Leite, um símbolo do ódio neonazista

Dentro de sua permanente guerra cultural, Bolsonaro faz live tomando leite com ministros sob a alegação de estar participando de um desafio de ruralistas, que também remete ao desmatamento para criação de gado. Vários elementos nazifascistas explícitos já marcaram o governo causando reações, agora elas são subliminares. Saiba porque o presidente se exibiu tomando leite, sempre imitando tardiamente os supremacistas americanos.

Bolsonaro tomando leite como um gesto político

O movimento supremacista branco dos EUA, que se autodenomina “alt-right”, adotou recentemente o leite como um símbolo. Em fevereiro, manifestantes neonazistas sem camisa dançaram do lado de fora da instalação de arte anti-Trump de Shia LaBeouf, He Will Not Divide Us, engolindo galões de leite que pingavam desordenadamente em seu queixo.

Mais tarde, eles alegaram que esse ato simbolizava sua oposição à “agenda vegana”.

Um poema apareceu em um site de notícias da extrema direita, insistindo: “as rosas são vermelhas, o barack (sic) é meio preto; se você não pode beber leite, precisa voltar.”

Outros tópicos de discussão da supremacia branca apresentam um mapa do mundo rastreando a intolerância à lactose e estudos acadêmicos sobre intolerância à lactose em uma população eslava.

Reprodução de imagem de manifestação supremacista

Novo emoji, símbolo antigo

O leite como símbolo da supremacia branca também entrou no reverso do Twitter. No início de 2017, substituiu Pepe the Frog como o mais novo emoji simbolizando a superioridade do branco.

Os infames supremacistas brancos Richard Spencer, presidente do think tank nacionalista branco, National Policy Institute e Tim Treadstone, a personalidade de extrema direita da mídia social que se chama Baked Alaska, acrescentaram símbolos de leite aos seus perfis no Twitter.

Na bilheteria do filme Corra, um comerciante de escravos branco lentamente toma um copo de leite em um momento tranquilo.

Sou um estudioso crítico da raça e professor de direito na Faculdade de Direito Richardson da Universidade do Havaí. No meu artigo de revisão da lei, A Insustentável Brancura do Leite, discuto a associação entre leite e superioridade branca.

Não é um novo relacionamento. Em vez disso, remonta aproximadamente 100 anos. Na década de 1920, um panfleto do Conselho Nacional de Laticínios dos EUA explicou: “As pessoas que têm usado quantidades liberais de leite e seus produtos …” – significando pessoas brancas – “… são progressivas na ciência e em todas as atividades do intelecto humano”.

Da mesma forma, a História da Agricultura do Estado de Nova York, de 1933, declarava: “Um olhar casual sobre as raças das pessoas parece mostrar que aqueles que usam muito leite são os mais fortes mental e fisicamente, e os mais duradouros do mundo. De todas as raças, os arianos parecem ter sido os bebedores mais pesados de leite e os maiores usuários de manteiga e queijo, um fato que pode em parte explicar o rápido e alto desenvolvimento dessa divisão de seres humanos.”

De fato, existe uma base biológica para o Twitter de Richard Spencer, dizendo que ele é “muito tolerante… tolerante à lactose!”

Enquanto a maior parte do mundo não consegue digerir confortavelmente o leite, uma parcela da população branca, originária de países escandinavos frios, onde beber o leite de outras espécies era uma ferramenta de sobrevivência, pode digeri-lo com facilidade.

No entanto, a intolerância à lactose não é o pior dos danos do leite. Pesquisas vinculam o consumo de leite a uma porção de sérios problemas de saúde, incluindo câncer e doenças cardíacas. Existem disparidades raciais significativas nessas doenças relacionadas ao leite, com grupos incluindo [afro-americanos, latinos], americanos nativos e havaianos nativos sofrendo os piores efeitos.

Captura de tela da gravação no YouTube do protesto de fevereiro – fora da instalação de arte anti-Trump de Shia LaBoeuf – em Nova York.

As diretrizes alimentares dos EUA podem ser racistas

No entanto, o projeto de lei agrícola dos EUA continua a subsidiar a indústria de laticínios, resultando em um excedente de leite. Por sua vez, os Departamentos de Saúde e Serviços Humanos e Agricultura exortam os indivíduos a consumir porções diárias de produtos lácteos nas Diretrizes Dietéticas federais.

O USDA também descarta o excedente através de seus programas de nutrição. Distribui o leite na forma de fórmula gratuita para mães do programa WIC (Assistência a Mulheres e Crianças) e para estudantes de escolas públicas que se qualificam para almoços gratuitos. Nos dois programas, as pessoas negras são desproporcionalmente representadas.

O USDA também fez parceria com empresas de fast-food para criar produtos com quantidades maiores de queijo, como a lendária linha americana de pizza de sete queijos da Domino e a quesalupa da Taco Bell. O USDA concebeu e promoveu esses produtos, lançando-os por meio de anúncios caros e cobiçados do Super Bowl.

Embora os brancos comam mais fast-food em geral, as pessoas que vivem em comunidades negras urbanas pobres consomem desproporcionalmente fast-food em suas dietas. A decisão de introduzir mais leite em produtos de fast-food, portanto, tem um impacto díspar na saúde das comunidades negras. Essas comunidades estão muito distantes da formulação de políticas alimentares federais, com pouco ou nenhum acesso ao processo político, que está sujeito à captura regulatória.

A crença generalizada na responsabilidade pessoal pela saúde agrava o problema, fazendo com que a reforma regulatória pareça irrelevante ou fútil. O paradigma do “saúdeismo” insiste que a saúde é uma questão de bom caráter, não determinantes estruturais.

Os estereótipos raciais populares colocam afro-americanos e latinos como gordos e preguiçosos, sem a força de vontade necessária para afastar a obesidade e outras doenças relacionadas à alimentação.

Esses mitos culturais mascaram as desigualdades sistêmicas que levam a disparidades de saúde racial e o fato de que a regulamentação pode alterá-las. O governo e a indústria de laticínios, portanto, podem ganhar com esses tropos raciais.

Neste momento da história, tanto os supremacistas brancos quanto a política federal de alimentos nos Estados Unidos estão se oprimindo através do leite.

Fonte: The Conversation

2 comentários para "Leite, um símbolo do ódio neonazista"

  1. Luciano disse:

    https://theconversation.com/milk-a-symbol-of-neo-nazi-hate-83292

    Nem pra dar um crédito pra notícia original, não é?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *