Pandemia em Los Angeles escolhe quem vai morrer

Crise do COVID-19 em Los Angeles: por que ativar “protocolos de crise de atendimento” é crucial para hospitais lotados

Um médico verifica os pacientes em um espaço temporário em um hospital lotado perto de Los Angeles.

No condado de Los Angeles, equipes de ambulâncias estão sendo instruídas a conservar oxigênio e a não aceitar certos pacientes com traumas e paradas cardíacas que eles não podem ressuscitar em campo. Quando as ambulâncias transportam pacientes, muitas vezes esperam horas ou se mudam para espaços temporários de recebimento de ambulâncias, geralmente tendas onde os médicos podem avaliar o paciente enquanto esperam por vaga.

Pacientes enfermos que normalmente ficariam em um hospital para observação estão recebendo alta para dar lugar a pacientes mais enfermos. Os pacientes que não podem ter alta estão sendo tratados em corredores, capelas ou onde quer que haja espaço.

Hospitais e serviços de emergência na região de Los Angeles estão claramente em crise com o aumento dos casos de Covid-19, embora as autoridades estaduais e municipais ainda não tenham feito o que é conhecido como uma declaração de protocolos de atendimento para crises.

A declaração é importante. Ela aciona protocolos que ajudam médicos e hospitais sobrecarregados a determinar o uso mais eficiente de recursos limitados para o maior benefício dos pacientes e fornece alguma proteção legal. Sem a declaração, há menos transparência ou coordenação na forma como os recursos são alocados e o racionamento de recursos ocorre à beira do leito. Isso tem consequências para médicos e pacientes.

Sou um especialista em ética médica que trabalha com comitês consultivos de triagem e desastres regionais e municipais para refletir sobre as implicações morais de declarar uma crise e a ética das decisões de triagem exigidas por uma crise. Considero essas designações vitais, pois os hospitais enfrentam escolhas difíceis sobre como usar recursos, tratamentos e equipe limitados.

Desde o início de dezembro, os EUA regularmente superam 200.000 novos casos diários:

Três estágios para atingir a capacidade de crise

O Institute of Medicine, agora conhecido como National Academies of Medicine, publicou orientações para estabelecer padrões de crise de cuidados para uso em situações de desastre em 2009 em meio à pandemia de gripe suína H1N1. O relatório cria diretrizes para a alocação justa, transparente e consistente de recursos médicos quando esses recursos se tornam escassos.

A orientação descreve três estágios crescentes de capacidade de surto médico para ajudar a estabelecer quando os padrões normais de atendimento não podem mais ser mantidos:

1) Capacidade convencional: os hospitais têm espaço, pessoal e suprimentos suficientes para operar normalmente.

2) Capacidade de contingência: Hospitais podem estar sob estresse e ter escassez de recursos, mas ainda podem manter padrões de atendimento próximos ao normal. Durante a pandemia de Covid-19, a contingência freqüentemente significa que procedimentos eletivos foram cancelados e pedidos de não ressuscitação foram feitos em alguns pacientes com Covid-19 devido à falta de equipamento de proteção.

3) Capacidade de crise: nesta fase, os padrões normais de atendimento não podem ser mantidos. Os pacientes recebem o melhor atendimento disponível, em vez do melhor atendimento possível. Esta é a situação atual em muitos hospitais no sul da Califórnia.

As diretrizes de atendimento a crises de pandemia da Califórnia enfatizam a importância de incluir o governo local no planejamento de crises hospitalares. Mas não há exigência de que os governos façam declarações de padrões de crise de atendimento quando os hospitais atingirem sua capacidade de crise.

Apesar dos leitos de UTI do Condado de Los Angeles estarem cheios, essas declarações até agora foram deixadas para hospitais individuais.

Por que a declaração é importante

Uma declaração de padrões de atendimento em caso de crise tira decisões desconfortáveis ​​das mãos dos médicos, como quando realocar um ventilador de um paciente que provavelmente não sobreviverá para outro cujas chances são maiores.

Ele aciona protocolos formais de triagem hospitalar ou estadual que ajudam a determinar quais pacientes recebem quais recursos. Isso pode ajudar a diminuir o sofrimento moral e psicológico dos médicos.

Um médico verifica os pacientes em um espaço temporário em um hospital lotado perto de Los Angeles.

Para os pacientes, a declaração oferece mais informações sobre o nível de tratamento que podem esperar ao enfrentarem sistemas médicos com escassez de recursos.

Sem um protocolo formal de declaração de cuidados para crises, as decisões sobre quem vai conseguir uma cama de hospital são tomadas por médicos que muitas vezes não são treinados nesse tipo de tomada de decisão. O treinamento médico ensina os médicos a buscar o melhor para cada paciente, mas muitas vezes isso é impossível durante uma crise. Isso pode significar que os pacientes com pouca chance de sobrevivência continuam a usar recursos alarmantes, enquanto outros que podem ter uma chance melhor de sobrevivência ficam sem.

Na maioria das circunstâncias, seria impensável retirar um recurso que mantém um paciente vivo e poderia levar a ações judiciais. Quando os padrões de crise estão em vigor, recursos escassos podem ser realocados para pacientes que podem se beneficiar deles.

Criação de protocolos de crise

Os protocolos de crise, normalmente elaborados por equipes com treinamento em tomada de decisão em crises médicas, oferecem um roteiro para fazer essas escolhas dolorosas. As declarações também podem fornecer proteção legal aos médicos quando os hospitais não puderem mais fornecer os padrões normais de atendimento.

Quando o Arizona e o Novo México atingiram níveis de crise com a pandemia COVID-19, eles emitiram declarações em nível estadual de padrões de crise de atendimento que ajudam a proteger os médicos de responsabilidade civil ao seguir os protocolos de triagem. Embora um hospital individual possa relutar em declarar os padrões de crise de atendimento porque teme ser visto como um fracasso, especialmente quando outros hospitais não fizeram o mesmo, uma declaração do condado ou estado também pode permitir a avaliação franca do que está acontecendo na comunidade hospitais e facilitar o compartilhamento de recursos.

As experiências dos médicos nos hospitais da cidade de Nova York no início da pandemia mostraram a importância de declarações formais e claras para reduzir a carga dos prestadores de cuidados. Em discussões com professores da Universidade Johns Hopkins, os médicos falaram sobre a necessidade de clareza ao tomar decisões de triagem, combinar suprimentos com hospitais necessitados e decidir quais pacientes deveriam receber recursos escassos, como ventiladores. Eles também falaram sobre o preço emocional extremo que vem com a tomada de decisões de vida ou morte.

A crise da Covid-19 não acabou

As cenas dentro de muitos hospitais da Califórnia agora e os memorandos enviados às equipes de ambulâncias mostram que eles estão em crise, mesmo que não tenham declarado isso.

Estados e condados em todo o país enfrentarão escolhas semelhantes em relação aos protocolos de crise de atendimento, à medida que os hospitais ficam sobrecarregados com o aumento do número de casos. Especialistas alertam que o país ainda não viu o pior dos picos de Covid-19. Dada a presença agora de uma cepa mais contagiosa do vírus, os surtos podem ser piores do que se pensava.

Maria Howard é professora assistente de Filosofia, Gonzaga University

Traduzido por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *