Congresso avança para instalar CPI sobre ingerência de Bolsonaro na PF

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) já coletou 101 assinaturas das 171 necessárias para instalação da comissão

(Foto: Michel Jesus/Agência Câmara)

As pressões para investigar o presidente Bolsonaro por meio de CPI ou afastá-lo do cargo num processo de impeachment são cada vez maiores no Congresso Nacional.  

Com o pedido coletivo de partidos e entidades nesta quinta-feira (21), agora são 32 requerimentos de impeachment para serem analisados pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Quantos aos sete pedidos de CPI, destacam-se os feitos pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) e o da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), ambos para investigar as denúncias do ex-ministro Sergio Moro sobre interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal (PF).

Questionado pela reportagem do Estadão, Orlando Silva diz que já coletou 101 das 171 assinaturas necessárias.

Segundo ele, a maior dificuldade são as sessões virtuais, em que parlamentares não precisam estar presencialmente em Brasília.  

“No plenário a gente faz corpo a corpo, pede um a um, por requerimento na frente do parlamentar e entrega a caneta. Argumenta e pronto. A distância é duro”, disse.

O deputado Aliel Machado (PSB-PR) diz ter 120 assinaturas para o mesmo pedido. “Nossa expectativa é de conseguir todas as assinaturas em até 20 dias.”

“É importante que se manifestem deputados e deputadas do mais vasto espectro político-ideológico da Casa, mostrando que uma CPI nesse momento é para apurar as graves denúncias feitas pelo então ministro Sérgio Moro, para que fique clara qual é a verdade”, disse.

Nas redes sociais, Orlando afirmou que as denúncias de Sérgio Moro sobre as interferências de Bolsonaro na PF deixam claro os intentos do presidente em acobertar crimes.

“Moro, ainda na qualidade de ministro, acaba de fazer uma delação que incrimina o presidente. Bolsonaro precisa ser investigado”, escreveu.

Senado

No Senado, onde são necessárias 27 assinaturas para instalação de uma CPI, a senadora Eliziane Gama diz que está próxima a coletar todas as necessárias.

A senadora destacou que, segundo Moro, o presidente Bolsonaro pedia constantes relatórios sobre as investigações em andamento na PF.

“Por que o interesse pessoal do presidente em saber detalhes das investigações? O que o presidente teme?”, questiona a senadora.

De acordo com a parlamentar, a saída do ministro e do diretor da PF expõe a falência do governo federal.

A senadora aponta ainda que vê “obstrução da Justiça, falsidade ideológica, crime de responsabilidade, tudo junto nas declarações do ministro”.

Enquanto os parlamentares trabalham para instalar as CPIs, Bolsonaro também avança nas negociações com parlamentares do chamado centrão com distribuição de cargos. O objetivo é justamente evitar algum processo de investigação ou de afastamento do cargo.

Com informação da Agência Senado

Autor

3 comentários para "Congresso avança para instalar CPI sobre ingerência de Bolsonaro na PF"

  1. Teresa Cristina Nogueira Azevedo disse:

    Motivos para o afastamento não faltam. Afastem bolsonaro,,!

  2. Teresa Cristina Nogueira Azevedo disse:

    Impeachment já, por improbidade administrativa e crimes de responsabilidade.

  3. Teresa Cristina Nogueira Azevedo disse:

    Rodrigo Maia, encaminhe os pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *