Luciana Santos: Frente ampla ganha impulso e representatividade

A dimensão social da democracia hoje tem como foco a defesa da vida, que se concretiza com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com a garantia de trabalho e de renda.

O Brasil vive um momento de muitos desafios diante da confluência das crises no âmbito sanitário, político, social e econômico. Mais que isso: estamos diante de uma crise de valores, com implicações no plano institucional. O ideário bolsonarista, com seu negacionismo em relação à ciência, sua tentativa de reescrever a história e seu obscurantismo – primo-irmão do autoritarismo –, é um estorvo para a nação.

Esses temas estiveram no evento virtual na sexta-feira (26) que reuniu um amplo leque de vozes representativas da sociedade brasileira, organizado pelo movimento “Direitos já”.  Houve a compreensão geral de que o momento requer a ampla mobilização de energias para a busca de caminhos que conduzam o Brasil no rumo da superação dessa grave crise.

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB), com 98 anos de existência, sabe bem o valor da democracia. Sempre esteve ao lado dos que buscam o fortalecimento da democracia, o desenvolvimento nacional e o progresso social.

Mais uma vez, o momento do país exige saídas no plano da política, como aconteceu em períodos críticos da história, inclusive no Brasil. Em situações de crise aguda, de viradas, sempre se precisou de frentes amplas, com matizes ideológicas heterogêneas, de unidade em torno de bandeiras emergenciais. Por isso, agora é preciso reafirmar o óbvio: o respeito à democracia, ao direito à liberdade.

É preciso aproximar essa temática institucional do dia a dia de cada brasileira, de cada brasileiro. Além da convergência e da união de desejos por paz e justiça, por democracia e valores, a garantia do sistema constitucional se impõe como bandeira prioritária. Isso quer dizer que as instituições, em especial o Judiciário e o Legislativo, precisam funcionar livremente para que possam conter aventuras ditatoriais e despóticas.

A dimensão social da democracia hoje tem como foco a defesa da vida, que se concretiza com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com a garantia de trabalho e de renda. Buscar reunir forças para que o Estado socorra os que precisam da renda emergencial, assim como as empresas, os estados e os municípios.

Essa é uma das âncoras da democracia, o caminho para que ela chegue à casa das brasileiras e dos brasileiros. Outra é a garantia de que as instituições possam investigar as graves acusações de crimes que pairam sobre o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Autor