Universidade de luto pela saída do Reino Unido do programa Erasmus+

O anúncio da retirada do Reino Unido chocou parte da comunidade educacional, pois Boris Johnson havia prometido em janeiro de 2020 manter a participação e financiamento neste programa apesar da conclusão do Brexit.

Boris Johnson em Bruxelas

Depois de chegar a um acordo comercial no último minuto com as instituições da União Europeia em 24 de dezembro, muitos comerciantes e políticos de ambos os lados do Canal da Mancha pareceram respirar de alívio. No entanto, o acordo não significa apenas a saída do Reino Unido do mercado comum europeu e da união tarifária, mas também de um dos programas comunitários de maior sucesso, o programa Erasmus+.

É uma política comunitária estabelecida em 1987 que incentiva e financia o intercâmbio de alunos, diplomados e professores entre os países membros com um orçamento anual de 14,7 bilhões de euros. Mas também admite a participação de países não membros da UE, como Noruega, Islândia, Sérvia ou mesmo Turquia. Portanto, deixar o Reino Unido não foi um impedimento para encerrar sua participação no Erasmus+.

Uma análise de custo-benefício falha

O anúncio da retirada do Reino Unido chocou parte da comunidade educacional, pois Boris Johnson havia prometido em janeiro de 2020 manter a participação e financiamento neste programa apesar da conclusão do Brexit.

O próprio Johnson reconheceu que foi uma decisão difícil, mas não compensou o seu elevado custo económico: em 2019 o país contribuiu com quase 200 milhões de euros, sendo um contribuinte líquido. Em troca, seu governo prepara um programa alternativo, o programa Turing, em homenagem ao matemático britânico Alan Turing, dotado de 100 milhões de libras (cerca de 110 milhões de euros). Ele estará disponível apenas para 35.000 estudantes britânicos a cada ano, permitindo que eles realizem intercâmbios não apenas na Europa, mas em todo o mundo a partir de setembro de 2021. Obviamente, este é um programa com menos recursos financeiros.

No entanto, a Câmara dos Lordes já avisou num relatório que será difícil substituir o Erasmus + por outro programa nacional, uma vez que terá de ser concebido quase do zero e negociado com novos potenciais parceiros. É um longo processo burocrático, que consiste em negociar taxas acadêmicas ou validações de créditos.

Perda de influência acadêmica para o Reino Unido no longo prazo? O Reino Unido enviou uma média de 16.000 alunos e recebeu cerca de 31.000 nos últimos cinco anos acadêmicos via Erasmus +. Foi o segundo país preferido pelos estudantes espanhóis para a realização de intercâmbios, depois da Itália, e a Espanha foi o país que mais recebeu estudantes britânicos nos últimos anos.

O efeito do Brexit nos intercâmbios Erasmus+: por país e número de intercâmbios. Euractiv

Os alunos e professores do Reino Unido poderão continuar a fazer intercâmbio na UE, pois haverá acordos bilaterais entre universidades do Reino Unido e da UE. Mas se quiserem ficar mais de 90 dias em 180, terão que solicitar um visto, exceto no caso da República da Irlanda, com a qual o Reino Unido mantém a livre circulação de pessoas.

Por outro lado, os estudantes e académicos comunitários que decidam realizar o seu intercâmbio no Reino Unido – já sem bolsa Erasmus, quer com os seus próprios fundos ou com a ajuda dos governos nacionais ou regionais – também terão de requerer um visto de estudante se as suas estadias forem mais de seis meses, a um custo de 348 libras. Isso pode desencorajar muitos alunos a se voltarem para o Reino Unido, um país com alto custo de vida.

A República da Irlanda confirmou que continuará a financiar o programa Erasmus + para estudantes não irlandeses como um símbolo de fraternidade e investimento no futuro. Por sua vez, o governo escocês está muito descontente com a saída do Reino Unido do programa: o primeiro-ministro Nicola Sturgeon chamou isso de “vandalismo”. E não é à toa que as universidades de Edimburgo e Glasgow, ambas escocesas, estão entre as três instituições que mais receberam estudantes Erasmus nos últimos anos.

A decisão de Johnson foi recebida com apatia pelo resto das universidades britânicas. É claro que os mais prestigiados, como os de Oxford ou Cambridge, não esperam ver sua atratividade ou renda prejudicada, mas sim os menos conhecidos, que se beneficiaram do programa Erasmus não só graças às despesas de estudantes da comunidade, mas também por causa de promova seu soft power na Europa continental. Além disso, suas aplicações caíram devido à pandemia e restrições de mobilidade no ano passado.

A Universidade de Glasgow é aquela que a maioria dos alunos Erasmus+ podem perder. Wikimedia Commons

É claro que a falta de bolsas de estudo e a burocracia desencorajarão muitos estudantes e acadêmicos da UE, incluindo espanhóis, de fazer uma estadia no Reino Unido, o que pode aumentar a atratividade de países da UE com altos níveis de inglês. como Holanda, Dinamarca, Suécia e, claro, a República da Irlanda. Para as instituições acadêmicas do Reino Unido, isso representará uma perda de receita e de influência cultural e diplomática.

Eszter Wirth é professora de Economia Internacional (ICADE) na Universidade Pontifícia Comillas

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *