A transição democrática na voz de artistas e políticos brasileiros

“A Um Passo da Liberdade – 1985/1986” reúne 17 entrevistas e reportagens, praticamente inéditas, absolutamente oportunas do ponto de vista histórico

Livro resgata entrevistas e reportagens do Jornal da Pituba

A ditadura militar imposta ao Brasil entre 1964 e 1985 foi desafiado em diversos aspectos e um dos mais marcantes foi a chamada imprensa alternativa. Na medida em que a grande maioria dos veículos da chamada grande mídia aderiu e até mesmo serviu de instrumento da ditadura, coube a imprensa de resistência fazer o contraponto, em particular no jornalismo impresso. Alguns se destacaram nacionalmente, como o Pasquim, Versus, Movimento, Opinião e Tribuna Operária, entre outros. Mas também havia jornais regionais, dentre eles o Jornal da Pituba, que circulou na Bahia nos anos 1985 e 1986. O “pasquim baiano” fez história e um livro a ser lançado nesta terça-feira (23) vai dar muito o que falar.

Organizado pelos jornalistas Césio Oliveira, Vander Prata, José Barreto e pelo produtor cultural Sérgio Guerra.  Com fotos de Sonia Carmo, A Um Passo da Liberdade – 1985-1986 resgata reportagens e entrevistas exclusivas e antológicas, publicadas pelo Jornal da Pituba. As entrevistas refletem o que pensavam e o que diziam importantes personagens da cena política, social e cultural do Brasil, à véspera da redemocratização e da primeira eleição direta pós-ditadura, a um passo da liberdade: Caetano Veloso, Jorge Amado, João Ubaldo Ribeiro, Darcy Ribeiro, Leonel Brizola, Waldir Pires, Dorival Caymmi, Dom Avelar Brandão Vilela, general Juracy Magalhães, Cid Teixeira, José Carlos Capinan, Mário Kertész, Zélia Gattai, Bemvindo Sequeira, Fernando Gabeira, Grande Otelo, Moraes Moreira, Pierre Verger, Glauber Rocha, Waly Salomão e Theodomiro Romeiro dos Santos, o único preso político condenado à morte pela ditadura. O livro revela também o silêncio de João Gilberto.  O livro tem o selo da Editora Maianga e apoio cultural da Objectiva Comunicação. O prefácio é do romancista e antropólogo Antonio Risério e o texto de orelha é do cientista político Paulo Fábio Dantas Neto.

Jornalismo com ousadia e bom humor

O Jornal da Pituba, último alternativo da imprensa baiana, soube ousar com cautela, desconfiança e bom humor, num período histórico decisivo da transição democrática. “Fizemos um jornalismo livre, informativo e crítico, revolucionário, sem militâncias ideológicas, absolutamente democrático “, afirmam os organizadores do livro e à época editores do jornal. Para eles, passados 36 anos, o conteúdo revela-se de enorme importância histórica para a leitura, análise e reflexão na transição da ditadura militar para a democracia e recuperação das liberdades.

“Nos anos 1985/1986 o país sonhava com a esperança de tornar-se uma nação livre de amarras ditatoriais, liberto de dogmas ancestrais e conservadores do comportamento humano, decidido a andar para frente, já que estava a um passo do retorno à democracia”, afirma o jornalista e publicitário Vander Prata.

Vander Prata (primeiro plano) e Césio Oliveira são dois dos organizadores do livro

O projeto gráfico do livro é do designer Jair Dantas, criador também em 1985 da arte e grafismo do Jornal da Pituba – e reproduz as capas e contracapas originais do jornal, obras de arte geniais do tropicalista Rogério Duarte e de Fernando Borba, além de textos inéditos – feitos exclusivamente para o Jornal da Pituba – de Caetano Veloso, Glauber Rocha, José Carlos Capinan e Waly Salomão. O livro registra ainda as peripécias do personagem de quadrinhos Pituboião- criação do caricaturista Lage, artista top nacional do humor gráfico daqueles anos.

Serviço:

Lançamento nesta terça-feira, 24 de janeiro, às 18 horas, na Casa Rosa, Praça Colombo, 106, Rio Vermelho, em Salvador/BA. 

Preço: R$ 69,00 venda direta ou R$ 90,00 com frete incluso para o território brasileiro. Pedidos pelo e-mail: [email protected]

Leia também: Brasil registra uma agressão a jornalista por dia em 2022, aponta Fenaj

Autor