O que dizem educadores a crianças dos EUA sobre a invasão ao Capitólio

Como as escolas devem ensinar as crianças sobre o que aconteceu no Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro? O The Conversation perguntou a 6 especialistas em educação

Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021, após a invasão - Foto: Wikimedia Commons

Os professores se esforçaram para criar planos de aula para ajudar os alunos a entender o cerco ao Capitólio dos Estados Unidos, em 6 de janeiro, logo depois que aconteceu.

É uma tarefa difícil. Até mesmo a mídia noticiosa não sabia como chamar esse ataque sem precedentes à democracia dos EUA. Foi um golpe? Um motim? Um ato de terrorismo doméstico?

Da mesma forma, não está claro onde as aulas devem começar.

The Conversation U.S. perguntou a seis especialistas em educação como os professores – e os pais – podem ajudar os jovens a compreender, analisar e processar o que aconteceu.

Não evite o tópico

Dr. David Schonfeld, diretor do Centro Nacional para Crise Escolar e Luto, Hospital Infantil de Los Angeles e professor de pediatria clínica da University of Southern California

Os educadores podem se preocupar por não saberem a coisa certa a dizer e incomodar desnecessariamente os alunos. Mas não dizer nada pode dizer muito às crianças – que os adultos não sabem, não se preocupam, são incapazes ou não querem fornecer apoio em tempos difíceis.

Os professores e pais podem começar perguntando aos alunos o que eles ouviram e entenderam sobre o evento. Conforme as crianças explicam, é importante procurar por mal-entendidos e perguntar sobre preocupações e inquietações.

As crianças costumam ter medos muito diferentes dos adultos. Alguns podem ser baseados em informações limitadas ou mal-entendidos. Por exemplo, as crianças podem temer que não seja seguro entrar em qualquer prédio do governo e se preocupar com um pai que trabalha em um correio. O objetivo dessas conversas é ajudar as crianças a entender o que aconteceu, a fim de abordar suas preocupações e inquietações.

Especialmente em meio a uma pandemia, quando crianças e adultos estão preocupados com doenças e morte e muitas famílias estão lidando com problemas financeiros e outras fontes de estresse, não é hora de os professores apresentarem sua visão pessoal sobre o que os funcionários eleitos fizeram de certo ou errado ou especular sobre potenciais perigos futuros.

Os eventos de 6 de janeiro são um lembrete severo de que, mesmo nos Estados Unidos, as pessoas nunca estão completamente protegidas da violência. Mas os adultos podem usar esta oportunidade para expressar uma perspectiva esperançosa para o futuro e tranquilizar as crianças de que o que aconteceu no Capitol não deve fazer com que se sintam inseguras em casa, na escola ou na comunidade.

Sem negócios como de costume

Paula McAvoy, professora assistente de educação em estudos sociais, North Carolina State University

Acredito que os professores de estudos sociais não devam voltar aos negócios normalmente no início de 2021. Em vez disso, devem dedicar bastante tempo ajudando os alunos a entender o que aconteceu em 6 de janeiro, o que precipitou o caos e o que deve acontecer no futuro.

Depois que os alunos tiverem espaço para processar, a prioridade é ajudá-los a se tornarem mais informados. Ao se engajar neste trabalho, os professores não devem tratar a questão: “Será que Joe Biden ganhou legitimamente a eleição de 2020?” tão aberto à interpretação. Ele definitivamente ganhou. Da mesma forma, os professores não devem dar qualquer crédito à ideia de que a eleição foi roubada, como alegou a multidão enfurecida que causou estragos no Capitólio. Em vez disso, os professores devem confirmar a certificação de cada estado. Eles devem deixar claro que mais de 80 juízes – incluindo alguns nomeados por Trump – rejeitaram a alegação infundada de que a fraude afetou o resultado. Eles deveriam fazer isso porque é verdade.

A pergunta: “O presidente Trump deve ser acusado de novo?” está, no entanto, aberto para interpretação. Envolver os alunos em uma investigação extensa sobre esta questão enquanto membros do Congresso lutam com ela em tempo real cria uma oportunidade de ler de perto partes da Constituição, incluindo a 25ª Emenda, analisar a diferença entre uma insurreição violenta e um protesto e avaliar as palavras e ações de Trump.

Este momento é uma oportunidade para todos aprofundarem seus conhecimentos sobre a democracia. E os professores de estudos sociais não devem deixar isso escapar.

Foco na supremacia branca

Tiffany Mitchell Patterson, professora assistente de estudos sociais secundários, West Virginia University

A supremacia branca sempre foi violenta, protegida e mantida nas instituições da América. Isso está bem documentado e devemos ensiná-lo. O mundo testemunhou mais um exemplo em 6 de janeiro de 2021.

Acredito que seja uma boa ideia os professores dedicarem algum tempo às aulas para permitir que os alunos compartilhem seus pensamentos, sentimentos e perguntas sobre o que viram e ouviram sobre a insurreição de uma forma que não prejudique os alunos negros. Esta também é uma oportunidade para envolver os alunos na detecção de muitos padrões raciais duplos, fazendo com que eles analisem a cobertura da mídia, a retórica política e as respostas da aplicação da lei aos protestos Black Lives Matter em todo o país em 2020, e este ataque sem precedentes que se seguiu a operações em menor escala em algumas capitais estaduais.

Eu entendo que alguns professores podem estar relutantes em abordar o que aconteceu. Esses educadores precisam ser honestos consigo mesmos sobre o porquê disso e fazer o trabalho auto-reflexivo necessário para superar sua hesitação.

Os professores também devem resistir ao impulso de ver o que considero uma tentativa de golpe como um incidente isolado. Em vez disso, eles devem colocá-lo em um contexto histórico.

Muitos recursos estão disponíveis. O Zinn Education Project e a iniciativa Teaching Tolerance do Southern Policy Law Center, entre outros, fornecem planos de aula e recursos para aprender e ensinar sobre racismo e supremacia branca. Para alguns professores, este é um trabalho contínuo e, para outros, esse cerco certamente será um catalisador para a mudança.

Mas o progresso em direção ao objetivo de desmantelar a supremacia branca pode acontecer em salas de aula primárias – se os professores escolherem fazer o trabalho crítico que isso requer.

As crianças estão, infelizmente, familiarizadas com a violência

Kyle Greenwalt, diretor associado de preparação de professores e professor associado de educação, Michigan State University

O currículo escolar e as próprias experiências de vida das crianças obrigam os professores a discutir com seus alunos eventos como os que aconteceram no Capitólio dos EUA.

Em Michigan, por exemplo, os padrões estaduais para os alunos do jardim de infância exigem que eles considerem vários ideais cívicos importantes. Isso inclui a noção de que “as pessoas não têm o direito de fazer o que quiserem” e que a democracia requer cooperação, bem como “responsabilidade individual”.

Mas não são apenas os padrões educacionais que tornam necessário ensinar as crianças sobre esses eventos e envolvê-los em discussões relacionadas. A realidade que as crianças enfrentam no dia a dia também o exige.

Crianças e adolescentes não são estranhos a divergências, questões de justiça e, infelizmente, cenas de violência como as que vimos no Capitol. Por exemplo, as escolas costumam ter exercícios de tiro ativo que podem deixar as crianças confusas, com medo ou com raiva. Acredito que os professores têm a responsabilidade moral de ajudar os alunos a processar essas experiências.

Em uma sociedade verdadeiramente democrática, os alunos não apenas aprendem sobre a democracia, mas são incentivados a praticá-la. Ou seja, os alunos têm autonomia para usar o que aprenderam para se envolver na vida cívica fora das paredes da sala de aula.

Isso foi o que aconteceu quando os alunos lideraram a Marcha por Nossas Vidas após o tiroteio em massa na Marjory Stoneman Douglas High School em Parkland, Flórida. A paixão juvenil pelo engajamento também é o que inspirou a adolescente sueca Greta Thunberg e uma onda de greves climáticas.

Os jovens são capazes de mostrar aos mais velhos o que significa viver democraticamente e cuidar do bem comum.

Conecte eventos ao passado e ao futuro

Kei Kawashima-Ginsberg, diretor do Centro de Informação e Pesquisa sobre Aprendizagem e Engajamento Cívico, do Jonathan M. Tisch College of Civic Life na Tufts University

A maioria dos estudantes de hoje nunca viu nossos líderes eleitos e sistemas políticos funcionarem bem, muito menos viver de acordo com os ideais constitucionais da América. Muitos estão confusos com o que viram, se não com raiva e traumatizados. É importante que os professores comuniquem que todos os tipos de reações emocionais são válidos.

Deixe os alunos expressarem e processarem o que sentem com segurança. Não desumanize nenhum aluno por causa de sua opinião – mas ensine-os a sempre considerar a intenção e o impacto de sua resposta. Se for apropriado, incentive métodos como o registro no diário, que permitam reflexão sem compartilhar.

Esta também é uma oportunidade de conectar eventos atuais com outros momentos da história americana, quando as instituições do país foram testadas ou nossos líderes falharam em seu compromisso com os valores americanos fundamentais.

Mesmo com alunos mais jovens, não acredito que os educadores devam se esquivar do fato de que algumas pessoas violaram não apenas as normas sociais, mas seus deveres profissionais, políticos e morais – e por que suas ações ameaçam a saúde de nossa república.

Essas conversas podem aumentar a compreensão dos alunos sobre o passado e o presente e inspirar a paixão por construir um futuro melhor para todos os americanos.

Explique o que é ‘dissidência’

Sarah Stitzlein, professora de educação e professora afiliada de filosofia da Universidade de Cincinnati

Acredito que os professores devem ensinar aos alunos o que é a dissidência política, por que é importante para uma democracia saudável e como se envolver nela.

Idealmente, com o apoio dos administradores da escola e da comunidade local, os professores devem ajudar os alunos a distinguir o protesto justificado do cerco violento que ocorreu no Capitólio. Eles devem explicar como a boa dissidência busca entender os problemas, critica a injustiça, estimula a discussão entre pessoas com diferentes pontos de vista, baseia as reivindicações em evidências e emprega processos democráticos.

Os professores devem capacitar os alunos com as habilidades de dissidência. Isso inclui aumentar a conscientização, formar argumentos persuasivos, construir coalizões e usar o pensamento crítico para desafiar a desinformação. Os alunos devem praticar a apresentação de soluções que podem ser discutidas e testadas. Os jovens devem ser encorajados a imaginar como a vida pode ser melhor na América como uma forma de construir esperança com seus colegas.

É importante que eles percebam como a dissidência e a esperança juntas podem ajudar a fortalecer a democracia dos EUA.

Autores:
David Schonfeld é diretor do Centro Nacional para Crise Escolar e Luto, Universidade do Sul da California

Kei Kawashima-Ginsberg é diretor do Centro de Informação e Pesquisa sobre Aprendizagem Cívica e Engajamento na Faculdade de Vida Cívica Jonathan M. Tisch, da Universidade Tufts

Kyle Greenwalt, é professor associado de educação na Universidade Estadual do Michigan

Paula McAvoy é professora assistente de Educação em Estudos Sociais da Universidade Estadual da Carolina do Norte

Sarah Stitzlein é professora de Educação e Corpo Docente Afiliado em Filosofia, da Universidade de Cincinnati

Tiffany Mitchell Patterson é professora assistente de estudos sociais secundários da Universidade da Virginia Ocidental

Tradução de Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *