Rússia lança site oficial para marcar atual presidência no Brics

Novo portal foi iniciativa do governo Vladimir Putin e contém informações sobre a cooperação multifacetada dos países-membros, além de fotos e material multimídia

Por iniciativa do governo Vladimir Putin, a Rússia lançou nesta semana um portal para marcar a passagem do país pela presidência rotativa dos Brics – o grupo de economias emergentes que, além da Rússia, reúne Brasil, Índia, China e África do Sul. O novo portal contém informações sobre a cooperação multifacetada dos países-membros, além de fotos, material multimídia e calendário com atividades de 2020.

A Rússia assumiu das mãos do Brasil a presidência rotativa do Brics em 2020. Entre as prioridades da presidência russa do grupo, está a proposta fortalecer princípios multilaterais na política global e promover os interesses comuns dos países do Brics em plataformas internacionais; desenvolver a cooperação comercial, econômica e financeira; e fomentar a parceria nas esferas cultural e humanitária, bem como intensificar contatos entre as pessoas dos países-membros.

“O principal objetivo da cooperação entre os países-membros do Brics, como vemos, é proporcionar benefícios reais para as pessoas e ajudar a melhorar os padrões e a qualidade de vida”, declarou o Putin durante a última cúpula de líderes do bloco, realizada em novembro passado. Esse encontro ocorreu no Palácio Itamaraty, em Brasília, sob o lema “BRICS – Crescimento Econômico para um Futuro Inovador”. A próxima cúpula acontecerá de 21 a 23 de julho, na cidade russa de São Petersburgo.

A coordenação entre Brasil, Rússia, Índia e China (inicialmente batizada de BRIC) foi lançada de maneira informal, em 2006, com reunião de trabalho entre os chanceleres dos quatro países à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas. Desde então, o acrônimo, criado alguns anos antes pelo mercado financeiro, não mais se limitou a identificar quatro economias emergentes.

O BRIC passou a constituir mecanismo de cooperação em áreas que tenham potencial de gerar resultados concretos aos povos dos demais membros. Desde 2009, os chefes de Estado e de governo do agrupamento se encontram anualmente. Em 2011, na Cúpula de Sanya, a África do Sul passou a fazer parte do agrupamento, acrescentando o “S” ao acrônimo, agora BRICS.

Com informações do Russia Beyond e do Itamaraty

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *