31 de Agosto de 2017 - 11h44

A reserva mineral

Eduardo Bomfim *

A liberação pelo governo Michel Temer de uma reserva mineral na Amazônia, entre os Estados do Pará e Amapá, Reserva Nacional do Cobre e Associados (RENCA) que tem as dimensões do estado do Espírito Santo, transformou-se em uma polêmica internacional.


Como todas as iniciativas desse governo estão vinculadas aos interesses do Mercado, contrárias à soberania nacional, ao patrimônio estatal estratégico, com abate das garantias trabalhistas históricas, esse decreto, provisoriamente sustado pela justiça federal, também merece o contundente repúdio do povo brasileiro.

Porque o que está em curso é mais um dos grandes negócios de lesa pátria que já viraram banais na gestão Temer. Ao lado desse clamor contra a liberação para exploração da reserva RENCA existem outras questões seríssimas, porque trata-se de uma área riquíssima em outros minerais além do cobre, ouro etc.

Existe a imperiosa necessidade da preservação de todo um ecossistema, incluindo as reservas indígenas na região. Porém, ao lado da polêmica internacional e nacional há igualmente os costumeiros movimentos de certas ONGs globais, associadas aos objetivos estratégicos do Mercado financeiro e mais especificamente às políticas para a Amazônia brasileira por grandes potências mundiais.

Várias ONGs estão a serviço de grupos financeiros, determinadas nações como a Grã-Bretanha e outros Países, difundem uma espécie de fundamentalismo ambiental sectário, atraem os incautos, mas pretendem a internacionalização da Amazônia brasileira, suas riquezas estratégicas que incluem vários minerais nobilíssimos e o domínio da maior reserva aquífera do planeta.

Para essas ONGS internacionais e filiais nativas não há a palavra soberania nacional, a combinação científica e sustentável do ecossistema com a exploração criteriosa dos incalculáveis recursos minerais da região em prol dos interesses do País, da sociedade brasileira.

É falsa a ideia de que a Amazônia é um santuário global intocável. Esconde objetivos geomilitares expansionistas de grandes potências, vide documentos públicos conhecidos, tanto como não há preocupação estratégica com a Defesa Nacional da região. É o caso do governo antinacional, antissocial de Michel Temer. Assim, na defesa da Amazônia o que está em jogo é a sobrevivência do Brasil como nação soberana.

* Advogado

* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR