Senado sepulta “carteira verde-e-amarela” e impõe derrota a Bolsonaro

Senadores alegaram estão reunidos para discutir questões sobre a pandemia do coronavírus – e a MP nada tem a ver com o assunto

O Senado “peitou” o governo Jair Bolsonaro e decidiu não analisar a nefasta Medida Provisória 905/2019, conhecida como “MP do Contrato Verde e Amarelo”. A MP retira direitos dos trabalhadores em plena crise econômica e em meio ao avanço do novo coronavírus.

Líder da oposição, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tinha apresentado uma questão de ordem para pedir a suspensão da análise da MP. O pedido, endossado por PDT, PSD, Cidadania e PP, foi acatado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Segundo esses partidos, o Senado está reunido para discutir questões sobre a pandemia do coronavírus – e a MP nada tem a ver com o assunto.

“Diante da manifestação de diversos líderes e da complexidade da matéria, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, retirou da pauta desta sexta-feira a MP 905/2019, conhecida como MP do Contrato Verde e Amarelo”, informou a Agência Senado. Se não for votada até segunda-feira (20), a medida provisória perde a validade.

O MDB apoiou a questão de ordem, num indicativo de que os senadores não vão votar a questão nesta sexta (17).  PSDB, Podemos e Pros também se manifestaram contra a votação da MP nesta sexta.

Entre outas maldades, o Contrato Verde e Amarelo permite que empregadores não cumpram a legislação trabalhista ao contratar jovens sem experiência. A MP previa um contrato com duração de dois anos com poucos encargos trabalhistas e previdenciários patronais.

As centrais sindicais e a oposição ao governo Bolsonaro denunciaram que a medida, além de inconstitucional, jogava a conta da crise apenas nas costas dos trabalhadores. Além disso, nos seis meses em que teve validade, a medida não estimulou a abertura de vagas para o primeiro emprego de jovens de 18 a 29 anos de idade – ou seja, não cumpriu seu suposto objetivo.

O plano incluiria trabalhadores que recebessem um salário mínimo e meio, ou seja, R$ 1.567,50 em 2020. Poderiam ser contratadas ainda pessoas com mais de 55 anos e desempregadas há mais de 12 meses, além de trabalhadores rurais.​

Da Redação, com agências

4 comentários para "Senado sepulta “carteira verde-e-amarela” e impõe derrota a Bolsonaro"

  1. José disse:

    Concordo plenamente em não votar essa afronta contra direitos dos trabalhadores !e benefices aos empresários,isso é plano do governo para tentar se reeleger.

  2. DARIU FRANCISCO disse:

    ACHO QUE O MOMENTO EM QUE O BRASIL ENFRENTA COM A CRISE DO CORONA VÍRUS TRAZIDA POR BOLSONARO E SUA TRUP QUE FORAM BISBILHOTAR O ARSENAL DE FOGUETES DA CORÉIA DO NORTE E DA CHINA JUNTAMENTE COM TRAMP NÃO SOUBERAM VENDER PRÓS CHINESES;AINDA SAIRAM FALANDO DO PAÍS DOS CHINESES TRAZENDO INSTABILIDADE ECONÔMICA PRÓ BRASIL.

  3. Milton disse:

    Vamos ARQUIVAR essa e aguardar a próxima afronta ao trabalhador brasileiro. Infelizmente. #ForaBozo.

  4. Antônio Gomes Teles disse:

    Boas matérias no Vermelho. Ajudam muito quem está em pré campanha por esse Brasil a fora. Ajudam entender o país e o seus reflexos em cada canto.
    Ótimo material para debates com os eleitores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *