Como recuperar o turismo após a devastação da Covid-19?

Economistas espanholas discutem a dependência europeia da “monocultura” do turismo e como reagir a isso, apontando soluções para outros países.

Tendo já identificado a necessidade de mudanças estruturais para a atividade turística, sem dúvida, a crise da Covid-19 transformou a curto e médio prazo o conceito de turismo de massa que conhecemos. Os turistas hoje não percebem o turismo da mesma forma que antes da pandemia.

Passamos da preocupação com a saturação de espaços e destinos, fenômeno conhecido como overturismo, para a preocupação com a distância social. Será necessário mitigar em primeiro lugar os efeitos devastadores da crise da Covid-19, mas não perder a perspectiva de longo prazo.

Neste sentido, a Espanha tem sido uma referência mundial em competitividade turística desde 2015 e em Destinos Turísticos Inteligentes, o que servirá como um suporte para enfrentar os desafios derivados desta crise. É a oportunidade de obter o máximo dessa posição de liderança.

No curto prazo, o turismo de massa de “sol e praia”, no qual a Espanha é uma referência europeia, viu a sua capacidade de lotação diminuída devido aos distanciamentos regulamentares. É uma nova oportunidade de aprofundar a diversificação da oferta, tanto em destino como em produto.

O turismo urbano oferece menos possibilidades de manter o distanciamento social. Grande parte das atividades que o caracterizam (cultura, negócios, etc.) são realizadas em locais fechados, recentemente identificados como os principais locais de contágio.

O turismo rural ou de natureza, que acarreta certo isolamento e se realiza em espaços abertos, apresenta condições muito favoráveis ​​para a sua expansão. Isso se aplica aos diferentes produtos turísticos em qualquer destino turístico do mundo. E isso provoca um sério desequilíbrio na competitividade turística dos destinos urbanos e / ou lotados.

Modelos de hospedagem controversos

Da mesma forma, do ponto de vista da acomodação, modelos de negócios como plataformas de corretagem como o Airbnb, cujas unidades de acomodação estão principalmente concentradas em centros urbanos, são questionáveis. É provável que as casas oferecidas nessas plataformas sejam comercializadas como aluguéis de longa duração, como já está ocorrendo em alguns destinos. Isso terá um impacto significativo na configuração dos bairros, alguns dos quais são severamente afetados pela superlotação turística e processos de gentrificação.

Nas atuais circunstâncias, o transporte aéreo é visto como um negócio com graves dificuldades de sobrevivência dada a tendência para maiores exigências de segurança sanitária, espaço entre passageiros, bagagem no porão, medidas adicionais de controle de acesso, … Já estamos assistindo a uma guerra de preços. Surge a necessidade de contemplar novos modelos de negócio, bem como alternativas mais sustentáveis ​​ao transporte aéreo, em particular nas rotas de curta e média distância.

Colaboração entre países
A saída desta crise turística deve necessariamente incorporar a colaboração entre países, mesmo com aqueles com os quais há competição. Do ponto de vista europeu, reforçar as viagens pela Europa a partir da Europa. Não é apostar no protecionismo, mas sim numa “autonomia estratégica” europeia na geopolítica mundial que também tem a sua tradução no turismo.

No médio e longo prazo, os governos devem cobrir a diversificação econômica sempre que possível. Uma forte dependência de uma única atividade torna os países mais vulneráveis ​​e, no caso do turismo, muitos países são fortemente dependentes e, portanto, estão em risco.

Os caminhos para a diversificação econômica podem estar ligados à intensificação da integração regional, ao mercado único digital, bem como a programas educacionais e de treinamento em atividades econômicas que aceleram a resiliência e mitiguem o custo do choque, conforme afirma a OMT em seu recente relatório de avaliação do impacto econômico da Covid-19 no turismo mundial.

A gestão adequada dos destinos é fundamental, tornando-os capazes de responder de forma ágil num ambiente de tantas incertezas, reorientando a indústria e adaptando-se às necessidades de inovação e sustentabilidade, favorecendo a convivência entre pessoas, residentes e turistas nos destinos.

É bem conhecido o impacto que o turismo tem na economia mundial, tanto nos países desenvolvidos como nos menos desenvolvidos, em termos de emprego, contribuição para o PIB, exportação de serviços, seus efeitos indiretos e induzidos sobre outras atividades ou mudanças sociais que facilita, entre outros. Com a pandemia, a configuração social dos países remetentes e receptores será afetada, embora ainda não seja visível.

Vejamos, por exemplo, o caso espanhol e seu impacto imediato no mercado de trabalho a partir de dados de filiações à Previdência Social. O impacto catastrófico da crise sobre o emprego no turismo será apreciado quando essas medidas de contenção ou proteção social desaparecerem.

O gráfico mostra o impacto da crise nas filiações da Previdência Social, amenizado pelos Arquivos de Regulação Temporária de Trabalho (ERTE).

Evolução das inscrições na Previdência Social nas atividades relacionadas ao setor do turismo (CNAE 09) de outubro de 2019 a agosto de 2020 no regime geral e por conta própria. Elaboração própria a partir de dados do Ministério do Trabalho e Economia Social

Piorando a lacuna de gênero
No entanto, já existem indicadores que alertam para o agravamento do já existente hiato de gênero, decorrente da crescente necessidade de atendimento às pessoas atingidas pela pandemia, uma vez que tradicionalmente recaem sobre as mulheres. Da mesma forma que aposta no digital como saída para a crise, existe também um viés de gênero e qualificação nas atividades que permitem o teletrabalho face às que requerem o desenvolvimento presencial.

É pertinente pensar em uma reinvenção do turismo que agora deve apostar na qualidade em detrimento da quantidade na análise dos fluxos turísticos, evitando interpretar avanços na qualidade apenas por meio de gastos médios mais elevados. Da mesma forma, é necessária uma maior presença da ideia de estado europeu, com uma maior interação com os agentes envolvidos.

Que modelo de turismo queremos?
Em países como a Espanha, o modelo anterior à crise da Covid-19 funcionou bem se medido pelos fluxos de turistas internacionais que visitam o destino, batendo recordes ano após ano. No entanto, tendo em conta os problemas ambientais e sociais que recentemente estiveram associados ao turismo, será esse o modelo a se promover e se replicar depois de um golpe tão contundente como este?

As atividades econômicas, incluindo o turismo, devem contribuir para a sustentabilidade e resiliência das sociedades e do planeta. O que é pertinente questionar em meio à crise da Covid-19 é se todos e cada um dos agentes envolvidos esperam retornar ao cenário turístico pré-pandêmico.

A dimensão sistêmica desta crise e a sua profundidade é uma oportunidade para a transformação e identificação de todos os agentes envolvidos no turismo como agentes ativos de mudança.

Evidencia-se a necessidade de um indicador de alerta precoce para facilitar a gestão dos fluxos turísticos, colocando a inteligência turística, o conhecimento, a digitalização, a inovação e a inteligência artificial a serviço dos destinos, do desenvolvimento humano e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas.

Esta não é outra crise como as anteriores. E se todas as anteriores deixaram um certo impacto estrutural, esta será conhecida como a que causou a verdadeira transformação do turismo.

María Jesús Such Devesa, professora de Economia Aplicada da Universidade de Alcalá

Ana B. Ramon Rodriguez, professora do Departamento de Análise Econômica da Universidade de Alicante

Patricia Aranda Cuéllar, Universidade de Alcalá

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *