Vacinação deve ser rápida e massiva para o vírus não ter escapatória

A experiência com outros vírus de RNA é que a pressão imune ou com antivirais favorece a seleção de mutantes que escapam da neutralização. Portanto, é muito importante que a vacinação seja realizada de forma ampla e rápida, para reduzir o risco de seleção de cepas de escape com menor suscetibilidade à proteção imunológica

Vacinação

Os programas de vacinação contra o coronavírus, responsável pela covid-19, finalmente começaram. A esperança é que sua administração rápida e massiva consiga imunidade para a maioria da população. Só assim a pandemia será interrompida ao longo de 2021.

A pneumonia que caracteriza a covid-19 foi descrita pela primeira vez em Wuhan, China, em dezembro de 2019. O coronavírus que causa a doença, o SARS-CoV-2, foi identificado um mês depois. É um vírus de RNA, com um genoma muito longo (30.000 nucleotídeos) em comparação com outros vírus de RNA, como HIV, AIDS e hepatite C (ambos com 10.000 nucleotídeos). O SARS-CoV-2 é próximo a dois outros coronavírus humanos que já haviam causado epidemias na Ásia desde 2003, os coronavírus SARS (provavelmente originados em algas) e MERS (em camelos).

A origem do SARS-CoV-2 parece estar nos morcegos, mamíferos que atuam como reservatórios para uma infinidade de vírus. Se as condições certas estiverem presentes (contato próximo entre humanos e animais, higiene precária e alta densidade populacional), eles podem transmiti-los aos humanos (zoonoses), onde podem causar doenças.

Geralmente, o salto entre as espécies é facilitado pelo aparecimento fortuito de mutações no vírus que permitem que ele infecte células humanas. Depois disso, eles começam sua propagação no novo hospedeiro.

Mutante, variante e cepa

Os vírus de RNA acumulam mutações (mudanças na sequência de seu genoma) durante sua replicação. Eles fazem isso com mais frequência do que os vírus de DNA. No entanto, este não é o caso dos coronavírus, porque eles têm uma enzima nuclease de correção de erros.

Uma mutação é uma mudança específica na sequência genética. Uma variante pode incluir uma ou mais mutações e sua circulação populacional depende tanto da vantagem evolutiva proporcionada pelas mudanças genéticas (seleção natural) quanto do “efeito fundador”, ou seja, das condições ambientais que favorecem sua transmissão. Por exemplo, superlotação e falta de distanciamento social. Uma cepa é aquela variante que possui propriedades fenotípicas diferenciais, por exemplo, é mais transmissível ou mais virulenta.

Mutante D614G

Uma mudança do aminoácido aspártico para glicina devido a uma mutação na posição 614 no gene da glicoproteína espicular do envelope viral (proteína S) já foi descrita na China em março de 2020. Estava substituindo progressivamente os vírus circulantes à medida que era mais transmissível, por isso está circulando atualmente em muitas outras partes do mundo.

Variante N453Y

Durante o verão, casos de transmissão de SARS-CoV-2 de humanos para visons, entre eles, e destes para humanos, foram relatados na Holanda e na Dinamarca. O genoma desses vírus tinha uma mutação, Y453F, que aumentava a capacidade de ligação da proteína S viral com o receptor ACE vison.

Posteriormente, outras alterações no gene que codifica a proteína S (deleção 69, I692V e M1229I) foram selecionadas nos visons. Algumas dessas variantes foram passadas de volta aos humanos, mostrando menos capacidade de serem neutralizadas por anticorpos.

Temendo a disseminação dessa nova variante em humanos, milhões de visons foram massacrados.

Cepa N501Y

Desde setembro de 2020, a rápida disseminação de uma nova cepa de SARS-CoV-2 com 17 mutações diferentes foi descrita no sul da Inglaterra. Parece ter sido selecionado em pacientes imunossuprimidos nos quais a infecção viral foi incomumente longa ou crônica, levando a uma adaptação extraordinária.

No Natal, cerca de um terço dos casos na Inglaterra foram causados ​​por essa nova cepa. Nos últimos dias, casos foram descritos em outros países europeus, incluindo a Espanha.

Na África do Sul, uma variante diferente foi relatada, mas com um padrão de mutação relacionado. Até agora, todas as cepas de N501Y mostraram ser mais transmissíveis (aumento de 56%), mas não são mais virulentas ou comprometem a eficácia das vacinas disponíveis comercialmente.

Reflexões finais

Embora os novos mutantes, variantes e cepas do SARS-CoV-2 não apresentem maior patogenicidade in vitro, deve-se reconhecer que sua maior transmissibilidade pode se traduzir em maior pressão sobre os serviços de saúde e hospitais.

Portanto, a circulação desses novos vírus não deve ser subestimada e novas medidas preventivas devem ser adotadas, principalmente para reduzir o risco de exposição aos mais vulneráveis.

Finalmente, a experiência com outros vírus de RNA é que a pressão imune ou com antivirais favorece a seleção de mutantes que escapam da neutralização. Portanto, é muito importante que a vacinação seja realizada de forma ampla e rápida, para reduzir o risco de seleção de cepas de escape com menor suscetibilidade à proteção imunológica evocada pelas vacinas atuais.

Em outras palavras, é melhor não iniciar a campanha de vacinação se o estoque e o sistema de distribuição em massa não estiverem garantidos em um curto espaço de tempo.

Vicente Soriano, Faculdade de Ciências da Saúde e Centro Médico da UNIR – Universidade Internacional de La Rioja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *