A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Urariano Mota

Jornalista, é autor dos romances Soledad no Recife, O Filho Renegado de Deus e A Mais Longa Duração da Juventude. É colunista do Vermelho e colaborador do Prosa, Poesia e Arte.
Urariano Mota: 15 anos da morte de Jean Charles de Menezes

O terrorista somos todos não nascidos com os caracteres identificáveis na massa de cães e de hooligans. A nossa cabeça é o alvo

Gustavo Felicíssimo: Nova Evocação do Recife

Felicíssimo realizou um poema criador, como uma releitura do Evocação do Recife

Urariano Mota: O Recife tem a terceira rua mais linda do mundo

Quem é do Recife, quem já viveu no Recife, quem passou um tempo no Recife, sempre dirá: eu tenho um caso pessoal com esta cidade

Urariano Mota: Gilberto Gil no Recife, uma difícil entrevista

Esta entrevista foi feita a duras penas com o então ministro da Cultura, Gilberto Gil, em fevereiro de 2007, mas merece ser relida também por revelar os ossos do ofício, e o périplo que é gravar em alguns minutos as opiniões de um superstar-ministro.

Urariano Mota: Felicíssimo Oratório das Águas

A maioria das pessoas o vê apenas como um editor, mas Gustavo Felicíssimo vive e procura viver no mundo material da poesia

Chico Buarque e a geração que lutou contra a ditadura

Que tempos difíceis Chico viveu e vivemos, do passado ao presente! O quanto ele soube e sabe se portar com dignidade humana, artística e política, em meio à desesperança da ditadura, primeiro, e sob o novo fascismo hoje

Urariano Mota: Miguel, os 5 anos mortos, e a escravidão

O caso de Miguel Otávio e Mirtes Renata, filho e mãe, é um modelo de crime que não se pune, crime didático antes do sangue do menino, durante e depois

Urariano Mota: Por que a bandeira do Partido?

Não sei como veio o salto do livro e da morte para a bandeira do partido. Mas sei que veio com força o desejo de ver a bandeira, que significava, “esta é a sua identidade”.

Urariano Mota: A pátria para os suburbanos em Água Fria

A pátria é a família de Bolsonaro? Será a do ministro da “educação” que gritou viver no sacrifício, coitado, por ter virado ministro? Ou a do ministro do “meio ambiente”, que reivindicou o tempo da “paz” do coronavírus para desmatar a Amazônia?

Urariano Mota: A literatura e o cinema

A literatura tem uma superioridade estética, de aprofundamento do humano, que o cinema não tem, nem pode ter

Urariano Mota: Pixinguinha, anjo bom

A sua música, a sua excelência, a sua arte é comunista. É de todos, para todos e por todos.

Urariano Mota: O que Liêdo Maranhão diria do coronavírus?

Autor de Marketing dos Camelôs de Remédio, Liêdo, um “genial pesquisador de cultura popular, doutor primeiro sem segundo em povo do Mercado de São José”, faleceu no Recife em 2014

1 2 3 4