Os olhos azuis e guerreiros descansaram

Faleceu na madrugada desta segunda-feira (16), aos 83 anos, o histórico militante comunista cearense, Raimundo Guerreiro. “Nós temos que ser como um coco, bonito por dentro”., gostava de afirmar Guerreiro por onde passava.

Descansaram para esse mundo, fechados após meses lutando contra uma doença, os olhos azuis e brilhantes de Raimundo Guerreiro. Olhos de luta, que enxergavam adiante num compromisso de fidelidade com a classe trabalhadora. Partiu o histórico militante comunista, eterno líder sindical, Raimundo Guerreiro. De pequena estatura e grande altivez, parte deixando como legado uma vida de coerência e envolvimento com o povo trabalhador.

Filiado ao PCdoB desde a década de 1970, Guerreiro foi eleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Fortaleza, em 1979, após liderar, de forma combativa e hábil, a histórica greve dos metalúrgicos do Ceará e do Brasil .

Para o advogado trabalhista Benedito Bizerril, seu companheiro de militância política e que o filiou ao PCdoB, Guerreiro foi a maior liderança sindical cearense daquele momento. “Difícil encontrar alguém com o sentimento de classe que Guerreiro teve durante toda a vida. Dono de uma linguagem politizada, teve um papel destacado também na luta contra a carestia, chegando a ser uma das lideranças nacionais do movimento. Foi perseguido, impedido de trabalhar, mesmo sendo um grande trabalhador. Sofreu muito, mas nunca vacilou, nunca perdeu o rumo da luta. Guerreiro foi uma das maiores pessoas que conheci. Sempre muito firme e que deu uma grande contribuição para o partido e para o povo brasileiro”, afirmou Bizerril.

Luis Carlos Paes, presidente estadual do PCdoB, ressalta a qualidade política do militante comunista. “A fala de Guerreiro sempre foi lúcida e clara, abordava com autoridade e conhecimento os problemas dos trabalhadores e, ao mesmo tempo, com conteúdo político, ajudando a elevar a consciência de sua classe sobre a necessidade da conquista do poder”, afirmou Paes.

Raimundo Guerreiro ( de costas, no canto inferior esquerdo) ao participar da primeira convenção do PCdoB após a volta da atuação legal do partido, em

Durante a vida, para sustentar a família, Guerreiro foi pedreiro, carpinteiro, eletricista, sempre amável e disposto. Foi também trabalhador da indústria têxtil na Fábrica Santa Cecília e enfrentou a ditadura militar. Nos últimos meses, já acamado, para todos e todas que o visitavam demonstrava preocupação com os rumos do país, com opiniões sólidas e construtivas. O povo trabalhador era sua grande paixão. Dedicou sua vida a ele. Foi um gigante do início ao fim. Hoje os comunistas cearenses choram a partida de um grande amor, um filho, pai e irmão, um brasileiro e um comunista da mais alta estatura. Tinha o nome mais apropriado, Guerreiro!

O velório acontece nesta segunda-feira (16), a partir das 15:00 horas no Plaza Alvorada (Av. Gen. Osório de Paiva, 255 – Parangaba, em Fortaleza). Um cortejo até o Cemitério da Parangaba conduzira, a partir das 7:30 h da terça-feira (17), o corpo do velho combatente e sua história ficará nos corações de todos que o conheceram.

Um comentario para "Os olhos azuis e guerreiros descansaram"

  1. Fernando Argue disse:

    Descanse em paz, agora, nosso querido e velho ‘Guerreiro’. Você já lutou bastante. Só não vá arranjar confusão ai onde você está, viu?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.