Índice que reajusta aluguéis encerra 2020 com alta superior a 20%

Em dezembro, IGP-M subiu 0,96% e, no acumulado do ano, 23,14%. Já no Índice de Preços ao Consumidor (IPC), taxa de energia elétrica subiu 8,6% em um mês.

IGP-M impacta aluguéis - Foto: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,96% em dezembro, segundo dados divulgados nesta terça (29) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano, o IGP-M acumula alta de 23,14%. Em dezembro de 2019, o índice havia subido 2,09% e acumulava alta de 7,30% em 12 meses.

O IGP-M é usado como referência para reajustes que impactam a vida do consumidor, como do aluguel residencial, por exemplo. Com a pressão maior da inflação em 2020, o índice teve uma elevação acumulada fora da curva, o que deve levar à necessidade de negociação entre inquilinos e locatários sobre o reajuste de contratos de aluguel, principalmente levando em conta o aumento de desemprego e a perda de renda dos brasileiros devido à pandemia.

O coordenador dos Índices de Preços da FGV, André Braz, destaca que o grupo de preços das matérias-primas brutas, que foi o que exerceu maior pressão inflacionária no índice ao produtor por estágios de processamento, desacelerou em dezembro.

“As matérias-primas brutas caíram 0,74% em dezembro. As principais contribuições para este movimento partiram das commodities [que são produtos básicos com cotação internacional]: soja [11,91% para -8,93%], bovinos [7,40% para -0,58%] e milho [21,85% para -2,17%]. Os preços da soja e do milho seguem em alta em bolsas internacionais e tal movimento pode limitar a magnitude das quedas nas próximas apurações”, prevê Braz.

Consumidor

Por outro lado, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 1,21% em dezembro, ante 0,72% em novembro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo habitação (0,23% para 2,11%). Dentro deste grupo, a tarifa de eletricidade residencial saltou de uma variação de -0,16% em novembro para 8,59% em dezembro.

Também houve aceleração inflacionária nos grupos Educação, Leitura e Recreação (1,44% para 2,63%), Alimentação (1,61% para 1,72%), Despesas Diversas (-0,04% para 0,28%) e Comunicação (0,09% para 0,10%). Nestas classes de despesa, destacaram-se os itens passagem aérea (11,70% para 14,62%), frutas (-0,64% para 4,59%), alimentos para animais domésticos (-1,44% para 1,76%) e mensalidade para TV por assinatura (-0,08% para 0,86%).

No grupo dos Transportes, com variação positiva de 0,71% na média de preços, o item gasolina desacelerou de uma inflação de 1,93% em novembro para 1,26% em dezembro.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *