A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Celso Marconi

Aos 89 anos, é o crítico de cinema mais longevo em atividade no Brasil. Referência para os estudantes do Recife na ditadura e para o cinema Super-8, é colaborador do Prosa, Poesia e Arte.
Celso Marconi: Dois filmes brasileiros

A injustiça do mundo capitalista nunca deixará de existir pela “bondade” dos capitalistas. Esses nunca poderão ser bons, pois o próprio regime capitalista é que traz a injustiça

Celso Marconi: Uma resposta ao amigo Urariano Mota

Em vez de julgar a capacidade da arte de ser mais ou menos que outra arte, prefiro pensar que tudo depende mais do fruidor

Celso Marconi: Um filme policial coreano?

Se Vladimir Safatle fosse comentar esse filme, certamente o consideraria como um produto sem nação

Celso Marconi: A Sun, um filme de família de Taiwan

Entre as produções asiáticas, filme de Chung Mong-hong se compara a Parasita e Assuntos de Família

Celso Marconi: Ela Volta na Quinta, outro filme de família

Filme do mineiro André Novais Oliveira segue a nossa tradição de naturalismo

Celso Marconi: O Assassinato do Comendador

Haruki Murakami não faz nem surrealismo nem realismo mágico – mas, sim, uma espécie de realismo. E nesse mundo realista existem mundos “paralelos”

Celso Marconi: Hollywood não mudou com Oscar a Parasita

Tem muita gente contente com a vitória de Parasita, da Coreia do Sul, como Melhor Filme e outros prêmios do […]

Celso Marconi: Macunaíma – Livro, filme e outros meios

Talvez Mário de Andrade tenha mostrado o “caráter” do brasileiro melhor do que Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre – e isso contando estórias de um herói sem “caráter”

Celso Marconi: Dicionário Amoroso do Recife merece nova edição

Obra de Urariano Mota serve realmente de guia para quem não seja do Recife, e queira conhecer principalmente a “aura” da cidade. E para os recifenses o livro é gostoso como um copo d’água em tom não gelado nem quente, mas moderado.

Celso Marconi: Cartas para Angola

Documentário de Coraci Ruiz e Julio Matos, com brasileiros, angolanos e portugueses, devia ser exibido em salas de aula para alunos tanto do Brasil quanto dos outros países lusófonos

Celso Marconi: Okja, um filme coreano

Produção confirma o que dizia o filósofo alemão Theodor W. Adorno: o capitalismo da segunda metade do século 20 se sofisticou.