O tamanho da desconexão entre povo e elite da Colômbia

O governo se mostra totalmente desconectado das demandas da população ao propor uma reforma tributária que afeta ainda mais a renda dos mais pobres. Mas também ignora várias demandas contra a violência policial, paramilitar ou guerrilheira, respondendo com mais força a pressões de todos os lados. É a erosão total da democracia participativa.

Protestos na Colômbia

Os protestos e mobilizações que estão ocorrendo na Colômbia nos últimos dias resultaram em dezenas de cidadãos mortos, a militarização do espaço público e blecautes e bloqueios de internet em cidades como Cali. Esses eventos nos lembram, de alguma forma, a dinâmica que tem sido observada em outros países como a Birmânia , onde os conselhos militares controlam o governo.

Até o momento, foi relatado que mais de 30 civis e um policial foram mortos, milhares foram agredidos e centenas de cidadãos estão desaparecidos.

Embora os abusos da polícia tenham levado a protestos e tumultos em várias partes do país, e os confrontos com civis continuem, essas tensões e a incapacidade do governo de sentar e negociar com os manifestantes podem deslegitimar ainda mais o estado.

Os impostos foram o motivo dos protestos?

Os protestos começaram em 28 de abril em resposta a uma reforma tributária impopular. As mobilizações foram organizadas coletivamente por sindicatos de trabalhadores, movimentos estudantis e organizações da sociedade civil devido aos aumentos de diversos impostos anunciados pelo governo. Essa reforma teria sido a terceira reforma tributária dos últimos três anos.

Embora a reforma visasse inicialmente aumentar as receitas do estado para financiar políticas que pudessem mitigar o impacto da pandemia de Covid-19, incluindo a implementação de uma “renda solidária”, incluiu uma proposta para introduzir um imposto sobre a riqueza para os contribuintes com ativos maiores que um milhão de dólares, inclui também provisões para o aumento do número de produtos sujeitos ao imposto sobre o valor acrescentado (IVA), bem como para os impostos sobre pensões e uma redução do valor mínimo de tributação dos salários.

O presidente Iván Duque acabou retirando a proposta, mas a clara desconexão entre o governo e a população já havia se tornado aparente, não só por causa da proposta de reforma, mas também por causa dos abusos de cidadania pela polícia colombiana.

A formulação dita “técnica” da reforma tributária não parecia levar em conta a difícil situação da maior parte da sociedade colombiana. Mudanças no IVA, por exemplo, afetaram bens de consumo essenciais e, portanto, limitaram qualquer possibilidade de apoio popular à proposta. Mas outros elementos da reforma beneficiaram o setor privado e certos grupos econômicos.

Deve-se notar que a proposta apresentada no congresso incluía várias exceções para proteger as indústrias mais afetadas pela pandemia. No entanto, também incluiu elementos que beneficiaram os setores mais ricos do país. Além disso, parte da receita tributária teria sido destinada à compra de arsenal militar, em um país onde a população vinha denunciando o uso excessivo da força por parte das forças militares e policiais.

3,6 milhões de pobres devido à pandemia

Portanto, enquanto alguns elementos da reforma tiveram efeitos positivos para alguns grupos, o aumento do IVA mostrou o desligamento do governo de um segmento importante da população que vive na pobreza ou em risco de pobreza como resultado da pandemia. Estima-se que, pelo menos 3,6 milhões de pessoas, caíram na pobreza devido à Covid-19 no ano passado.

Em um país onde o emprego no setor informal atinge mais da metade da força de trabalho, e a maioria dos trabalhadores não tem uma renda estável ou acesso garantido à seguridade social e outros direitos trabalhistas, o anúncio de um aumento de impostos que afetaria o consumo foi obviamente saudado com descontentamento.

Embora o aumento do IVA possa eventualmente ser recuperado como crédito fiscal para cidadãos de baixa renda, os altos níveis de informalidade tornam esse mecanismo de compensação disfuncional. O efeito imediato teria sido a redução da renda disponível dos trabalhadores informais, que contribuem significativamente para o sistema tributário por meio de impostos indiretos.

A reação distante do governo nos lembra uma versão contemporânea de Maria Antonieta . Em resposta a anteriores mobilizações também caracterizadas pela morte de civis, o Governo optou por responder com políticas clientelistas como, por exemplo, criar uma espécie de “anistia fiscal” em que as pessoas pudessem aproveitar três dias de compras sem pagar IVA. Esse tipo de proposta e o silêncio geral diante das mortes de civis nas mãos da polícia aprofundaram o descontentamento da população.

A abordagem distante do atual governo não reconhece as experiências vividas por aqueles que lutam para sobreviver em condições de vulnerabilidade. No entanto, essas respostas desdenhosas e a lacuna acentuada entre as elites do poder e os cidadãos ilustram e explicitam, para melhor ou para pior, o que o atual governo considera a relação desejada entre Estado e sociedade.

As mobilizações em resposta aos acordos de paz assinados em 2016

Os protestos não são um fenômeno novo: eles ganharam força após a assinatura dos acordos de paz em 2016 entre o estado colombiano e as FARC-EP. As mobilizações, portanto, expressam diversos gritos que passaram despercebidos pelo Estado nos últimos anos, incluindo a violência persistente contra ativistas e lideranças sociais, as demandas por uma reforma do Estado e o silêncio do governo diante do aumento da violência contra grupos cidadãos desarmados perpetuados por atores estatais e não estatais.

O governo colombiano optou por não denunciar a violência contra civis nem atender às demandas dos cidadãos. Ao contrário, ancorou-se em versões de narrativas usadas durante a Guerra Fria, valendo-se de teorias da conspiração popularizadas por políticos radicais .

Os protestos na Colômbia também devem ser vistos como uma resposta aos altos níveis de desigualdade. A desigualdade que a população experimenta e rejeita é resultado de decisões de políticas públicas que aumentaram a vulnerabilidade e levaram à perda de confiança da classe política e das instituições.

Os protestos também acontecem durante a segunda fase da pandemia. Em Bogotá, capital, menos de 6% das unidades de terapia intensiva estão disponíveis . A sociedade colombiana expressa seu descontentamento e indignação com as injustiças sociais, apesar dos riscos incorridos pela mobilização nessas circunstâncias.

Protesto nas ruas de Medellín (Colômbia) em 5 de maio de 2021. 

Delegitimizando o Estado de dentro

É improvável que os governos da região estivessem suficientemente preparados para responder às necessidades crescentes e aos efeitos multidimensionais resultantes da pandemia de Covid-19.

Os altos níveis de vulnerabilidade entre os grupos de baixa e média renda, com grande proporção da população incapaz de arcar com a perda de renda decorrente da quarentena, mas não pobre o suficiente para receber assistência social, tem destacado a precariedade daquele grupo social tão difícil de alcançar com mecanismos de proteção social .

As instituições públicas que poderiam ter coordenado ações coletivas na região foram enfraquecidas por décadas, resultando em uma resposta altamente privatizada e fragmentada à pandemia . Muitas pessoas devem se defender sozinhas. Portanto, não é surpreendente que as populações de baixa renda sejam as mais atingidas pela pandemia .

O estado colombiano não foi capaz de responder às demandas para remediar a crescente desigualdade, que foi exacerbada pela pandemia. A legitimidade de uma ordem social é relacional e depende da capacidade do Estado de responder às demandas dos cidadãos. O governo continua distante e desconectado das necessidades dos diversos segmentos da população e não consegue entender por que diversos grupos se mobilizam ou quais são suas demandas. A atitude complacente se evidencia na negação das demandas populares, na rejeição de suas demandas e na estigmatização das pessoas que protestam.

O atual governo tem falhado sistematicamente em sua tarefa de denunciar abusos por parte das forças policiais contra civis, mesmo sob pressão de organizações internacionais como as Nações Unidas ou a Anistia Internacional . Essas ações, de fato, amplificam os protestos e podem levar a confrontos cada vez mais violentos entre policiais e civis. Ao contrário de uma lógica de reflexão e reconhecimento dos abusos de poder e do uso excessivo da violência que se esperariam face a tal pressão, o Governo decidiu implantar um discurso de “força” em vez de reconhecer os abusos da polícia contra cidadãos indefesos.

Isso ilustra a ausência de canais pelos quais os cidadãos possam exigir transparência e responsabilidade de seu governo. Parece que, nas mentes das elites governantes, o consentimento silencioso é preferido ao protesto pacífico, e a submissão é preferida à participação, mesmo que tal obediência popular seja o resultado do uso da força. No entanto, apelar para a legitimidade do Estado por meio do monopólio da força não é suficiente.

Ao contrário, o que se observa na Colômbia faz parte de uma tendência preocupante que se notou em outras latitudes e que indica a erosão da democracia participativa. Em contextos cada vez mais fragmentados, a legitimidade pode antes ser considerada como o respeito e a observância dos contratos sociais, bem como a garantia da participação política.

A Colômbia é um país onde as elites do governo temem as mobilizações sociais ao longo de sua história, mesmo quando são realizadas de forma pacífica. Esse medo fecha as vias de representação e participação, levando a uma escalada da violência, incluindo a violência armada, da qual o país ainda carrega profundas feridas. O atual governo está repetindo erros do passado, não só por estigmatizar as pessoas que protestam, mas também por não implementar os acordos de paz assinados em 2016.

Essa perda de legitimidade acarreta grandes riscos para a Colômbia. Pode ajudar a legitimar a intensificação da violência contra as forças policiais, favorece a continuação da violência contra civis por parte de forças estatais, e potencialmente pode facilitar a absorção de civis dentro dos grupos não-estatais armados que ainda existem no País.

Esses riscos podem se tornar uma oportunidade para as elites não interessadas em expandir os espaços democráticos que, diante do declínio de seu apoio político e crescentes demandas por maior representação e participação, podem reviver a narrativa contra-insurgente usada para justificar o fechamento de rotas democráticas em décadas passadas. Enquanto os interesses das elites pouco interessadas na democracia, e não da população, governarem, não haverá quem assuma a responsabilidade pelas ações do Governo e suas conseqüências.

  1. Fabio Andrés Díaz Pabón é do Centro Africano de Excelência para Pesquisa de Desigualdades (ACEIR), Universidade da Cidade do Cabo
  2. Maria Gabriela Palacio Ludena é professor Assistente de História Moderna da América Latina, Universidade de Leiden

Traduzido por Cezar Xavier