Os Estados Unidos querem jogar o Brasil contra a China, por Haroldo Lima

O governo Bolsonaro acovardado, desfibrado, capacho e servil aceita discutir chantagens dos americanos.

Ilustração: Tainan Rocha

Aproveitando-se da fraqueza do Governo brasileiro, da ausência de qualquer sentimento de dignidade nacional e da vocação irresistível para capacho do Império, os Estados Unidos acabam de perpetrar mais um ato para submeter totalmente a economia brasileira aos seus interesses hegemônicos. Às vésperas da eleição presidencial americana, quando as pesquisas indicam a derrota do atual presidente Donald Trump, seu governo precipitadamente envia para o Brasil o secretário de estado Mike Pompeo e o conselheiro do presidente para assuntos de segurança nacional Robert O`Brien, com objetivo de pressionar, chantagear e subornar os chefes da política econômica do Brasil com mentiras e falsidades. Trouxeram também, a tiracolo, promessas de dinheiro fácil que podem emprestar ao Brasil, se o país se comprometer em participar ao lado dos Estados Unidos da guerra fria que planejam contra a China. Na verdade, o pano de fundo de toda essa questão é a perda de forças dos Estados Unidos ante a grande nação asiática.

Há anos está existindo uma alteração nas posições relativas entre as grandes potências mundiais. O eixo econômico mais importante do mundo – que era o eixo Atlântico, à frente do qual estava a maior economia do mundo, a dos Estados Unidos – estava se se deslocando para o eixo do Pacífico, à frente do qual estava a China Socialista. Nos últimos tempos, essa tendência se consumou e hoje já não são os Estados Unidos a maior economia do mundo. Se computados os Produtos Internos Brutos desses dois países em Paridade de Poder de Compra, PPC, enquanto os Estados Unidos estão com um PIB de US$20,8 bilhões, o PIB da China, medido pelo mesmo indicador, já está 20% na frente, e é de US24,7 bulhões.    

Mas esse processo não chegou ao seu final e está em curso acelerado. Dois fatores visíveis no horizonte estão deixando os Estado Unidos alarmados: primeiro, a recuperação econômica da China pós-pandemia parece ser bem mais pujante do que a americana, pois que a China se saiu bem no combate à pandemia, enquanto os Estados Unidos foram um desastre; segundo, o desenvolvimento e incorporação das tecnologias de ponta – Internet das coisas, inteligência artificial, robótica, impressão 3D, simplificadamente, a tecnologia 5G – estão sendo bem mais rápidos na China que nos Estados Unidos.  

Ante essas perspectivas, o governo de Trump apela para uma tática de desespero, inclusive porque tudo indica que perderá as eleições presidenciais em poucas semanas. Lança mão de ameaças, mentiras, chantagens e propinas para garantir posições para os Estados Unidos. Sabe que entre os negociadores brasileiros não tem gente séria, nem patriota. Tem sim, à sua frente, um ex-capitão que o Exército quis expulsar e que anda doido para bater continência para a bandeira americana e gritar “Brasil e Estados Unidos, acima de tudo”.  

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro reitera vassalagem a Donald Trump

Nos encontros que tiveram no Brasil, os prepostos americanos alardearam com o risco de uma hipotética espionagem para o caso de haver algum eventual acerto com China na tecnologia 5G. A chantagem é evidente, deslavada e hipócrita porque, quem usa há muito tempo o método da espionagem frente aos países da América Latina, como Brasil, são justamente os Estados Unidos. Recentemente espionaram os telefones do chefe do governo da República quando este era dirigido por Dilma Rousseff que, ferida em seus brios, suspendeu viagem que faria aos Estados Unidos.

Os funcionários americanos que aqui vieram, sinalizaram com empréstimo favorecido de um bilhão de dólares para qualquer coisa, caso o Brasil aceitasse suas propostas de capitulação aos planos americanos. Deveria assumir, nas negociações comerciais da tecnologia 5G, o lado dos Estados Unidos e se colocar gratuitamente contra a China. Tal situação seria às custas da soberania brasileira, pois que o empréstimo do EximBank só pode ser utilizado para comprar produtos americanos, mesmo que não seja o que mais interesse ao Brasil.

É evidente que o Brasil não poderia fazer qualquer entendimento com os Estados Unidos, mormente em assunto tão polêmico quanto a tecnologia 5G, às vésperas de uma eleição em que o mais provável é que o governo americano do Trump seja derrotado.  Somente um governo acovardado, desfibrado, capacho e servil aos americanos, poderia aceitar sentar para discutir chantagens.  

O exemplo da Bolívia sinaliza horizonte novo que aparece nos céus da América Latina, a derrocada de governos da extrema direita e o seu lançamento ao lixo da história.

Autor

2 comentários para "Os Estados Unidos querem jogar o Brasil contra a China, por Haroldo Lima"

  1. Marinalva Rita Moreira disse:

    A referência feita por Aroldo Lima sobre os PIBs dos EUA e China contém um erro, são trilhões de dólares e não bilhões.

  2. José Maria disse:

    Muito bom o artigo do Haroldo Lima, traz muitas informações importantes para uma análise de conjuntura internacional mais atualizada. É uma pena que não tenham feito as devidas correções; trocar trilhões por bilhões é um erro grande para passar despercebidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.