O Partido Democrata dos EUA é um guarda-chuva de tendências

O peso da coalizão democrata significa que o partido está inchado e sobrecarregado, tentando ser tudo para todos os seus eleitores

O que uma coalizão tão grande significa para os democratas? Fotografia: Startraks Photo / Rex / Shutterstock

Antes que a poeira baixasse com a vitória de Joe Biden na eleição presidencial, surgiram comentários sobre como o Partido Democrata está em desordem. O deputado Jim Clyburn, democrata da Carolina do Sul e porta-voz frequente da ala centrista do partido, começou a dizer à imprensa que teme que os protestos do Black Lives Matter (BLM), e em particular o slogan “Defund the Police” [“Reduza o financiamento da polícia”, em tradução livre – Nota da Redação], podem ter diminuído as chances dos democratas de fortalecer sua maioria na Câmara e de retomar a maioria no Senado dos EUA.

Em uma tensa teleconferência partidária na Câmara, na quinta-feira (12), Abigail Spanberger, uma congressista da Virgínia que por pouco obteve sua reeleição, na terça-feira (3), expressou a mesma preocupação. Enquanto isso, a deputada Alexandria Ocasio-Cortez, ligada à ala progressista do partido, deu uma entrevista ao “New York Times” convocando o partido a adotar um engajamento eleitoral mais moderno e ver a esquerda como aliada, não como obstáculo. “É preciso que meus colegas entendam que não somos o inimigo”, disse. “E que a base deles não é o inimigo. Que o Black Lives Matter (BLM) não é o inimigo, que o Medicare para todos não é o inimigo.”

A luta interna no Partido Democrata é antiga, e surge sempre, às vezes atribuída a diferenças geracionais ou regionais: os democratas mais jovens e mais urbanos querem saúde universal e exigem justiça racial; os democratas mais velhos e suburbanos os calam, temendo assustar os eleitores brancos indecisos, supostamente necessários para que os democratas obtenham maioria. O conflito se repete ad nauseam, independente de os democratas vencerem ou perderem.

Mas a verdade é que o Partido Democrata está profundamente dividido. A coalizão que levou Joe Biden à vitória era maciça, diversa e profundamente contraditória. Tem eleitores negros mais velhos cujas convicções religiosas não são diferentes daquelas dos evangélicos brancos da direita dos EUA, e tem eleitores negros mais jovens que acreditam profundamente nos direitos civis dos transsexuais e no desmantelamento do estado policial. Tem mulheres brancas com ensino superior que se ofendem com a linguagem grosseira de Trump, e tem jovens eleitores latinos que temem pelas ameaças à sua cidadania. É uma coalizão formada por uma grande maioria de todos os cidadãos que não são brancos e uma minoria considerável de cidadãos que se identificam como socialistas e outros que veem o socialismo como uma séria ameaça ao seu modo de vida, pessoas que lutam pelo direito ao aborto e pessoas que se opõem profundamente. A coalizão democrata, em outras palavras, é enorme – formada por pessoas com objetivos concorrentes e contraditórios, pessoas que, no final das contas, provavelmente nem sempre gostariam umas das outras.

Como os democratas chegaram aqui, com um guarda-chuva tão grande, onde são abrigadas tantas demandas divergentes? Em grande parte, a resposta de como a coalizão do Partido Democrata se tornou tão grande e contraditória não está neles mas nos republicanos. Ao longo da era Trump, mas também nas décadas anteriores, desde o governo Nixon, o Partido Republicano praticou uma política de base agressiva, moldando suas posições e retórica pública em torno das queixas raciais brancas. Como os cidadãos de cor aumentaram em número e a proporção de votos brancos diminuiu, os republicanos não ajustaram sua postura para serem mais receptivos aos eleitores não brancos, mas confiaram cada vez mais no gerrymandering [manipulação dos distritos eleitorais – NdaR], na supressão do eleitor e em vantagens institucionais anti-democráticas para assegurar seu poder, mesmo sem o apoio da maioria. Os republicanos abandonaram a pretensão de tentar convencer a maioria dos eleitores a apoiar sua visão de país e, em vez disso, adotaram uma estratégia eleitoral que é sobre poder, não sobre persuasão.

Os distritos republicanos gerrymander elegem congressistas e legislativos estaduais para garantir maiorias republicanas, mesmo quando os democratas recebem mais votos, e suprimem a votação com leis estaduais arcaicas, opressivas e racialmente direcionadas para garantir vitórias republicanas mesmo em disputas que seriam competitivas se a vontade do eleitor fosse respeitada. O resultado é que os democratas muitas vezes só conseguem um governo dividido, na melhor das hipóteses, mesmo quando, como na eleição de 2020, alcancem uma grande maioria dos votos.

Enquanto isso, os republicanos podem muitas vezes garantir um governo unido, mesmo tendo uma minoria de votos. Diante da derrota, o Partido Republicano antidemocrático não precisa nem mesmo aceitar os resultados de uma eleição que não o favorece, como se viu nos últimos dias, quando a campanha de Trump e o Departamento de Justiça controlado pelos republicanos, agem numa tentativa de declarar ilegais votos dados a Biden em muitos estados.

O poder republicano depende muito desse comportamento antidemocráticas, tanto que em muitos casos o partido não pretende mais persuadir a maioria dos eleitores. Eles pretendem garantir uma maioria a qualquer custo.

O resultado é que a competição entre os partidos Republicano e Democrata se tornou, de fato, não uma competição entre ideologias ou posições políticas, mas uma competição entre forças pró e anti-democracia. Embora os republicanos às vezes façam aberturas indiferentes, desajeitadas e surdas em relação aos homens de cor na tentativa de garantir seus votos – Donald Trump aumentou de modo significativo seu número de votos masculinos latinos na eleição de 2020 e tentou cortejar os eleitores negros ao posar para uma foto bizarra com o rapper de Nova Orleans, Lil Wayne – sua estratégia geral tem sido ficar no poder, tornando o mais difícil possível para as pessoas votarem, e visando especialmente os direitos de voto dos negros. O objetivo é garantir que os votos mais importantes pertençam à sua minoria de apoiadores brancos.

Com um partido comprometido em suprimir votos, e apenas um outro partido que se considera responsável perante os eleitores, não é de admirar que o Partido Democrata tenha reunido uma coalizão tão díspar e conflitante de eleitores. Como partido pró-democracia que resta nos EUA, os democratas tiveram que tomar como mandato todas as diferentes ambições democráticas de uma nação vasta e diversa. Eleitores de diferentes matizes ideológicos, idades e agendas começaram a votar nos democratas porque o Partido Republicano é repugnante aos seus princípios em alguns casos, e abertamente hostil à sua cidadania em outros. Em outras palavras, muitos eleitores estão sob a tenda democrata porque não há outro lugar para onde ir.

O que uma coalizão tão grande significa para os democratas? Em certo sentido, é uma vantagem – significa um apoio popular esmagador. Os representantes do Partido Democrata nunca se cansam de lembrar aos cidadãos que seu partido ganhou no voto popular em todas as eleições, exceto em uma desde 1992. Essas maiorias de votos populares também são consideráveis ​​- a vantagem do voto popular de Joe Biden sobre Donald Trump deve ultrapassar 5 milhões, ainda maior que a vantagem de 3 milhões de votos populares que Hillary Clinton teve em 2016. Disposições antidemocráticas na constituição dos EUA significam que mais votos nem sempre significam mais poder – os republicanos controlam o Senado, por exemplo, embora seus colegas democratas nesse órgão representem milhões de cidadãos a mais. Mas, a longo prazo, significa que os democratas têm a opinião popular e os números absolutos a seu lado.

Mas o peso da coalizão democrata também significa que o partido está inchado e sobrecarregado, tentando ser tudo para todos os seus eleitores, tentando agradar a todos ao mesmo tempo. Não há uma agenda democrata coerente, por falar nisso. A campanha de Biden fez pouco esforço para chamar a atenção para suas propostas políticas durante a campanha eleitoral, contando com uma retórica vaga e amplamente atraente sobre a alma da nação. Embora o partido tenha se apoiado fortemente na questão da saúde, talvez a única área da política que afeta todos os eleitores, a agenda da saúde do partido tem sido inconsistente nos distritos eleitorais, com os democratas pedindo um sistema de pagamento único nas áreas azuis (democratas) e um sistema reforçado ou simplesmente manteve o Affordable Care Act em tons vermelhos (áreas republicanas). A questão talvez seja emblemática do problema do partido em representar muitos grupos diferentes: eles não podem ter uma mensagem, porque não há nada sobre o que tantas pessoas diferentes possam concordar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *