Lava Jato usou O Antagonista para interferir no Banco do Brasil

Força-tarefa municiou com documentos o site de Diogo Mainardi para alimentar notícias que evitassem que o ex-presidente da Petrobras Ivan Monteiro ocupasse a presidência do BB

Procuradores da Lava Jato agiram politicamente – usando o site O Antagonista como porta-voz – para interferir na escolha do presidente do Banco do Brasil no governo Bolsonaro. Em fins de 2018, a força-tarefa municiou com documentos a página para alimentar notícias que evitassem que o ex-presidente da Petrobras Ivan Monteiro ocupasse a presidência do banco.

O site, de viés neoliberal e direitista, é comandado pelos jornalistas Diogo Mainardi, Mario Sabino e Claudio Dantas. A Lava Jato, ao recorrer à página, partia do pressuposto de que Monteiro era o nome mais forte entre os cotados para assumir o BB, uma escolha do ministro da Economia Paulo Guedes – a Monteiro era dado o crédito por ter salvado as contas da Petrobras.

O caso é o exemplo mais escandaloso de uma relação promíscua entre o grupo comandado por Deltan Dallagnol e os jornalistas do Antagonista – mas nem de longe o único, como mostram as conversas no aplicativo Telegram que foram entregues ao site The Intercept Brasil por uma fonte anônima. Elas fazem parte da série Vaza Jato, que já publicou 84 reportagens em parceria com os veículos Folha de S.Paulo, El País, Bandnews FM, Veja, BuzzFeed News, Agência Pública e UOL.

A leitura das conversas deixa claro que a Lava Jato e O Antagonista se veem como parceiros. O site abre mão da função primordial do jornalismo – fiscalizar o poder e os poderosos, aí incluídos procuradores e juízes – e recebe em troca informações em primeira mão. Os procuradores também interferiram, ao menos uma vez, diretamente na direção editorial do site.

Diogo Mainardi, dono e editor do site, acatou pedido de Dallagnol e parou de publicar notícias sobre um escândalo de corrupção que envolvia a Mossack Fonseca, um escritório de advocacia suspeito de abrir empresas offshore no Panamá. Mainardi também deu dicas de investigação a Dallagnol, que seguiu as pistas do jornalista e em seguida informou-o – em tom lamentoso – que o caso estava fora da alçada da operação.

Em outro caso, os diálogos mostram também que a Lava Jato acreditou num boato repassado por Claudio Dantas para pedir – sem autorização da Justiça – a quebra do sigilo fiscal de uma nora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2016. Para isso, os procuradores acionaram informalmente um contato na Receita Federal. Nada foi encontrado contra ela, que jamais foi indiciada ou acusada de crimes.

Em troca do jornalismo chapa-branca, Dallagnol passava informações privilegiadas ao site. Isso fica claro numa mensagem num chat privado de 30 de agosto de 2018, em que o procurador diz o seguinte, ao entregar em primeira mão a Claudio Dantas dados que haviam sido pedidos pelo jornal El País: “Nao estamos passando pra mais ng agora”. Tratava-se de uma resposta da operação a um depoimento do advogado Rodrigo Tacla Duran, um crítico da Lava Jato, na Espanha.

Nos diálogos, Claudio Dantas se mostra um bom parceiro dos servidores públicos que, pela ética da profissão, ele deveria fiscalizar. O jornalista perguntou aos procuradores, em junho de 2017, quem a Lava Jato apoiaria na eleição da categoria para o cargo de procurador-geral da República, o chefe do MPF, o Ministério Público Federal. Dantas desejava se alinhar aos procuradores para, em suas palavras, “apoiar [o nome] certo”. Em resumo: o editor do site queria entrar em campanha com a Lava Jato.

Fundado por jornalistas que ajudaram a dinamitar a credibilidade da maior revista semanal do país, a Veja – ao torná-la um panfleto antipetista e ingrediente crucial na crise que afundou a editora Abril –, O Antagonista é bancado pela Empiricus, uma consultoria de investimentos que espalha panfletos catastrofistas (e habitualmente furados) em busca de clientes e que já foi multada por propaganda enganosa.

Mesmo com tal currículo, o site se tornou porta-voz da Lava Jato e, principalmente, de Sergio Moro. A própria Veja, em uma carta ao leitor publicada em julho do ano passado, fez uma autocrítica pela fase em que alçou Moro à condição de herói nacional imune a críticas. Na mesma edição, a revista publicou reportagem em parceria com o Intercept mostrando ilegalidades cometidas pelo então juiz da Lava Jato.

O caso BB

Uma batalha silenciosa estava em curso no embrionário governo de transição de Bolsonaro nos últimos dias de novembro de 2018. Em disputa, a presidência do Banco do Brasil. Paulo Guedes, o “super-ministro” da Economia, gostaria de entregar o cargo a Ivan Monteiro, então presidente da Petrobras. Mas a preferência do “posto Ipiranga” incomodava a “área política” do então futuro governo – comandada por Onyx Lorenzoni, ex-deputado federal e atual chefe da Casa Civil do Planalto.

O político do DEM era o então chefe da equipe de transição governamental. Lorenzoni e Dallagnol eram muito próximos. Quando deputado, foi Lorenzoni que encampou e relatou as “Dez Medidas contra a Corrupção na Câmara”, gestadas por Dallagnol e que se tornaram uma obsessão dele. Nem a certeza de que o político estava envolvido em corrupção, como mostramos em agosto, afastou o procurador do ex-deputado.

As mensagens trocadas via Telegram não deixam claro por que, mas, no fim de tarde de 21 de novembro de 2018, ele enviou ao grupo do Telegram Filhos do Januario 3 uma reportagem da Folha que citava a insatisfação de Onyx Lorenzoni com o então presidente da Petrobras Ivan Monteiro. O procurador acionou os colegas em busca de informações que pudessem desabonar Monteiro.

21 de novembro de 2018 – Grupo Filhos do Januário 3

Deltan Dallagnol – 17:55:49 – Caros, o que temos do Monteiro mesmo?

Dallagnol – 17:56:04 – https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/11/nomeacao-de-monteiro-para-bb-enfrenta-resistencia-da-area-politica-de-bolsonaro.shtml

Athayde Ribeiro Costa – 17:56:49 – De concreto nada: mas uns manuscritos apreendidos com Bendine sao mt suspeitos

Dallagnol – 17:58:04 – Vc consegue identificar? Se forem públicos, essa é a hora de lembrar deles

Dallagnol – 17:58:15 – Se SUPRIMIDO ou alguém puder separar seria ótimo

Jerusa Viecili – 17:58:20 – https://www.oantagonista.com/brasil/presidente-bolsonaro-pergunte-moro-quem-seria-o-ivan/

Costa – 17:58:34 – Ja pedi pra levantar

Viecili – 17:58:46 – antagonista é mais rapido

Viecili – 17:58:49 – hehehe

Dallagnol – 17:59:25 – kkk

Dallagnol – 17:59:43 – Tem mais coisa Tatá?

Costa – 17:59:43 – Mas tem outrso

Dallagnol – 17:59:47 – boua

Costa – 17:59:52 – mando dps

Januário Paludo – 18:01:02 – Noticia velha. https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-ivan-monteiro-e-carta-fora-baralho/

Viecili – 18:02:10 – hahahahaha

Viecili – 18:02:28 – já caiu graças aos manuscritos que Isabel e eu encontramos na casa do bendine

Bendine e Monteiro são próximos. Mas Monteiro – que foi levado à petrolífera por Bendine e chegou a presidi-la durante o governo Temer – jamais foi indiciado ou acusado de cometer qualquer crime pela Lava Jato. Após ordenar a assessores a busca pelos documentos, Dallagnol enviou quatro arquivos a Claudio Dantas, do Antagonista, que vinha em campanha aberta para que Monteiro não fosse indicado.

Àquela altura, como deixam claro os diálogos, O Antagonista já publicara várias notas tentando implodir a nomeação de Monteiro no governo Bolsonaro – boa parte delas assinadas por Claudio Dantas. Ainda que o procurador Januário Paludo acreditasse que o então comandante da Petrobras era carta fora do baralho, Dallagnol preferiu se precaver. Na madrugada, o procurador voltou a abastecer o jornalista:

22 de novembro de 2018 – Chat privado

Deltan Dallagnol – 01:06:56 – Dr., menção a Ivan relacionada à PETROS.

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – Apreendido no Bendine tb

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Dallagnol – 01:07:43 – [imagem não encontrada]

Claudio Dantas – 01:29:34 – Legal

Claudio Dantas – 01:29:37 – Amanhã posto

Dantas, no fim das contas, nunca postou o material que Dallagnol lhe enviou para incriminar Monteiro. Não seria preciso. Àquela altura, Guedes já escolhera Rubens Novaes para comandar o Banco do Brasil, como informou a Folha. A ala política comandada por Onyx, o amigo de Dallagnol, venceu. Com ajuda da Lava Jato.

A força-tarefa preparava, no início de 2016, seu passo mais ousado até ali: a fase da operação que obrigaria Lula a prestar depoimento no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Nos primeiros dias de janeiro, a operação receberia de Claudio Dantas uma informação que, mesmo desacompanhada de provas, levou os procuradores a fuçar sem autorização judicial os dados fiscais de Marlene Araújo Lula da Silva, nora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo as conversas, Dantas disse ao procurador Januário Paludo, um dos veteranos da Lava Jato, que Marlene teria recebido da empreiteira OAS um imóvel no novo terminal de passageiros do aeroporto internacional de Guarulhos. A fé da Lava Jato em seus porta-vozes na imprensa bastou para que Paludo dissesse aos colegas que pediria informalmente à Receita Federal – ou seja, sem controle judicial – uma devassa na vida de Marlene, como Intercept e a Folha de S.Paulo já mostraram.

13 de janeiro de 2016 – Grupo 3plex

Januário Paludo – 15:31:00 – Olá meninos. Acabei de chegar em Curitiba. Estou quebrado por que vim de carro. Amanhã de manhã estarei aí. Conseguiram poder para o Jonatas fazer a pesquisa da nota do lula?

Julio Noronha – 15:32:13 – Oi Januário! Que bom que você chegou! Estamos ansiosos por sua volta!!!1

Athayde Ribeiro Costa – 15:32:31 – estamos com sauddes januario

Noronha – 13:32:41 – Pesquisa sobre a Marlene?

Paludo – 16:02:44 – Isso

Paludo – 16:02:44 – Marlene lula da Silva. Tem que ver a dói com nome de solteira.

Paludo – 16:03:14 – E aquisição em guarulhos aeroporto.

Noronha – 16:04:53 – Vou pedir aqui agora

Paludo – 16:06:54 – A oas teria doado. E foi quem fez a obra de ampliação.v

Paludo – 16:07:41 – Acho que se a informação for quente temos uma boa probabilidade.

Paludo – 16:08:24 – Pode ter sido mera concessão de área.

Paludo – 16:09:15 – Hoje o local estaria locado para o restaurante Rascal.

Noronha – 16:09:22 – Maravilha! Pode ser uma boa mesmo

Paludo – 16:09:50 – O Claudio Dantas que me passou a informação.

Não foi só Paludo que se movimentou. Naquele mesmo dia, outro procurador da Lava Jato, Júlio Noronha, recebeu pelo Telegram a seguinte informação, vinda de um assessor: “Dr Julio, no COAF tem qualquer indicação suspeita dela, por isso não gerou a DOI. No Censec não constam escrituras ou procurações para o CPF dela. No Rastreamento societário aparece uma bar da qual ela foi sócia entre 2000 e 2002″.

Ainda assim, a Lava Jato tinha tal fé na dica do Antagonista que pediu formalmente a Sergio Moro a quebra do sigilo fiscal e bancário de Marlene Araújo – o então juiz da Lava Jato recusou, alegando que não vislumbrava “causa suficiente” para a medida contra ela.

Nada jamais foi encontrado contra Marlene, casada com Sandro Luís Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente. Ela nunca foi indiciada ou acusada de crime pela Lava Jato. Nem isso e nem os repetidos avisos dos assessores de comunicação do Ministério Público Federal sobre a pouca credibilidade do site – que veremos adiante – diminuíram o prestígio do Antagonista com os procuradores.

Já no final de dezembro de 2015, O Antagonista publicou quatro notas que colocavam empresas offshore no rol de suspeitos da Lava Jato. Não se tratou de uma investigação jornalística do site – notório pelas notas telegráficas e publicações no estilo “Fulano de tal foi ao Twitter para…” –, mas de um vazamento de inquéritos em andamento na Polícia Federal, como ficaria claro pela reação dos procuradores.

Horas depois da última nota publicada, um dos diretores do site, Diogo Mainardi, recebeu mensagens de Dallagnol pelo Telegram. O coordenador da Lava Jato queria que o site parasse de publicar notícias sobre offshores “em benefício do interesse social da investigação”. O procurador se arvorava o direito de definir o que era melhor para a sociedade e, em troca, acenava com a promessa de informações exclusivas no futuro.

28 de dezembro de 2015 – Chat privado

Deltan Dallagnol – 13:56:48 – Oi Diogo, como vai? Antes de tudo, desejo um excelente fim e começo de ano a Vc e família. Parabéns pelos furos do duplex e da Mosack. O colega que atua nisso na nossa FT é o Januario Paludo. Ele me pediu para entrar em contato com Vc e lhe pedir, por um bem maior do resultado do caso e em benefício do interesse social da investigação, que suspenda informações sobre a Mosack, pois veremos em janeiro o que dá para fazer em relação a isso. Compreendemos o lado jornalístico da divulgação, e Januario lhe fornecerá, assim que possível, informações sobre esse assunto de modo prioritário se Vc puder segurar essas informações, como uma forma de agradecer sua contribuição com o caso. Segue o telefone dele. Fique à vontade para contatá-lo diretamente:

Dallagnol – 13:56:56 – [Imagem não encontrada]

Diogo Mainardi – 23:06:16 – Caro Dallagnol, como você sabe, só quero ajudar as investigações, por isso mesmo pedi ao meu pessoal para segurar todas as notícias sobre a Mossack.

Mainardi – 23:11:07 – Estou preocupado com o atraso na homologação da delação da Andrade Gutierrez. Publiquei que os executivos da empreiteira entregaram a campanha da Dilma e que o PGR preferiu ganhar tempo. Isso prejudica enormemente a Lava Jato

Dallagnol – 23:34:48 – Obrigado

Dallagnol – 23:38:00 – Acho que não é por aí. Também queremos que a PGR assine logo, porque a fila tem que andar (há outras pendências também), mas quanto aos fatos não há nada assim bombástico. Na PGR, como no STF, tudo demora. É o modo como o sistema funciona. Por isso que prerrogativa de foro é ruim. Atrasa o tempo da investigação

Mainardi – 23:50:04 – Me disseram claramente que Edinho Silva e Giles Azevedo pediram R$100 milhões para a campanha de 2014, por dentro e por fora. Isso é explosivo, sim.

No dia seguinte, a conversa prosseguiu. Mainardi informou que a Lava Jato não precisava se preocupar: o site deixaria de lado os critérios jornalísticos e o interesse público pela conveniência da operação de Curitiba. Mainardi aproveitou para fazer um pedido aos investigadores:

29 de dezembro de 2015 – Chat privado

Diogo Mainardi – 13:54:16 – Caro Dallagnol, nosso excelente repórter, Claudio Dantas, telefonou para o Paludo e eles já se entenderam

Mainardi – 13:56:36 – Se vocês esclarecerem o caso do apartamento do Lula (e também de seu sítio) muitas questões serão resolvidas

Deltan Dallagnol – 14:31:12 – 

Dallagnol – 14:32:36 – Essa questão tem evoluido há um bom tempo, sob diferentes estratégias. Vamos ver aonde nos levará…

Cumprindo o acordo firmado com Dallagnol, O Antagonista não publicou nada a respeito da Mossack Fonseca até 26 de janeiro de 2016, quando estourou a 22ª fase da Lava Jato – que mirava justamente o escritório e o apartamento vizinho ao triplex de Lula. Foi nessa data que a censura pedida por Dallagnol, e acatada pelo site, deixou de vigir. Perguntamos à Lava Jato o que Mainardi quis dizer quando afirmou que “Dantas e Paludo se entenderam”. Não obtivemos resposta. Procurado, O Antagonista também não se manifestou.

Diogo Mainardi também se sentia à vontade para dar palpites à Lava Jato sobre o rumo de investigações. Em novembro de 2015, ele sugeriu ao procurador que buscasse pelo nome de “uma certa Marcia Ferreira”, que dizia ser um elo entre o ex-tesoureiro do PT João Vaccari, à época já condenado na Lava Jato, e gráficas sob suspeita de ligação com o partido:

13 de novembro de 2015 – Chat privado

Diogo Mainardi – 07:02:16 – Caro Dallagnol, em abril, denunciei a gráfica fantasma VTPB, que deve ser a mesma a que se referiu Vaccari na cadeia, segundo a delação de Fernando Baiano. Ontem uma pessoa me disse que o contato de Vaccari com as gráficas que emitiam notas frias era uma certa Marcia Ferreira. Não sei quem é e gostaria de saber. A Lava Jato já encontrou esse nome alguma vez?

“Vou checar”, respondeu Dallagnol no dia seguinte. Imediatamente, Dallagnol consultou o procurador Roberson Pozzobon, seu colega de força-tarefa, para saber se o nome de Marcia Ferreira já havia aparecido nas investigações. Dallagnol reproduziu a Pozzobon a mensagem que recebera de Mainardi e, em seguida, perguntou:

14 de novembro de 2015 – Chat privado

Deltan Dallagnol – 14:19:56 – Robito temos essa info?

Roberson Pozzobon – 16:12:24 – Nunca tinha ouvido falar Delta

Pozzobon – 16:12:28 – Boa linha

Dallagnol, então, retornou com a resposta a Mainardi. “Pra nós é novidade”, escreveu, às 18h33 daquele dia. “Bom saber”, agradeceu. No dia seguinte, o jornalista seguiu a insistir que a Lava Jato se debruçasse sobre o caso:

15 de novembro de 2015 – Chat privado

Mainardi – 13:35:28 – A gráfica VTPB deveria ser investigada por vocês. Recebeu 22,9 milhões de reais da campanha de Dilma sem ter escritório nem funcionários. Conhecendo essa turma, o dinheiro deve ter sido retirado na boca do caixa, para realizar pagamentos por fora. Vou enviar o link de nossas reportagens para o seu e-mail. Bom domingo

Dallagnol responderia apenas na noite do dia seguinte, em tom de lamento: “Não podemos infelizmente começar uma investigação do nada em um local diferente da gráfica, sem que algo da lava jato nos leve ao fato”. Assim como a de Claudio Dantas, a pista de Mainardi não rendeu frutos. Até o momento, nenhuma pessoa com o nome indicado pelo editor foi alvo de operação policial ou denúncia da Lava Jato do Paraná.

A Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) havia marcado para 27 de junho de 2017 a eleição da lista tríplice da qual esperava que Michel Temer escolhesse quem sucederia Rodrigo Janot no cargo de procurador-geral da República. A Lava Jato temia que o novo chefe do MPF tentasse limitar suas ações, pois Temer era alvo de investigações. Dias antes da eleição, Dallagnol relatou ao colega Carlos Fernando dos Santos Lima, decano da operação, “um off imenso” que recebera a respeito da sucessão na PGR. Vinha de Claudio Dantas, do Antagonista. Hoje aposentado, Lima costumava ser consultado sobre decisões estratégicas da força-tarefa.

13 de junho de 2017 – Chat privado

Deltan Dallagnol – 20:42:15 – Acho difícil apoiar alguém, mas acho bom Vc saber

Dallagnol – 20:42:15 – este pedido vou mandar só para vc, porque é um off imenso… rs Claudio Dantas, do Antagonista, quer saber quem a FT gostaria que fosse o próximo PGR, mesmo que sem apoio formal, público. nas palavras dele: “importante para a gente apoiar certo”.

Dallagnol – 20:42:15 – importante p gente apoiar certo

Dallagnol – 20:42:15 – esta é minha “primeira” eleição para PGR (a de 2015 não conta, a recondução era natural, e as outras acompanhei “de fora”), mas me parece que é algo beeem político e disputado. alguns candidatos estão fazendo campanha “fora” do MPF tb: dr Carlos Frederico contratou assessoria de imprensa e criou um site (http://www.carlosfrederico.net/), dr. Mario Bonsaglia tb está com site no ar (http://www.mariobonsaglia.com.br/)… além disso, há o risco de Temer escolher um nome fora da lista tríplice.

Dallagnol – 20:42:15 – juntando tudo isso, acho que seria uma boa sugerir um nome para ser apoiado pelo Antagonista. em off, claro. mesmo se não houver um nome de consenso na FT, podemos dizer quais seriam potencialmente melhores para a LJ, as 10M e as 10M+. posso passar a info para o Claudio sem citar nome de ninguém da FT.

Carlos Fernando dos Santos Lima – 21:01:00 – Nicolao e Mário.

À época dessa conversa, oito membros do MPF estavam no páreo pela lista tríplice. Sem poder defender candidatos publicamente, para não se indispor com o eventual vencedor, a Lava Jato não viu problema em sugerir, “em off, claro”, um nome a ser apoiado pelo Antagonista. O site fez seu papel: tornou pública a opção dos lava-jatistas.

Os subprocuradores da República Nicolao Dino e Mário Bonsaglia, candidatos da força-tarefa, acabaram eleitos à lista tríplice – foram respectivamente o primeiro e o terceiro mais votados pelos colegas. A segunda colocada era uma procuradora, Raquel Dodge. O Intercept já mostrou que a força-tarefa continuou tentando influenciar a escolha de Temer mesmo depois da definição da lista tríplice.

Dallagnol procurou Dino – irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB – e informou que pediria a movimentos sociais aliados para pressionarem Temer pela escolha dele, Dino, ao cargo. Daquela vez, a estratégia esbarrou na falta de tempo. No dia seguinte à eleição da lista tríplice, Temer confirmou a indicação de Raquel Dodge para chefiar a PGR – para desgosto da Lava Jato.

Os diálogos também deixam claro que a Lava Jato, a depender da conveniência, privilegiava o Antagonista em detrimento de outros veículos de comunicação. No dia 30 de agosto de 2018 o procurador Roberson Pozzobon repassou ao grupo de Telegram Filhos do Januario 2 – que reunia todos os integrantes da força-tarefa – um pedido encaminhado pela assessoria de imprensa do MPF.

Um repórter do jornal El País queria que a força-tarefa comentasse uma declaração do advogado Rodrigo Tacla Duran, réu na Lava Jato que vive na Espanha, sobre o alegado desinteresse da força-tarefa em ouvir a versão dele. Segundo a mensagem do jornalista, Duran – que no início daquele mês havia tido o nome retirado do alerta vermelho da Interpol –, dizia que tinha uma audiência com os procuradores em Madri marcada para dezembro de 2017 e que nenhuma autoridade brasileira havia comparecido.

A Lava Jato pretendia alegar que o advogado havia sido intimado pela justiça espanhola, a pedido das autoridades brasileiras, e preferiu ficar em silêncio na audiência. Os procuradores sustentavam essa afirmação com base em uma ata enviada pelas autoridades da Espanha. Ao saber que o documento não tinha restrições de sigilo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima aconselhou: “Usem e abusem”. E acrescentou: “Eu, inclusive, deixaria a dica para o antagonista”.

O El País havia pedido resposta à Lava Jato com deadline (prazo-limite) às 11h do dia 31 de agosto de 2018. Na noite anterior, às 20h26, a manifestação do MPF já havia sido aprovada no grupo Filhos do Januario 2 e estava pronta para ser dada ao jornal. Dallagnol, no entanto, decidiu que o Antagonista – que não havia feito qualquer pedido sobre o tema – merecia furar a fila.

30 de agosto de 2018 – Filhos do Januário 2

Carlos Fernando dos Santos Lima – 20:26:39 – El Pais é jornal da Espanha. Poucas vezes teremos oportunidade de falar direto.

Deltan Dallagnol – 20:27:26 – El Pais tem visão de esquerda. E é brasileiro esse CF

Santos Lima – 20:29:08 – Mas é o único que temos. O caso do Tacla tem que ser tratado de forma mais agressiva.

Dallagnol – 20:29:59 – Concordo, mas acho que tem que juntar em autos lóbulos

Dallagnol – 20:30:01 – Públicos

Dallagnol – 20:30:03 – Já

Dallagnol – 20:30:10 – Passar pro antagonista

Dallagnol – 20:30:13 – Já tb

Dallagnol – 20:30:20 – E só em seguida passar pro El País

Dallagnol – 20:30:25 – Não daria o furo pra eles

Dallagnol – 20:30:29 – Tb achei mal intencionado

Julio Noronha – 20:32:00 – Isso! A ideia é amanhã juntarmos nos autos públicos da AP para poder passar e encaminhar a resposta no dealine para o El Pais

Roberson Pozzobon – 20:34:20 – O problema é que o Deadline e 11h da manhã

Santos Lima – 20:34:46 – Façam isso. Por ser mal intencionado, mas importante, é que precisa ser desarmado. Uma reportagem na Espanha pela metade e mal intencionada pode ser pior que esse excesso de dedos.

Conforme o combinado, o procurador Julio Noronha anexou ao processo eletrônico os documentos recebidos da Espanha que combatiam a versão de Tacla Duran. “Segurem as infos pro El país até o último minuto do prazo”, recomendou Dallagnol aos procuradores no grupo Incendiários ROJ. Com a confirmação de que o material já estava nos autos, procurou Claudio Dantas, de O Antagonista:

30 de agosto de 2018 – Chat privado

Deltan Dallagnol – 21:30:44 – Delta, autos 5019961-43 é o q juntamos, doc anexo, f. 119. Será q alguém divulga?

Dallagnol – 21:31:05 – [anexo não encontrado]

Dallagnol – 21:31:34 – [anexo não encontrado]

Dallagnol – 21:31:46 – F. 119 do anexo

Dallagnol – 21:43:25 – Nao estamos passando pra mais ng agora, mas uma vez juntado é possível que alguém de isso amanha mais tarde imagino (deve saber que vários veículos têm robôs que puxam o que tem de novidade). Aviso só pra saber.

Já era madrugada quando Dantas respondeu:

31 de agosto de 2018 – Chat privado

Claudio Dantas – 00:46:04 – Blza. Amanhã dou de manha

O conteúdo, conforme planejou a Lava Jato, foi divulgado com exclusividade pelo Antagonista no dia seguinte. Já Tacla Duran defendeu-se publicamente, por meio do Twitter, afirmando que os procuradores pediram para ouvi-lo em agosto de 2017 e não compareceram à audiência em dezembro.

A predileção da força-tarefa por O Antagonista – devida à postura dócil de seus jornalistas – sempre foi vista com ressalvas pelos assessores de imprensa do MPF. Ainda em 2016, num grupo de que participavam Deltan Dallagnol e os dois assessores que atendiam à Lava Jato, o coordenador da força-tarefa fora alertado sobre a pouca credibilidade do site:

25 de junho de 2016 – Grupo DD-Assessor 2-Assessor 1

Deltan Dallagnol – 21:11:15 – Caros, Vcs contatam por favor o Claudio Dantas?

Dallagnol – 21:11:15 – Caro, tudo bem? Vi você ontem na arena. Vc se saiu muito bem. Quem está querendo falar contigo e o Claudio Dantas. Não dei teu telefone, mas acho que vale a pena o retorno, ainda que por via da ascom, pois ele sempre nos apoiou quando precisamos.abs

Dallagnol – 21:11:15 – [anexo não encontrado]

Dallagnol – 21:11:22 – Tentemos ser generosos rs

O procurador ouviria de seus assessores uma série de objeções – que, como já ficou claro, ele nunca levou em consideração:

26 de junho de 2016 – Grupo DD-Assessor 2-Assessor 1

Assessor 2 – 17:54:59 – Ok dr. Entraremos em contato com ele para analisar o pedido. Mas é bom ficar esperto. A postura do blog é bem clara – ataque ao PT. Creio que é melhor analisar bem antes de decidir atendê-lo.

27 de junho de 2016 – Grupo DD-Assessor 2-Assessor 1

Assessor 1 — 05:01:49 — Claudio Dantas me ligou quando estávamos na Câmara; expliquei que estávamos na sessão das 10 medidas, que vc já tinha outros compromissos para a quarta e ele insistindo em falar com vc na quarta mesmo. Finalmente pareceu entender, mas à tarde SUPRIMIDO me avisou que ele havia pedido seu celular para o dr. Januário e eu mesma pedi para dr. Januário não passar: Boa tarde, dr Januário! SUPRIMIDO me disse que Claudio Dantas lhe pediu o celular do dr. Deltan. Falei com Claudio hoje de manhã e disse que não seria possível falar com dr Deltan hoje. Acho melhor não passar nenhum celular do dr Deltan para ele. Estamos evitando entrevistas para o Antagonista, porque o site andou “pegando pesado” com o PGR. [18:41:54] J: Oi SUPRIMIDO, se pegou pesado não foi conosco e não sem razão. Quando nós precisamos deles, tivemos o apoio. Eu tenho o celular do Deltan, mas não passei e espero a posição dele. Grato. [19:02:44] Assessor 1: Ele deve estar entrando no vôo agora. Ainda estou na PGR, meu vôo é mais tarde. Por favor, fale com ele, mas já havia combinado com Cláudio para marcarmos uma entrevista mais para a frente. É só ele mandar a pauta que apresentaremos para a FT. Confesso que fico irritad com a postura do Claudio. Recusamos muitos pedidos de entrevista de veículos importantes e ele quer usar o “jeitinho brasileiro” para passar na frente dos outros. Mas tudo bem, seremos generosos… rsrs Só espero que ele realmente saiba aproveitar isso e não dê uma facada nas costas assim que a FT não agir de acordo com as expectativas do Antagonista, como já fez com o PGR.

Assessor 1 – 05:06:32 – Antagonista não é site jornalístico, é um blog de opinião. A diferença entre ele e o blog do Luís Nassif, por exemplo, é só a posição no espectro ideológico. De resto, são iguais, ou seja, não são confiáveis. Desculpem o textão, mas tem gente que me tira do sério… rsrs

Meses depois, em fevereiro de 2017, Assessor 1 resumiria a Deltan Dallagnol em um chat privado o que levava os voluntários que haviam encampado o projeto das Dez Medidas Contra a Corrupção a compartilharem do entusiasmo dele pelo site: “Antagonista faz tanto sucesso com grande parte dos voluntários porque compartilham raciocínio e objetivo: o problema da corrupção é o PT e Lula na cadeia resolve”, escreveu, em 4 de fevereiro de 2017. “Mas achei positivos os comentários…. ainda que diga que estou errad, o conteúdo é bom”, respondeu Dallagnol. “Bom mais ou menos, né?”, rebateu Assessor 1.

Também havia, entre procuradores da República, quem compartilhasse da visão dos assessores de imprensa da Lava Jato. Num chat chamado BD, o procurador Angelo Augusto Costa escreveu, em 8 de setembro de 2015: “Esse negócio do antagonista é simples: a PF abastece esse cara de informações, e ele só ouve o lado da fonte que o ajuda. Acho que ele eh irrelevante, pois os ‘donos’ da parada são os outros dois, que têm um projeto político ou, pelo menos, um projeto editorial com fins políticos”. Referia-se, respectivamente, a Claudio Dantas, Diogo Mainardi e Mário Sabino.

Com informações do The Intercept Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *