Partido Comunista denuncia projeto dos EUA para asfixiar Cuba

Nem na conjuntura atual deixam de atacar uma cooperação que salvou milhões de vidas, acusa o Granma

Três senadores estadunidenses – cada um deles mais obcecado em fazer render pela fome a Cuba – acabam de apresentar um projeto de lei que pretende castigar aqueles países que aceitam a colaboração médica da Ilha. A denúncia foi feira nesta sexta-feira (19) pelo Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano.

“Qualquer dos três, Marco Rubio, Ted Cruz e Rick Scott, tem um amplo dossiê ao serviço da pior política contra a Ilha maior das Antilhas”, acusa o jornal. “Fica descartado que a algum deles interesse quantas pessoas salvam ou ajudam a salvar nossos galenos.”

Segundo o Granma, o projeto estabelece que o Departamento de Estado publique a lista de países que têm contratos com o governo de Cuba para seu programa de missões médicas. Os senadores reacionários querem que essa cooperação humanitária seja considerada por essa instância como um fator na classificação de tais nações no relatório sobre o tráfico de pessoas.

“A miséria destes políticos parece não ter limites”, afirma o jornal. “Nem na conjuntura atual – que mais reclama o serviço médico, venha de onde vier – deixam de atacar uma cooperação que salvou milhões de vidas e contribui para o desenvolvimento de programas de formação de recursos humanos.” Conforme o Granma, Cuba ajuda prioritariamente países “onde a carência se reflete nos baixos índices de sanidade, nos altos números de padecimento de doenças e na consequente letalidade”.

Recentemente, sob pressão dos EUA, países como Brasil, Bolívia e Equador suspenderam a colaboração médica, tirando saúde e esperança de comunidades afastadas dos grandes centros. Os senadores – conclui o Granma – preferem perdem mais tempo “sancionando nações que recebem com gratidão os médicos cubanos” do que enfrentando a condição dos EUA de epicentro global da pandemia.

Com informações do Granma

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.