Como você está contando às crianças a história da pandemia?

Toda criança precisa de uma narrativa. Aqui está o que vários pediatras estão falando com seus filhos.

(Foto: Reprodução)

Como as crianças entenderão os tempos em que estamos vivendo? Como os pais podem ajudá-los a formar – e entender – a narrativa, mesmo quando eles mesmos se sentem preocupados, sobrecarregados e inseguros?

Voltei a vários pediatras que consultei sobre diferentes aspectos do coronavírus e perguntei: como você está contando a seus filhos a história da pandemia?

A Dra. Gail Shust, professora associada da divisão de doenças infecciosas pediátricas da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York, disse aos filhos de 13 e 15 anos: “Se você tiver filhos, um dia você contará a eles sobre este momento, quando todos ficamos dentro de casa por meses, e todos usavam máscaras.”

Dr. Adam Ratner, diretor de doenças infecciosas pediátricas da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York e Hospital Infantil Hassenfeld em Nova York. Langone Health disse: “Eu nem sei como contar pra mim mesmo a história sobre o que está acontecendo no momento”. Ele escreveu em um e-mail: “Para mim, alguns dias parecem uma grande história de coragem e esperança, e alguns parecem que estamos apenas nos mantendo de pé (ou recuando) diante de um precipício”.

A filha dele está na faculdade, disse ele, “e eu posso falar com ela como posso falar com um adulto, ela adora coisas de saúde pública”. Como ela está interessada em medicina, ele disse: “Eu queria modelar esse bom comportamento médico, onde às vezes você tem que fazer coisas assustadoras ou onde você não tem 100% das informações”.

As narrativas variam de acordo com a idade das crianças, mas todas as crianças precisam de narrativas. Grace Black, pediatra da faculdade da Universidade de Rochester, tem três filhos pequenos, dos quais o mais velho estava no jardim de infância quando o lockdown interrompeu suas vidas. Para seu filho de 3 anos e meio, ela conta, que queria sair e ir a lugares: “Eu disse que não podemos ir porque há um vírus que está deixando as pessoas doentes, então não podemos ir, nós não queremos ficar doentes.”

O filho dela disse que tudo bem, ela conta, e três dias depois, ele disse: “Nós não ficamos doentes, então podemos ir agora?”

“Queremos contar uma história para nossos filhos sobre o que esse tempo vai significar, mas será que vamos conseguir?” disse a Dra. Jenny Radesky, professora assistente de pediatria no Michigan Medicine C.S. Mott Children’s Hospital, em Ann Arbor. “Às vezes, quando você está em um estado de alto estresse, é difícil dar um passo atrás e fazer uma reflexão maior”.

Em um e-mail, ela escreveu: “Acho que a criação de significado geralmente envolve alcançar uma sensação de coerência central que muitos pais dos EUA não têm no momento”. Especialista em crianças e mídia digital, a Dra. Radesky disse que uma das razões pelas quais pode ser difícil contar a história de um ponto de vista maior pode ser porque os pais estão “lidando com pedaços de informações que chegam até nós, feeds personalizados da internet rolando no escuro, tentando encontrar sentido nisso, alimentando-se de todas as informações sobre os números da covid.”

E é mais difícil fazer sentido, escreveu ela, “quando seu cérebro se sente disperso, traumatizado e isolado: geralmente precisamos de outras pessoas e de nossas culturas coletivas para ajudar a extrair sentido das experiências”.

Ler outras narrativas pode ajudar as crianças a pensar em suas histórias, e escrever as coisas é poderoso. Amy Shriver, pediatra geral em Des Moines, Iowa, tem filhas de 9 e 12 anos. Sua filha mais velha está lendo “O Diário de uma Jovem”, de Anne Frank, disse ela, e falou sobre se sentir presa.

Desde que eu estava fazendo essas perguntas no feriado de 4 de julho, “Hamilton” (musical da Disney), que estreou em forma de filme naquele fim de semana, foi um ponto de referência para várias crianças. A Dra. Radesky disse que ajudou a família a atravessar o que de outra forma teria sido um feriado difícil, e a fã de 12 anos da Dra. Shriver, disse-lhe: “Mãe, é assim que é quando o mundo vira de cabeça para baixo.”

Shriver disse em um e-mail: “Estou incentivando meus filhos a fazer diário todas as noites sobre a vida durante a pandemia. Estou dizendo a eles o quão incrível é que todos no mundo estão passando pelo mesmo estresse e preocupações ao mesmo tempo. Mesmo estando fisicamente distanciados, todos nos sentimos mais próximos devido a essa experiência compartilhada.”

O Dr. Ken Haller, professor de pediatria da Universidade de Saint Louis, disse em um e-mail que está perguntando aos pais versões desta pergunta desde 2014, quando muitos de seus pacientes foram afetados pelo levante de Ferguson após a morte de Michael Brown. “Eu estava perguntando especialmente aos pais de bebês e crianças muito pequenas o que eles diriam a seus filhos em 10 ou 15 anos sobre como era a vida durante os protestos”.

Naquela época, ele disse, a maioria dos pais diria que não teve tempo de pensar nisso, mas quando ele faz a pergunta agora, os pais estão interessados em acompanhar – escrever em um diário, salvar posts nas redes sociais, talvez até fazer vídeos conversando com seus filhos quando eles são mais velhos.

“Como pediatras e pessoas que cuidam de crianças, tem sido um momento fascinante em nossa história”, disse o Dr. Ruchi Gupta, professor de pediatria e diretor do Centro de Pesquisa em Alergia Alimentar e Asma do Northwestern e Lurie Children’s Hospital. “Como um vírus pode parar o mundo?” Ela queria que seus filhos me contassem suas próprias histórias dessa época. Houve decepções: seu filho de 18 anos perdeu as festividades do último ano e a formatura presencial, a filha de 14 anos perdeu a formatura da oitava série, depois de passar 11 anos na mesma escola.

Mas seu filho, Rohan Jain, falou sobre a importância de “escrever todos os dias sobre o que está acontecendo no mundo e quais são meus pensamentos”. Era importante para ele marchar por justiça racial, disse ele.

Sua irmã, Riya Jain, escreveu um livro explicando a covid para as crianças. “Eu tinha tantas perguntas, então crianças mais novas que eu teriam as mesmas perguntas, se não mais.” E ela está fazendo um diário em vídeo. “Espero que em 20 anos eu possa mostrar isso aos meus filhos para ajudá-los a entender como foi o ano de 2020”, disse ela. Citando os protestos e a chance de fazer mudanças no mundo, ela acrescentou: “Não é tudo triste em casa”.

Haller tem perguntado às crianças como é não estar na escola e uma criança de 6 anos respondeu: “Eu odeio isso”.

Sua mãe respondeu: “Ele sempre dizia que odiava a escola”.

A Dra. Haller escreveu: “Ele olhou para ela e disse: ‘Não, eu não’.” Ela retornou o olhar, com uma sobrancelha levantada. Ele suspirou e olhou para o chão novamente. ‘Eu sinto falta dos meus amigos. Eu quero voltar.'”

Então, o pediatra perguntou à criança: “Daqui a vinte anos, você pode ter um filho. O que você vai dizer a ele sobre como era estar em 2020? ”

O garoto respondeu: “Vou dizer que foi muito ruim”. Ele pensou brevemente e acrescentou: “E eu direi a ele que realmente gostei da escola”.

Dr. Haller escreveu: “Sua mãe sorriu. Eu olhei para ela e acenei com a cabeça. “Vou dizer a ele que estávamos cansados o tempo todo”, disse ela, olhando para o filho, “mas, de alguma forma, todos superamos isso”.

A Dra. Perri Klass é a autora do livro “Um bom momento para nascer: como a ciência e a saúde pública deram um futuro às crianças”, sobre como nosso mundo foi transformado pelo radical declínio da mortalidade infantil.

Publicado no NYTimes com tradução por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *