A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: Guerra fria

Morre espião inglês que aderiu ao comunismo em plena Guerra Fria

George Blake decidiu trabalhar para a KGB após ver o bombardeio da Coreia do Norte e ler as obras de Karl Marx durante seus três anos de detenção

Direita une antissemitismo e anticomunismo

A tática de usar preconceitos preexistentes para construir apoio para ideias reacionárias tem sido muito bem-sucedida para a direita.

Russo questiona declaração de compromisso científico de farmacêuticas

Líderes da Biopharma se uniram para defender a ciência por meio de declaração de compromisso. Fundo da Vacina russa questionou como genérica a declaração acusando a insegurança de suas vacinas.

Argentina: não “guerra suja”, mas terrorismo de estado

A ditadura militar argentina se baseou em torturas e desaparecimentos para erradicar os opositores políticos, reais ou imaginários. Para disfarçar o terror do regime militar, a direita ainda se refere àqueles anos como “guerra suja”.

Corrida à Lua: As três vitórias da União Soviética contra os EUA 

Em 15 de setembro de 1959, o premiê soviético Nikita Khrushchev chegou a Washington para uma visita histórica. Em um tour pela Casa Branca, Khrushchev deu ao presidente americano, Dwight Eisenhower, um objeto esférico com um emblema soviético entalhado. O presente continha um simbolismo: a esfera era uma cópia da levada a bordo pela missão Luna 2, que um dia antes havia se tornado a primeira sonda a chegar à superfície da Lua.

Mesmo sem chegar à Lua, União Soviética venceu EUA na corrida espacial

Há exatamente 50 anos, quando a Apollo 11 chegou à Lua em 20 de julho de 1969 e o astronauta Neil Armstrong deu seu “grande salto para a humanidade”, tudo parecia perdido para a União Soviética (URSS). Milhões de pessoas no mundo todo viram essas imagens na televisão. Na história popular, os Estados Unidos se tornaram os grandes vencedores da corrida espacial contra os soviéticos. Nada mais falso!

Rita Coitinho: Antes Guerra Fria, agora Guerra às Drogas 

O discurso “oficial” das forças armadas brasileiras sobre o golpe civil e militar de 1964 é um só: o mundo estava à beira de uma revolução comunista mundial, o Brasil estava um caos e era preciso restabelecer a ordem.

Por Rita Coitinho*, no Desacato.info

Os detalhes revelados nos documentos sobre o assassinato de Kennedy

Após 25 anos são liberados parte dos documentos mantidos em sigilo sobre o assassinato do presidente norte-americano John F. Kennedy, ocorrido em 1963. Apesar de até agora não provocarem reviravoltas na história e nas conclusões do caso, alguns fatos curiosos sobre o assassinato e detalhes vêm à tona; entre eles, os planos dos EUA contra diversos líderes mundiais, como Fidel Castro 

Por Alessandra Monterastelli *

Posicionamento nuclear dos EUA volta a ser o da Guerra Fria

Estados Unidos se preparam para ter seus bombardeiros nucleares prontos para uso 24 horas por dia; Força Aérea organiza retorno a estratégia usada na Guerra Fria à espera de uma ordem do Pentágono

Entrevista com Michel Hudson: A nova Guerra Fria financeira global

Entrevista de Michael Hudson, economista especializado em finanças e historiador. É presidente do Instituto para o Estudo de Tendências Econômicas de Longo Prazo, é analista financeiro de Wall Street e professor e pesquisador emérito da University of Missouri, Kansas City.

Direita, Volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro

Nos dias que correm, a nova direita brasileira se põe diante de nós como uma esfinge: decifra-me ou te devoro. Decifremo-la antes que seja tarde demais.

Na nossa América, não existe coincidência, nem acaso na política

Além de ser um dos grandes escritores argentinos da minha geração – basta lembrar de ‘Luna Caliente’ ou ‘Santo Ofício da Memória’, que levou o mesmo prêmio Rómulo Gallegos dado anteriormente a Vargas Llosa, Carlos Fuentes, Ricardo Piglia e García Márquez –, Mempo Giardinelli é um observador atento e implacável do panorama de nossos países, e um farejador formidável na hora de buscar pistas que ajudem a tentar entender o que acontece.

Por Eric Nepomuceno*, na Carta Maior

1 2