Solução queniana para volta às aulas: cancelar o ano e começar de novo

Alguns alunos estavam tendo aulas on-line, enquanto outros não. Então o governo descartou o ano letivo para todos. Mas a mudança pode apenas piorar a desigualdade educacional.

Esther Adhiambo, no centro, participando de uma aula de revisão em um centro comunitário local em Nairobi. Agora ela deve repetir o último ano do ensino médio e diz: "Essa pandemia destruiu tudo".

Para Esther Adhiambo, este ano deveria ser um ano de términos e novos começos. Ela esperava concluir o ensino médio, se matricular em uma universidade e conseguir um emprego para ajudar sua mãe solteira, que administra uma pequena empresa de alfaiataria numa favela de Nairobi, em Mathare.

Em vez disso, para Adhiambo e outros estudantes quenianos, 2020 está se tornando o ano que desapareceu. As autoridades da educação anunciaram em julho que estavam cancelando o ano acadêmico e fazendo os alunos repeti-lo. Eles não devem começar as aulas novamente até janeiro, o início habitual do ano letivo do Quênia.

Especialistas em educação acreditam que o Quênia é a única nação que chegou ao ponto de declarar o ano letivo inteiro um total fiasco e ordenar aos alunos que recomecem.

“É uma perda triste e grande”, disse Adhiambo, 18 anos, que quer se formar e trabalhar em comunicação de massa para ajudar a apoiar seus sete irmãos. “Essa pandemia destruiu tudo.”

A decisão de abandonar o ano acadêmico, decidida após meses de debates, foi tomada não apenas para proteger professores e alunos do coronavírus, mas também para abordar questões flagrantes de desigualdade que surgiram quando a escola foi suspensa em março, disse George Magoha, secretário de Educação. Após o fechamento das escolas, alguns alunos tiveram a tecnologia para acessar o aprendizado remoto. Outros não.

Mas enquanto o objetivo de cancelar o ano escolar inteiro busca nivelar o jogo, os pesquisadores dizem que isso pode apenas ampliar essas lacunas já existentes. Depois que as escolas reabrirem, os dois grupos de estudantes não estarão no mesmo nível ou poderão competir igualmente nos exames nacionais, disseram especialistas em educação do Quênia.

“É como dia e noite”, disse Ken K. Ramani, economista educacional e diretor de comunicações da Universidade Técnica do Quênia, que escreveu amplamente sobre educação no Quênia.

A decisão de suspender o ano acadêmico afeta mais de 90.000 escolas e mais de 18 milhões de estudantes na pré-escola até o ensino médio, incluindo 150.000 a mais em campos de refugiados, segundo o ministério da educação. Os exames nacionais geralmente realizados pelos alunos no último ano do ensino fundamental e médio também foram adiados e não haverá admissão de novos alunos em 2021.

As universidades e faculdades também foram fechadas para aulas físicas até janeiro de 2021, mas podem continuar com formaturas e aulas virtuais.

Nas últimas duas décadas, escolas particulares – de jardins de infância a escolas secundárias – cresceram rapidamente no Quênia. Cerca de um quarto das escolas no Quênia são privadas – apoiadas por empresários privados, organizações religiosas e organizações sem fins lucrativos. Algumas são startups apoiadas por Bill Gates, fundador da Microsoft, e Mark Zuckerberg, a cabeça do Facebook.

As escolas particulares cobram taxas que variam de dezenas de dólares por ano a dezenas de milhares de dólares.

O Quênia, como outros países, tem lutado para impedir que o coronavírus se espalhe enquanto mantém as escolas e a economia em movimento. Depois que restrições rigorosas mantiveram a contagem de casos baixa, o país diminuiu as limitações de movimento e, no último mês, houve um aumento acentuado nos casos. Ele relatou 23.873 infecções e 391 mortes, mas isso pode ser uma grande subnotificação devido à falta de acesso a testes em massa.

Quando o governo fechou as escolas em março, ele introduziu lições remotas transmitidas por rádio, televisão e vídeos postados no YouTube. No entanto, para a grande maioria dos estudantes, muitos em famílias pobres e rurais, o aprendizado remoto não era uma opção. Eles não tinham acesso à televisão, laptops ou internet, nem mesmo à eletricidade para alimentar esses aparelhos.

Essa era a realidade enfrentada por Johnian Njue, 17, um aluno da 10ª série que vive em Nairóbi, mas freqüenta um internato público no condado de Kwale, no sudeste do Quênia. Criado por uma mãe solteira na favela de Mathare, Johnian frequentava a escola com uma bolsa de rúgbi.

Em casa, com eletricidade irregular e sem telefone, livros didáticos ou internet, ele disse que recebeu pouca ou nenhuma instrução de seus professores e não conseguiu acessar a programação de aulas remotas.

E Johnian teve que cuidar de seus dois irmãos mais novos que estão em casa enquanto sua mãe está fora – o que o distrai, disse ele, mesmo quando ele quer estudar por conta própria.

Vários de seus amigos do bairro, ele disse, começaram a abusar de drogas, roubando bolsas e furtando carteiras e não estavam interessados em estudar juntos.

 “Eles dizem ‘não há necessidade de ler. Vamos repetir as aulas no próximo ano”, disse ele. Mas ele acrescentou: “Eu me sinto mal. Eu quero terminar a escola”.

Verisiah Kambale, à esquerda, e seu irmão, Joseph Tayo Kambale, conseguiram acompanhar as aulas e até fazer aulas de música online.

Sua experiência tem pouca semelhança com a de Verisiah Kambale, de 11 anos. Desde março, Verisiah, da quinta série da escola particular Makini, em Nairóbi, freqüenta suas aulas, incluindo matemática, ciências e até educação física, através de instruções em vídeo ao vivo. Ela interage com os professores e também pode conversar com os colegas durante os intervalos.

Depois da escola, ela faz aulas on-line de teoria musical e clarinete. Ela e o irmão têm o apoio dos pais, ambos trabalhando em casa.

Verisiah disse que, apesar de faltar às aulas presenciais, está gostando de estudar em casa, estando com os pais – que costumavam viajar muito – e tendo tempo para escrever e desenhar. Ela está até compilando um livro de histórias sobre seus 11 anos com as experiências da pandemia de coronavírus.

“Eu tenho estudado e trabalhado duro”, disse Verisiah. “Não quero repetir as aulas.”

Mesmo depois que o governo cancelou o restante do ano letivo, algumas escolas particulares continuaram dando aulas on-line e cobrando mensalidades. Isso os ajudou a permanecer à tona e a pagar o aluguel e os salários de dezenas de milhares de professores, cozinheiros, bibliotecários e técnicos de laboratório, disse Mutheu Kasanga, presidente da Associação de Escolas Privadas do Quênia.

Pelo menos 124 escolas particulares estão enfrentando o fechamento por causa de restrições financeiras trazidas pela pandemia

Kasanga disse que estava ciente de que a pandemia expôs um “fosso digital” que é puramente baseado no status socioeconômico dos pais. Mas, em vez de abandonar o ano escolar inteiro – uma medida que ela descreveu como “punir as crianças” pelo surto -, ela disse que as autoridades educacionais deveriam ter investido em soluções práticas para manter as crianças na escola, como priorizar a conectividade da internet a áreas remotas.

“Como país, precisávamos reunir-nos em torno de nossos pobres e garantir que todas as famílias pudessem atender à educação de seus filhos”, disse ela. Ao não fazer isso, ela disse: “Nós falhamos como país”.

Susannah Hares, co-diretora do programa global de educação do Centro de Desenvolvimento Global, um grupo de pesquisa, disse que a decisão de manter as escolas fechadas até janeiro foi “compreensível”, porque as salas de aula das escolas públicas estão lotadas e muitas não têm instalações para higienização.

Mas a medida, disse ela, é “provavelmente devastadora para as crianças” porque os pobres estarão em desvantagem e alguns não voltarão quando as escolas reabrirem. Além disso, ela previu que haveria mais gestações na adolescência e, sem programas de alimentação escolar, mais fome.

O governo do Quênia reconheceu os desafios inerentes ao fechamento de escolas, incluindo acesso desigual a plataformas de aprendizagem, um possível aumento da violência doméstica contra crianças e a probabilidade de aumento das taxas de abandono escolar.

Magoha disse na semana passada que o ministério lançaria um programa comunitário que associaria professores a estudantes que não têm acesso à educação.

No entanto, alguns pais com filhos em escolas particulares não estão esperando o governo reabrir as escolas no próximo ano. Alguns estão pensando em mudar seus filhos para escolas britânicas, francesas ou outras escolas estrangeiras privadas no Quênia, que ainda planejam dar a seus alunos testes padronizados no exterior no final deste ano acadêmico. Os alunos que passarem nos testes podem avançar para a próxima série, enquanto os alunos que deveriam fazer os testes no Quênia – agora cancelados – serão deixados para trás.

“No pior cenário, em janeiro, e se o governo não estiver pronto para abrir escolas?” disse a mãe de Verisiah, Serah Joy Malaba. Mudar para uma escola particular estrangeira, ela disse, é “algo em que pensamos”.

Essa não é uma opção para estudantes como Adhiambo que estão em escolas públicas e cujos pais não podem pagar os milhares de dólares cobrados anualmente em escolas particulares.

Por alguns dias da semana, ela frequenta um centro comunitário local, onde professores voluntários a ajudam a revisar seus cursos.

“Pelo menos eu tenho sorte”, disse ela sobre as sessões de estudo. “Meus amigos nem sequer têm isso.”

Publicado no New York Times, com tradução de Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *