“Capitão Corona”: internautas e oposição criticam atitude de Bolsonaro

Enquanto internautas subiram a hashtag “Capitão Corona”, políticos de oposição referiram-se a Bolsonaro como “criminoso” e “doente”.

(Reprodução)

A irresponsabilidade de Jair Bolsonaro em sair às ruas, incentivando as pessoas a deixar o isolamento, teve repercussão negativa nas redes sociais. O presidente também foi duramente criticado pela oposição.

No Twitter, os internautas chamaram o presidente de “Capitão Corona”. A hashtag com o apelido tinha 18,9 mil menções às 14h40, e chegou a ficar em primeiro lugar nos trending topics, o ranking de assuntos mais comentados da rede social.

Políticos de oposição referiram-se a Bolsonaro como “doente”, “criminoso”, “tonto” e “tosco”. Após a visita a Taguatinga, Ceilândia e Sobradinho, regiões administrativas do Distrito Federal, Bolsonaro reforçou a aposta no caos, dizendo a jornalistas que estuda editar um decreto liberando a volta ao trabalho de todas as profissões. A fala contraria recomendações de autoridades de saúde de todo o mundo.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) disse que o presidente da República tem “pulsão assassina”. “Para fazer politicagem, agradar bilionários e exploradores e sua horda de doentes nas redes sociais, mais uma vez desmoraliza os técnicos e o ministério da Saúde ao sair pelas ruas de Ceilândia tendo contato físico com as pessoas. Doente!”, escreveu.

Também deputada pelo PCdoB, Jandira Feghali (RJ) afirmou que a população deve ignorar as provocações de Jair Bolsonaro. “Uma sugestão a vocês: parem de divulgar o Bolsonaro. Sem propaganda (barrada na Justiça), ele quer é isso: atenção. Continuemos ignorando esse tosco. Ele terá o peso de cada nova morte desta doença ao dar orientações criminosas ao povo brasileiro povo brasileiro em meio a uma crise sanitária!”, postou no Twitter.

“Pessoas morrendo em todo o Brasil e o Capitão Corona indo pras ruas de Brasília dar péssimo exemplo. Um criminoso esse Jair Bolsonaro”, escreveu o deputado Márcio Jerry, presidente do PCdoB no Maranhão.

Os ex-candidatos à presidência da República Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) também se manifestaram.

Haddad disse que Bolsonaro brinca com a vida das pessoas e envia sinais trocados. “Não brinque com a vida das pessoas. Qual a orientação do seu ‘governo’, afinal? Por que a demora em tomar decisões e implementá-las? Por que tantos sinais trocados? Você está tonto e não está à altura do cargo. Que lástima!”.

Guilherme Boulos destacou que Bolsonaro contraria as orientações de seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “Ontem, o ministro da Saúde voltou a defender a quarentena e medidas de isolamento. Hoje, seu chefe saiu pela cidade sem máscara e sem mostrar o exame negativo para coronavírus. Bolsonaro é um problema de saúde pública”, afirmou.

Para Boulos, ao desobedecer às recomendações de órgãos competentes, Bolsonaro dá “um tapa na cara” de profissionais de saúde que se arriscam no combate ao vírus.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *