Arce alerta que golpistas ameaçam impedir à força vitória na Bolívia

Documentos mostram que direita pretende fazer atentados terroristas sob bandeira da esquerda para cancelar a eleição.

Polícia prendendo militante de esquerda atacado por tacos de beisebol e fogos de artifício da direita em frente ao Tribunal de Justiça que autorizou a participação do MAS na eleição boliviana.

O candidato presidencial da Bolívia pelo partido do Movimento ao Socialismo (MAS), Luis Arce, advertiu que o regime golpista do país “agora ameaça o uso da força militar” para impedir que seu partido ganhe as eleições deste mês. A notícia é do jornal britânico Morning Star, que analisou documentos de paramilitares que planejam atentados terroristas para culpar a esquerda.

Ele fez um apelo na noite de terça-feira para que observadores internacionais viessem e garantissem que tudo o que acontecer “durante a campanha eleitoral, no [dia da eleição] 18 de outubro e nos dias seguintes” aconteça diante dos olhos do mundo.

O MAS lidera em todas as pesquisas, mas os ministros do regime instalado pelo Exército, que assumiu depois que os militares derrubaram o presidente eleito Evo Morales, do MAS, disseram na terça-feira que os socialistas planejam desestabilizar o país e que as autoridades se preparavam para impedi-los.

O ministro do Interior, Arturo Murillo, disse que estava estabelecendo um grupo “antiterrorista” para impedir os chamados planos de desestabilização do MAS. Ele ordenou a criação de um grupo com esse nome, conhecido por sua sigla GAT, em dezembro passado, na esteira do golpe, a fim de erradicar “ameaças à nossa pátria”. Sua perseguição aos indígenas bolivianos, que apoiam esmagadoramente o MAS, levou a sua descrição como “um instrumento de terrorismo racista de estado … uma unidade de extermínio de índios”.

“Declarações recentes de autoridades governamentais de fato mostram que eles não desistirão de suas tentativas de obstruir o processo eleitoral para gerar medo”, disse Arce. “Que outras provocações eles estão dispostos a gerar para inviabilizar as eleições?” Ele ressaltou que o regime diz que as urnas serão guardadas pelo próprio exército que derrubou o último governo eleito.

Na semana passada, o jornal britânico de esquerda Morning Star expôs planos de contingência elaborados por grupos paramilitares de direita para evitar que o MAS ganhe as eleições como no ano passado – antes de ser deposto pelo exército.

Estas incluíam propostas para definir ameaças de bomba de “bandeira falsa” em hotéis onde os monitores eleitorais internacionais deveriam ficar, que poderiam então ser atribuídas ao MAS e usadas como desculpa para impor o estado de emergência, anular o resultado da eleição ou mesmo cancelar a votação.

Sinais de desestabilização

Cenas fora do tribunal boliviano que decidiu não impedir o Movimento ao Socialismo (MAS) de disputar as eleições deste mês, são uma amostra de como a direita reagirá à sua provável vitória. Bandidos atacaram apoiadores do MAS reunidos aguardando o veredicto com fogos de artifício e tacos de beisebol. A decisão do tribunal é uma vitória – mas não uma indicação de que a eleição será justa.

O governo boliviano não é legítimo. A presidente Jeanine Anez é uma nomeada do exército. Seu governo mostrou determinação em desfazer os ganhos de 14 anos de regime socialista – que viu a economia da Bolívia se expandir mais rápido do que qualquer outra nas Américas, enquanto reduzia a pobreza mais rapidamente.

Em segundo lugar, a repressão nunca cessou. Os apoiadores do MAS continuam a ser perseguidos e presos e seu líder mais popular, Evo Morales, não pode participar da eleição, assim como ocorreu com Lula no Brasil.

Miriam Amancay Colque, da Resistência Bartolina Sisa, observou que o ministro do Interior, Arturo Murillo, – que jurou depois que os militares derrubaram Morales, que o primeiro presidente indígena do país passaria “o resto de sua vida atrás das grades” -, acabara de voltar dos Estados Unidos para declarar que “a polícia e o exército está pronto para agir em defesa da democracia a qualquer custo ”. Ela disse que os direitistas estocam armas e “tememos um ataque contínuo por forças fascistas ultradireitistas para esmagar nosso direito constitucional de eleger o próximo presidente”.

Miriam disse que a decisão do tribunal na segunda-feira foi “muito importante e um testemunho da força do MAS”, mas “vamos lembrar que muitos candidatos do MAS à assembleia legislativa plurinacional foram desqualificados com desculpas injustificadas”. [O ex-presidente] Evo Morales é um deles. O ex-ministro das Relações Exteriores Diego Pary é outro. O tribunal de La Paz rejeitou o pedido da senadora de extrema direita Carmen Eva Gonzales para anular a participação do MAS.

E o tribunal eleitoral, cuja equipe inclui funcionários da USAid e o próprio filho da presidente golpista Jeanine Anez, já havia “expurgado dos cadernos eleitorais mais de 51.000 cidadãos bolivianos no exterior”, observou ela.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *