A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: cotas na universidade

Projeto renova política de cotas nas universidades do Rio de Janeiro

Um projeto de lei encaminhado pelo governador Luiz Fernando Pezão à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no último dia 15, renova por mais dez anos a política de cotas que rege o acesso às universidades estaduais do Rio. A lei atual vence em dezembro.

Cotas foram revolução silenciosa no Brasil, afirma especialista

A chance de ter um diploma de graduação aumentou quase quatro vezes para a população negra nas últimas décadas no Brasil. Depois de mais de 15 anos desde as primeiras experiências de ações afirmativas no ensino superior, o percentual de pretos e pardos que concluíram a graduação cresceu de 2,2%, em 2000, para 9,3% em 2017.

Alunos ocupam PUC-SP pela efetivação de docente negra

Desde terça-feira (22), alunos da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) ocupam dois prédios no campus Perdizes, na zona oeste da capital paulista, para garantir a contratação efetiva da professora Márcia Eurico e pelo cumprimento das cotas raciais entre os docentes da graduação e da pós-graduação na universidade.

Cota nas universidades é resultado da intensa luta do movimento negro

Justamente em 2018, mesmo ano em que se completa 130 anos da abolição da escravidão, a política de cotas raciais faz 15 anos. Para além de ampliar o leque de oportunidades de estudo e trabalho para os jovens negros, elas também democratizam as universidades e, principalmente, o espaço de poder no Brasil que ainda tem uma sub-representação negra.

Por Verônica Lugarini

Qual foi o papel do governo Lula no acesso de negros à universidade?

A adoção de cotas raciais, a mudança de perfil do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e o uso da nota para ingresso em universidades federais por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), a criação do ProUni (Programa Universidade Para Todos) e o Fies (Programa de Financiamento Estudantil) tiveram – e têm – impactos positivos nesse cenário. Mas quão significativos são tais efeitos?

Fraudes e descaso estatal ameaçam inclusão dos negros na universidade

Último país das Américas a abolir a escravidão, o Brasil tardou a se preocupar com o acesso dos negros ao Ensino Superior, de forma a reduzir as abissais desigualdades perpetuadas no mercado de trabalho. As universidades brasileiras começaram a reservar vagas para pretos, pardos e indígenas somente no início dos anos 2000, mais de quatro décadas depois das primeiras ações afirmativas nos EUA.

Raça, gênero e classe determinam permanência de jovens na universidade

Universidades que aderiram a programas sociais ainda têm dificuldades de entender contexto social de estudantes.

Lei de cotas: eles vieram para ficar

A leitura da matéria “UnB será ocupada pela periferia: exemplos vêm de Ceilândia e Brazlândia”, de Pedro Grigori e Walder Galvão, no Correio Braziliense desta quarta-feira, 31, é uma excelente oportunidade para reabrir a discussão sobre o êxito da política de cotas no Brasil.

Por Aloizio Mercadante*

Unicamp aprova cotas e prova exclusiva para indígenas no vestibular

Universidade adotará mudanças a partir de 2019. Exame para estudantes indígenas serão aplicadas no vestibular de 2021.

Unicamp aprova cotas étnico-raciais e Vestibular Indígena

A Unicamp tomou uma decisão histórica na tarde de terça-feira (21) ao aprovar, por meio do Conselho Universitário (Consu), mecanismos que flexibilizam o ingresso nos seus cursos de graduação. Entre as medidas admitidas estão a adoção de um sistema de cotas étnico-raciais que reserva 25% das vagas disponíveis para candidatos autodeclarados pretos e pardos e a criação do Vestibular Indígena.

Movimento negro busca reparação por fraudes em cotas nas universidades

Militantes afirmam que crime é generalizado e mais presente em cursos elitizados. O movimento e cursinho popular Educafro está tentando instalar medidas de reparação pelas fraudes ocorridas em relação à política de cotas raciais.

Cotas: conquista motiva mobilizações em meio à crise nas universidades

De acordo com Marianna Dias, presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), a aprovação das cotas raciais na Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade de Campinas (Unicamp) são “uma motivação de esperança e de luta em um momento de perda de direitos dos estudantes, e de todos os brasileiros”.

Por Verônica Lugarini*

1 2 3 4 18