Regulamentação do Fundeb é adiada por falta de acordo

Parlamentares do PCdoB cobram mudanças no relatório de Felipe Rigoni (PSB-ES). Novo Fundeb é o principal mecanismo de financiamento da educação básica pública no Brasil e a regulamentação precisa traduzir os avanços na política educacional.

A Câmara dos Deputados iniciou a Ordem do Dia da sessão deliberativa virtual desta quarta-feira (9) tendo como destaque a votação da regulamentação do novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). A previsão, no entanto, foi quebrada e o tema não foi votado. O problema é que ainda não há acordo em torno do texto relatado pelo deputado Felipe Rigoni (PSB-ES).

Para o deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA), os parlamentares precisam “aprovar a regulamentação do Fundeb sem pegadinhas que fazem voltar temas já superados nos plenários da Câmara e do Senado”.

O Projeto de Lei 4372/20, da deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) e outros, regulamenta a distribuição dos recursos do Fundeb a partir de janeiro de 2021. Conforme aprovado pelo Congresso Nacional em agosto, o Fundo agora será permanente. Contudo, para entrar em funcionamento, o novo texto depende de regulamentação ainda este ano – com aprovação na Câmara dos Deputados, no Senado e, depois, seguir para homologação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Se isso não acontecer, 1.499 municípios de alta vulnerabilidade, que reúnem sete milhões de alunos, deixarão de receber cerca de R$ 3 bilhões, considerando apenas o ano de 2021, segundo estimativas do Todos Pela Educação.

O relatório de Rigoni, no entanto, traz pontos polêmicos questionados por diversos parlamentares. Entre os itens que precisam ser alterados na visão do PCdoB estão a inclusão de instituições sem fins lucrativos, sobretudo o Sistema S, nas opções de convênio com o setor privado para atender a Educação Técnica-Profissional; a inclusão das equipes multidisciplinares como se fossem profissionais da educação para efeito de reserva de gastos com pessoal na regra de 70% para o pagamento de salários; não regulamentação do Custo Aluno Qualidade (CAQ), entre outros.

“Estamos em luta pela aprovação de um parecer que garanta a valorização dos profissionais da educação, escolas bem estruturadas e condições necessárias para oferecer ensino de qualidade para nossos jovens e crianças”, destacou a deputada Alice Portugal (BA).

O deputado Daniel Almeida (BA) também saiu em defesa de um texto que atenda às necessidades dos municípios. “A aprovação do Fundeb ainda este mês garante que as novas regras do fundo passem a valer já no início de 2021. É importante para fortalecer a educação brasileira, mas com um texto adequado e integralmente destinado às escolas públicas”, pontuou.

Ainda não está definida a nova data para a votação. Alguns parlamentares acreditam ficará para segunda-feira (14), outros afirmam que a matéria pode voltar para a pauta ainda esta semana.

Fonte: PCdoB

Um comentario para "Regulamentação do Fundeb é adiada por falta de acordo"

  1. MARIA DE FARIAS SANTOS disse:

    Realmente, é complexo, temos que ficar de olho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.