Morre o escritor Jorge Portugal, ex-secretário da Cultura da Bahia

Educador ficou conhecido por obras voltadas para estudos universitários e pelo programa Aprovado, exibido na TV Bahia e ganhou fala nacional com o sucesso da música “A Massa”, composta em parceria com Raimundo Sodré.

O professor e escritor Jorge Portugal, ex-secretário da Cultura da Bahia, morreu na noite desta segunda-feira (3), vítima de falência cardíaca aguda. Ele estava internado em estado grave na unidade de terapia intensiva (UTI) cardiovascular no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador (BA).

Portugal passou mal no início da tarde desta segunda e foi levado ao hospital pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Durante o trajeto, ele sofreu quatro paradas cardíacas. Segundo a assessoria da unidade, o ex-secretário foi admitido “em estado crítico” e estava em coma induzido até o início da noite.

“Imensamente entristecidos, lamentamos a morte do ex-secretário de Cultura do Estado Jorge Portugal”, afirmou, em nota, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), que decretou luto no estado. “Jorge era um homem de múltiplos talentos, exercidos com a energia e a simpatia que inspirava todos à sua volta. Era, antes de tudo, um homem apaixonado pela Bahia e pelo seu povo que estiveram sempre no centro do seu trabalho.”

O PCdoB-BA também lamentou a morte do ex-secretário. “Nós, que já tínhamos em comum com ele ideias de transformação social, estivemos juntos na construção de um projeto de inclusão e valorização das diversas formas de manifestação cultural da Bahia”, apontou o partido. “Pela parceria e também por tudo o que Jorge Portugal representa, expressamos nossas condolências pela irreparável perda, ao tempo em que homenageamos essa figura ímpar, que ficará para sempre na memória de baianos e baianas.”

O ex-deputado e ex-presidente da ANP, Haroldo Lima (PCdoB) também falou sobre o conterrâneo. Para ele a Bahia ficou triste com morte de Jorge Portugal deixa a Bahia. “O poeta e professor tinha muito da Bahia, alegria, criatividade, negritude, sentimento. Falava sorrindo, ensinava troçando, prosava versificando”, afirmou o dirigente nacional do PCdoB. Para Lima, Portugal exalava cultura. Em um de seus últimos vídeos, o escritor baiano, diante da pandemia da Covid-19, falava sobre a cultura do abraço. “Parecia estar se despedindo de todos com um abraço”, enfatizou o velho comunista baiano.

Educador, Jorge Portugal ficou conhecido por obras voltadas para estudos universitários, como o livro Redação é Assim, adotado por cursos pré-vestibulares de Salvador. Na TV, foi o idealizador e apresentador, por nove anos, do programa Aprovado, exibido na TV Bahia e voltado a estudantes universitários.

Portugal era também compositor, poeta e apresentador. Natural de Santo Amaro, no Recôncavo, era um compositor e letrista aclamado, com parcerias de sucesso com Roberto Mendes, como em Só Se Vê na Bahia, e com Raimundo Sodré, em A Massa. Suas composições ficaram marcadas nas vozes de Gal Costa, Maria Bethânia, Elba Ramalho e Margareth Menezes. Deixou a Secretaria da Cultura da Bahia em 2017, por “questões pessoais e profissionais”.

“Portugal era um dos maiores letristas da música popular brasileira de todos os tempos. Era uma pessoa apaixonada pela Bahia, por Santo Amaro.”, definiu o cantor e compositor J. Velloso, amigo do músico. “Me tornei compositor muito mais pela convivência com Roberto [Mendes] e Portugal do que por ter nascido em uma família de artista.

O diretor teatral Fernando Guerreiro, presidente da Fundação Gregório de Mattos (FGM), também lamentou a morte do amigo: “Um cidadão brasileiro, baiano e santamarense de responsa, esse sempre foi Jorge Portugal. Impossível falar dele sem um sorriso nos lábios, uma leveza na alma e muita poesia no coração”.

Da Redação, com agências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.