Mais de 1,8 milhão de lares italianos em pobreza absoluta

Miséria foi maior entre pessoas com menores níveis educacionais e entre estrangeiros

Um milhão e 822 mil famílias residentes na Itália, equivalentes a sete por cento do total, viviam em situação de pobreza absoluta em 2018, informou nesta segunda-feira (30) o Instituto Nacional de Estatísticas da Itália (Istat).

Segundo o Anuário Estatístico 2019, a cifra de pessoas em pobreza absoluta registrada no ano precedente ascendeu a 5.040 milhões, 8,4 por cento da população total, mais de 2,300 milhões concentradas nas regiões do Sul da península e mais de 2,5 milhões de mulheres.

A incidência da pobreza absoluta afetou mais de 1,260 milhão de menores, 12,6 por cento, e mais de 1 milhão de pessoas no grupo etário de 18 a 34 anos, enquanto o segmento com menor incidência foi o dos maiores de 63 anos, com 4,6 por cento ou quase 630 mil.

Em geral, indicou a pesquisa, o impacto foi elevado nas famílias com quatro, cinco ou mais componentes, com 8,9 e 19,6 por cento, respectivamente, todavia índices altos confirmaram-se também entre os casais com três ou mais filhos, com 16,6 por cento e nas famílias de mães ou pais solteiros, com 11,4.

Segundo o Istat, a pobreza absoluta foi maior entre as pessoas com menores níveis educacionais e entre os estrangeiros, onde abrangeu mais de 1,5 milhão de famílias com ao menos um estrangeiro, equivalentes a 25,1 por cento.

Fonte: Prensa Latina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *