9 de dezembro de 2016 - 15h13

Trabalhadores das IFEs aprovam retorno ao trabalho para o dia 15 


 Apesar da definição sobre o término do movimento paredista, a categoria continua mobilizada para a realização de um ato político no dia 13 de dezembro, data da segunda votação, no Senado, da PEC 55/16. O objetivo é concentrar força capital e realizar uma manifestação conjunta com outras categorias e centrais sindicais para pressionar os senadores goianos a barrarem o projeto.

Foi aprovado também que a categoria se mantenha em mobilização constante, para que os retrocessos apresentados pelo governo Temer sejam enfrentados e derrotados.

A greve

A greve dos TAEs em 2016 teve duas características que a diferenciaram dos movimentos anteriores. A primeira delas é que a greve não foi motivada por um aumento salarial ou alterações na carreira, mas sim com o objetivo claro de barrar a PEC 55/16, que congela investimentos em educação, saúde e programas sociais por 20 anos. Essa medida, na prática, vai inviabilizar o funcionamento dos serviços públicos.

A segunda é que, diferente das greves de 2015 e 2014, essa foi deflagrada por tempo determinado, enquanto durar a tramitação da PEC. Sobre a duração, o CNG avalia que, mesmo se a proposta for aprovada pelo Congresso, o movimento cumpriu um papel importante de acumular forças para o próximo período, conforme consta em seu Informe de Greve publicado na noite de ontem:

“Para termos clareza do momento da Greve é necessário avaliarmos 03 cenários:

a) a PEC é aprovada,

b) a PEC fica para 2017, e

c) a PEC é rejeitada ou arquivada.

Independente do resultado desses cenários, a categoria deve incorporar em sua análise que a Greve Nacional da FASUBRA cumpriu com seu papel, pois ousou confrontar o poder do governo e teve respaldo importante de vários setores, tal como a ANDIFES. Em todo enfrentamento há o momento de recuo estratégico, para reorganizar as ações, acumulando forças para os próximos embates. Em todos cenários acima apontados, o momento conjuntural impõem a necessidade de acumular forças para 2017.” (Para ter acesso ao IG completo, clique aqui)

Os TAEs aprovaram ainda uma série de resoluções com o objetivo de fortalecer o movimento, tanto dentro da categoria, quanto da comunidade universitária da UFG, do IFG e do IF Goiano. Seguem abaixo as resoluções aprovadas.

1 - Mobilizar a categoria para participar de ato em Goiânia no próximo dia 13, conforme orientação da Fasubra e outras entidades nacionais;

2 - Indicar para as demais entidades sindicais, estudantis e movimentos sociais que forem participar de atividade em Goiânia para construir um ato unitário;

3 - Concentração na Praça do Bandeirante, às 14h, com um velório da morte dos direitos sociais e depois seguir em cortejo fúnebre, com caixão, carro de funerária, etc, até a Assembleia Legislativa de Goiás, onde encerraria com um ato político conjunto com entidades sindicais dos servidores estaduais;

4 - Apoiar financeiramente o DCE, a UNE, UEE e outras entidades estudantis que solicitarem ajuda para promoverem caravana a Brasília no dia 13;

5 - Viabilizar financeiramente a vinda da categoria e de entidades estudantis que desejarem participar do ato político em Goiânia;

6 - Realizar nova assembleia no dia 14, quarta feira, em local a definir;

7 - Retorno ao trabalho no próximo dia 15, quinta feira, conforme indicativo do CNG/Fasubra;

8 - Participação do Comando Geral de Greve e a categoria em geral em duas atividades na segunda feira, as 9h: a) reunião com o Reitor em exercício do IF Goiano, na Reitoria; b) do ato de solidariedade à companheira Thaisa, da FEFD, que está sendo perseguida pelo governo estadual;

9 - Empenhar para evitar punições, perseguições e corte de ponto da categoria por participação no movimento de greve;

10 - Reorganizar no pós greve o dialogo com professores, estudantes e a sociedade para ampliar e fortalecer o debate e luta contra as medidas do governo;

11 - Indicar ao CNG/Fasubra que substitua a proposta de manutenção do estado de greve por mobilização permanente da categoria, para manter o dialogo com os reitores em aberto.

Fonte: SINT-IFESgo


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais