas as companhias europeias que mantém relações comerciais com governos ou corporações iranianas serão atingidas pelas represálias da administração Trump

Por Alessandra Monterastelli *

Europa busca outras potênicas: China e Rússia

França e Alemanha tentam se aproximar da China e da Rússia após os Estados Unidos deixarem o acordo multilateral com o Irã; esses encontros também evidenciam uma nova organização diplomática mundial 

Chanceler iraniano visitará China, Rússia e países europeus

O chanceler iraniano, Mohammed Javad Zarif, buscará na China, na Rússia e na Europa o apoio em prol do acordo nuclear, de grande interesse também para esses países

As acusações sem provas mas cheias de interesse de Israel contra o Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou na segunda-feira (30), em discurso na sede do Ministério da Defesa em Tel Aviv, o Irã de quebrar o acordo nuclear assinado com diversas potências mundiais, apresentando como prova um power point feito por ele mesmo. Em resposta, o Irã afirmou que as acusações foram para dar uma justificativa aos EUA para sairem do acordo nuclear

Vilarejo vira símbolo de movimento antinuclear na França

Bure, um lugarejo de 90 habitantes, resiste firme à intenção das autoridades de depositar dejetos radioativos em suas terras – apesar de violência policial e tentadoras compensações financeiras

Reforçar a luta dos povos contra as armas nucleares

Ignorando décadas de luta dos povos contra os armamentos de destruição em massa, as potências imperialistas aglutinadas na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e seu líder maior, os EUA, não hesitam em colocar as armas nucleares no centro da sua política. Atualmente há quase 15 mil ogivas nucleares espalhadas pelo mundo e a modesta redução deste arsenal não significa a redução do perigo; a nossa mobilização permanece urgente.

Por Socorro Gomes*

EUA e Rússia: os sinais de uma corrida armamentícia

O presidente Russo Vladmir Putin anunciou, na quinta-feira (1) que seu país desenvoleu um novo arsenal estratégico capaz de levar ogivas nucleares e que não seria capaz de ser interceptado, como resposta a flexibilização dos limites para a utilização de armas nucleares nos EUA rpmovidos pela Administração Trump

Irã está cumprindo o acordo nuclear, afirma relatório 

O Relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), divulgado na quinta-feira (22), aponta que o Irã tem se mantido dentro das restrições impostas pelo acordo nuclear de 2015 firmado com outros países ocidentais, contrariando a desconfiança de Donald Trump

Por Alessandra Monterastelli *

Posicionamento nuclear dos EUA volta a ser o da Guerra Fria

Estados Unidos se preparam para ter seus bombardeiros nucleares prontos para uso 24 horas por dia; Força Aérea organiza retorno a estratégia usada na Guerra Fria à espera de uma ordem do Pentágono

1 2