1º de Maio fortalece a unidade para virar o jogo, diz Adilson Araújo

Presidente da CTB avalia a importância do Dia do Trabalhador

Adilson Araújo - Reprodução/Facebook

O 1º de Maio de 2020 será um marco da luta das centrais sindicais brasileiras em defesa do Estado democrático de direito e na resistência contra a política de retirada de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras concretizada após o impeachment de 2016. A opinião é de Adilson Araújo, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). “É primordial a manutenção da unidade das centrais para virar o jogo”, afirmou ele, em entrevista ao Portal CTB. Confira.

Portal CTB: Como você avalia o cenário do 1º de maio deste ano e qual será o espírito das atividades via internet programadas para o dia
Adilson Araújo: O cenário é conturbado. O mundo agoniza e o sistema capitalista vai se mostrando incompetente. Esperamos que o 1º de Maio seja um momento de reflexão para fortalecer a unidade das centrais sindicais, a unidade do campo democrático popular, dos que defendem a democracia e que estão preocupados com o recente posicionamento do presidente da República (participação em atos que pediam a volta da ditadura e do AI 5). A postura adotada ultrapassa o Estado democrático de direitos. Portanto, o 1º de Maio é o momento de fortalecer os laços de unidade e solidariedade.

Portal CTB: Que comparações a gente pode fazer com as lutas atuais e as lutas históricas do primeiro de maio. O que mudou ou retrocedeu?
Adilson Araújo: É emblemático que em pleno século 21, pela importância histórica que tem o 1º de Maio, o marco que são as lutas de Chicago, em 1886, mas que se consolida como um dia internacional da classe trabalhadora em 1889, nos deparamos com a dimensão de que temos muitos dilemas a serem tratados. A crise também impõe novos paradigmas. A bandeira que uniu a classe trabalhadora no final do século 19 que foi a redução da jornada de trabalho para oito horas, porque naquele período as jornadas exaustivas eram de 16, 17, 18 horas, se mostra cada vez mais atual. Se naquele tempo a gente reivindicava oito horas, hoje esses trabalhadores da plataforma digital chegam a trabalhar 20 horas no final de semana. A regra é desumana e a grande maioria desses trabalhadores não tem contrato, não tem jornada, não tem direitos, garantias, só tem deveres de ser ágil na entrega da mercadoria. A plataforma é moderna, mas as relações de trabalho são as piores possíveis. Não tem o pelourinho, não tem o chicote – mas a violência praticada indiretamente institui um trabalho penoso que tem causado mortes como o caso de um trabalhador que teve um mal súbito e morreu.

Portal CTB: O golpe de 2016 tinha como alvo a classe trabalhadora e os sindicatos?
Adilson Araújo: O governo Lula iniciou um ciclo mudancista na vida brasileira que valorizou o salário mínimo, que chegou a ser valorizado em mais 70%, o que não acontecia há 50 anos. A maioria das categorias alcançou aumento real, recuperando o poder de compra dos seus salários. Foi estabelecido um diálogo social importante no Brasil com a participação em conselhos. Em dezembro de 2014, havia importantes políticas de geração de emprego e renda, e a taxa de desemprego era 4,3%. Daí veio a restauração neoliberal com o golpe (impeachment de 2016 que destituiu a presidenta Dilma Rousseff) que implementou a agenda de maldades com a reforma trabalhista, terceirização generalizada, reforma da Previdência – ou seja, aumentou o número de óbitos, precarização do trabalho, se jogou toda a carga para flexibilizar direitos.

Portal CTB: Quais os caminhos que as centrais apontam nesta resistência em defesa dos direitos da classe trabalhadora e da democracia?
Adilson Araújo: Temos que lutar para garantir a nossa sobrevivência. O governo quer acabar com a ordem social, quer destruir os direitos alcançados pela Constituição Federal e também acabar com os sindicatos. O Rogério Marinho e o Paulo Guedes seguem obcecados em acabar com os sindicatos que, mesmo em um ambiente de crise, ainda é uma fonte importante de resistência. O movimento sindical tem essa capacidade de nuclear importantes segmentos. Temos uma classe trabalhadora ativa, participativa, que elegeu um operário presidente da República. Eles têm grande receio de que a classe trabalhadora possa virar o jogo por isso jogam as cartas para asfixiar o movimento sindical. Neste momento, precisamos ter consciência do quanto é primordial e fundamental a manutenção da unidade. Ter sensibilidade de que a crise gera oportunidades e acumular forças políticas e virar o jogo para criar caminhos para um Brasil próspero e soberano.

Fonte: Portal CTB

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *