O último domingo de Janis Joplin

.

Na noite de 4 de outubro de 1970, um domingo, Janis Joplin caminhava pelas ruas de Los Angeles em direção ao hotel onde estava hospedada, o Landmark Motor, hoje Highland Gardens Hotel. A semana fora exaustiva com a gravação do disco “Pearl”. A cantora seguia pela calçada ladeada por luzes piscantes das vitrines, uma garrafa de seu whisky Soutern Comfort na bolsa, e no coração a saudade do namorado David Niehaus e a falta da amiga Linda Gravenites.

Em 6 de fevereiro daquele ano Janis Japlin tinha desembarcado no Rio de Janeiro para passar uns dias de férias, curtir o sol de Copacabana. A cantora tentava dar um tempo do seu “veneno antimonotonia”, fazer uma espécie de “rehab” do lado de baixo do Equador, onde supostamente não há pecado. E foi justamente no calçadão da praia que ela conheceu o jovem turista holandês Niehaus. Apesar das noitadas intermináveis de farras – com o Brasil se preparando para o carnaval e 90 milhões de habitantes se adiantando para a Copa no México e abafar os gritos nos porões da ditadura –, Janis Joplin teve apoio do rapaz para tentar a abstinência, assim como de Linda Gravenites, designer de moda que sempre a acompanhava nas viagens e shows.

Na volta aos Estados Unidos, o namorado teve problemas com o passaporte e ficou retido para justificar porque excedera seu prazo de permanência no país. Janis embarcou sozinha para a casa que comprara em Larkspur, cidade no Condado de Marin, Califórnia, onde Linda, que chegara antes, a esperava. As faixas de “Pearl” também a aguardavam. David Niehaus chegou dois dias depois e a encontrou novamente sucumbida às “viagens”. Um passeio que ele programou com Janis ao Himalaia para depois da gravação do disco, foi cancelado. Cansado das tentativas, o rapaz foi embora. Linda Gravenites também desistiu. “Take another little piece of my heart now, baby!”, caberia o verso de sua música “Piece of my heart” ao se ver sozinha.

Quando Janis Joplin abriu a porta do seu quarto no hotel naquela noite, o ambiente era um deserto sem fim, onde “peixes estão pulando”, como desenha o delírio de um verso da icônica “Summertime”. Na cabeceira ao lado da cama, Janis ligou a secretária eletrônica – a novidade nos telefones naquele começo de década – e ouviu o recado do seu produtor, Paul A. Rothschild, lembrando e combinando na segunda-feira colocar voz na faixa instrumental “Buried alive in the blues”, a última para fechar o disco.

Ali em Los Angeles, Janis não tinha amigos mais íntimos. Ela deve ter se lembrado de John Lennon, com quem conversara sobre o final do Beatles, e que faria aniversário no próximo dia 9 daquele mês, e para ele gravara no estúdio uma canção de parabéns para fazer-lhe uma surpresa no dia. Ou do amigo com quem estava se encontrando para longas conversas, o ator e cantor Kris Kristofferson, que viajara para a Inglaterra para o Festival na Ilha de Wight.

“Algum dia eu ainda irei compor uma música que explique o que é fazer amor com 2.500 pessoas durante um show e depois voltar para casa sozinha”, disse Janis Joplin uma vez em entrevista. O amplo cômodo solitário do hotel cristalizava essa canção nunca composta e que sempre existiu.

50 anos hoje que Janis Joplin não morreu aos 27.

Abaixo, a cantora fotografada pelo amigo Baron Wolman.

Foto: Baron Wolman

“Em 1967, Janis Joplin morava na esquina da minha casa em San Francisco. Essa foto foi tirada em sua cama no quarto de seu apartamento em Haight-Ashbury. A cortina da janela acabou sendo transformada em um vestido para ela. Janis foi uma alma complexa; ela tinha seus lados claros e escuros. Embora eu tenha tentado principalmente capturar a ‘luz Janis’, aqui ela escorregou brevemente para a escuridão. Um momento depois ela estava toda sorrisos”, disse o fotógrafo, numa das publicações na revista Rolling Stones.

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.