As três tendências das eleições

Candidatos bolsonaristas são rejeitados pelos brasileiros;

Não dá para confiar nas pesquisas eleitorais nem em períodos normais. Pior ainda em tempos de pandemia, de redes sociais e de fake news – só para citar alguns fatores desestabilizadores do voto. Mesmo assim, as mais recentes pesquisas parecem indicar três grandes tendências no pleito deste domingo (15):

1- O bolsonarismo não cativou o eleitorado e pode ser o maior derrotado nas urnas. Dos seis candidatos apoiados pelo “capetão” a prefeito nas capitais, quatro já naufragaram (São Paulo, Recife, Manaus e Belo Horizonte) e só dois ainda têm alguma chance de ir ao segundo turno (Rio de Janeiro e Fortaleza).

Refluxo da onda de extrema-direita

Na capital cearense, o tal Capitão Wagner até tentou esconder o apoio do presidente. Já na capital paulista, o midiático-picareta Celso Russomanno também decidiu ocultar o “capetão” na reta final, mas já era tarde. Jair Bolsonaro também apoiou candidatos a prefeitos fora das capitais, mas todos afundaram.

A onda de extrema-direita no país – que resultou no golpe do impeachment contra Dilma Rousseff e chocou o ovo da serpente fascista com vitória de Bolsonaro – parece que sofrerá um revés nesta eleição. Mesmo os tais “outsiders”, os da antipolítica que surpreenderam nos pleitos de 2016 e 2018, agora estão em baixa.

Forças tradicionais ressuscitam
2- A segunda tendência é que as forças de centro-direita e direita devem ressuscitar. Partidos tradicionais e do establishment, como DEM e PSDB, que estavam cambaleantes, ressurgem com força nos centros urbanos. A negação da política e a satanização das esquerdas, patrocinadas pela mídia, parece que agora dão frutos.

Setores da cloaca burguesa, com forte expressão na mídia, apostam no caminho do meio, do “centro”. Eles temem o autoritarismo político e as maluquices obscurantistas do bolsonarismo; mas não toleram as forças de esquerda. Daí a aposta nos candidatos “tradicionais”, nas velhas raposas da política.

A incógnita sobre as forças de esquerda
3- A terceira tendência, a que está menos nítida, é sobre o desempenho das esquerdas. Elas sofreram duras derrotas nos últimos anos e seguem sendo demonizadas pela mídia. Em 2016 e 2018, os revezes nas urnas foram terríveis. A catástrofe não deve se repetir agora, o que indicaria uma certa recuperação das esquerdas.

Em três capitais, as forças populares têm possibilidades reais de vitória. Em Porto Alegre (RS), com Manuela D’Ávila (PCdoB); Vitória (ES), com João Coser (PT); e Belém (PA), como Edmilson Rodrigues (PSOL). Em São Paulo e Rio de Janeiro, as disputas estratégicas ainda vão gerar muita tensão e adrenalina. As forças de esquerda também disputam várias cidades de porte médio. A conferir!

As opiniões expostas neste artigo não refletem necessariamente a opinião do Portal Vermelho

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *