Brasil elege 25 pessoas trans, 212% mais que em 2016

O número de candidaturas também foi recorde: 294, 226% acima das 89 registradas no último pleito municipal, em 2016.

Erika Hilton (PSOL) foi eleita vereadora com 50,4 mil votos em São Paulo - Foto: Facebook

O número de travestis, mulheres transexuais e homens trans eleitos em 2020 atingiu um patamar histórico. Segundo balanço divulgado pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), foram 25 candidaturas eleitas em todo o país, 212% mais do que na eleição municipal anterior, em 2016, quando houve somente oito pessoas eleitas.

O total de candidaturas também foi recorde: 294, salto de 226% em relação aos 89 de 2016. De acordo com a Antra, entre os candidatos, 263 eram travestis e mulheres trans, 19 eram homens trans e 12 tinham outras identidades trans. Além disso, 30 eram candidaturas coletivas, duas eram para prefeitura e uma para vice-prefeitura.

São Paulo, um dos principais colégios eleitorais do país, teve duas candidaturas trans eleitas: a de Erika Hilton (PSOL), com 50.477 votos, e a de Thammy Miranda (PL), com 43.297. É a primeira vez que a cidade terá uma mulher trans e um homem trans como vereadores.

Outra candidatura vitoriosa foi a da Duda Solabert, professora trans que se candidatou pelo PDT e foi a vereadora mais votada da história da Câmara Municipal de Belo Horizonte, com 37.613 votos.

Linda Brasil (PSOL), que será a primeira vereadora trans de Aracaju, foi a candidata mais votada do pleito na capital sergipana.

O interior também elegeu pessoas trans. Kará (PDT) foi a primeira mulher trans eleita em Natividade (RJ) e Lins Roballo (PT) foi a primeira transexual negra eleita em São Borja (RS).

Na nota em que faz um balanço das eleições de 2020, a Antra pede aos candidatos eleitos que usem seus mandatos para aumentar a visibilidade dos travestis e transexuais.

“Saudamos de maneira muito especial as 25 pessoas trans eleitas (…) e, que a partir de agora, terão o dever de se posicionar sobre a importância de visibilizar esses corpos nas câmaras municipais, e defender a nossa existência nos representando e atuando em prol de nossa população. Representatividade é muito importante, mas projeto político, compromisso ético, conduta ilibada, atuação política, diálogo com os movimentos populares e instituições da sociedade civil, e senso de compromisso social, são outros tão importantes quanto”, afirma comunicado da entidade.

Confira a lista completa de candidaturas trans eleitas em 2020.

Autor

Um comentario para "Brasil elege 25 pessoas trans, 212% mais que em 2016"

  1. romulo disse:

    muito legal seu conteudo parabens pelo seu site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.