A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Rafael da Silva Barbosa

Economista, doutor pela Unicamp, pós- doutorando em Política Social (UFES).
O mito da independência do Banco Central

O contribuinte, que de fato paga por todas as operações do Banco Central, sejam elas positivas ou negativas, não terá mais influência sobre a instituição – nem mesmo indiretamente, pelos seus representantes eleitos democraticamente.

Bolsonaro e a nova velha política

Na nova velha política, o Brasil continua, como historicamente vem sendo, o local onde as decisões centrais cabem a um pequeno grupo de famílias super ricas. Aqui, a clássica ruptura entre família e Estado nunca existiu de forma completa e acabada.

A volta do servidor público de cabresto

Por meio da estabilidade do servidor público se constrói o sentimento do dever atrelado ao cargo e ao Estado, acima da vontade individual e dos partidos. A reforma administrativa vai no sentido contrário, o de forçar uma lealdade pessoal quase compulsória ao governo de passagem.

Por que o rico não paga imposto no Brasil?

Só a revogação de uma das medidas que privilegiam os ricos, a isenção de imposto sobre lucros e dividendos, somaria R$ 53 bilhões aos cofres públicos. A criação de alíquota na tabela do IR de 45% para 0,02% da população elevaria as receitas em mais R$ 350 bilhões

O espírito do subdesenvolvimento e o auxílio emergencial

Embate mostrou a presença das forças democráticas dentro no Estado brasileiro diante da perversidade do governo Bolsonaro e trouxe um pequeno alento a maioria da população.

Os bancos públicos no enfrentamento aos impactos da Covid-19

Além de peça-chave para fazer chegar o auxílio emergencial à população e promover programas sociais, esses bancos são relevantes para manter o circuito do crédito e a circulação da renda num ambiente econômico mais incerto, no qual bancos privados se retraem, avessos ao risco.