O novo perfil dos entregadores e suas novas formas de resistência

Socióloga Ludmila Costhek Abilio descreve o fenômeno da uberização no Brasil e o perfil dos trabalhadores

Entregadores de aplicativos como iFood, Rappi e Uber Eats promovem uma paralisação nacional de seus serviços nesta quarta-feira (1º), como parte de uma crescente mobilização por direitos. O movimento teve início no Brasil e ganhou a adesão de trabalhadores de outros países latino-americanos, como Argentina, México e Chile.

Entre as reivindicações estão remuneração maior por serviço, licença remunerada em caso de acidentes e fim de retaliações promovidas pelas plataformas contra, segundo eles, entregadores que se negam a fazer determinadas corridas.

“Eles (…) nos obrigam a trabalhar na hora em que eles querem. Quem se nega a fazer o serviço porque não gosta de pilotar no meio da chuva corre o risco de ficar o dia inteiro bloqueado”, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo Diógenes Souza, um dos líderes do movimento na capital paulista.

Outra reclamação é a falta de cuidados das empresas em relação à covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Segundo uma pesquisa de junho de 2020 sobre condições de trabalho durante a pandemia, 57,7% dos profissionais disseram não ter recebido nenhum apoio das empresas para reduzir os riscos de infecção na hora do trabalho.

Em divulgação feita no Treta no Trampo, um perfil de Instagram de apoio ao movimento, um mapa mostra pelo menos 13 pontos espalhados pela Grande São Paulo onde participantes devem se concentrar antes de sair em protesto.

Na mesma rede social, o iFood publicou uma mensagem em que afirma estar “ao lado dos entregadores”. A empresa disse ter investido mais de R$ 25 milhões em iniciativas para oferecer mais proteção e segurança aos trabalhadores. Em seu site, afirma ainda ter distribuído mais de 800 mil itens de proteção, incluindo máscaras e álcool em gel.

A mobilização de entregadores de aplicativos em associações e atos públicos vem ganhando força no Brasil, especialmente após a pandemia do novo coronavírus ter elevado seu trabalho à condição de serviço essencial. Em abril, foi promovido um buzinaço em São Paulo. No início de junho, um protesto bloqueou pistas da avenida Paulista com as mochilas de entrega dispostas no asfalto. Para a paralisação desta quarta-feira (1º), os organizadores pedem apoio dos clientes para que haja boicote dos apps no dia.

Os entregadores não mantêm qualquer vínculo trabalhista com as empresas, que afirmam serem apenas mediadoras entre consumidores e prestadores de serviço. Os trabalhadores ganham por serviço e não têm direito a cobertura de saúde ou férias.

Com a popularização desse modelo, que teve no aplicativo de transporte Uber um de seus pioneiros, criou-se uma nova categoria de trabalhadores autônomos nas grandes cidades do mundo.

Inicialmente, esse tipo de arranjo era retratado como uma forma dinâmica e desburocratizada de consumo e trabalho, chamada de economia compartilhada. O otimismo foi sendo substituído por uma visão mais crítica, resumida no termo uberização.

O Nexo conversou com a socióloga Ludmila Costhek Abilio sobre a penetração da uberização no Brasil, as características de seus trabalhadores e as tentativas de formação de movimentos reivindicatórios. Ela é pesquisadora do Cesit (Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e estuda o tema desde 2012.

Nexo: O trabalhador de plataforma é frequentemente definido como “empreendedor”. Como avalia essa definição?
LCA: Em meu primeiro artigo sobre uberização, do início de 2017, eu mesmo chamei esse trabalhador de um nano empreendedor de si próprio. Com o passar do tempo, fui dando conta de que temos de nos desvencilhar da ideia de empreendedorismo. O que qualifica essa pessoa hoje como empreendedora é o fato de ela não ter jornada de trabalho e local de trabalho definidos e correr riscos.

Historicamente, a ideia de empreendedorismo é associada ao empresário capitalista, que vai inovar, entrar com o capital, correr riscos por essa inovação. Isso é transferido para a figura do trabalhador em um processo de décadas – não só de eliminação de direitos e de proteções do trabalho, mas de transferência de riscos e de parte do gerenciamento do trabalho para o próprio trabalhador. Mas ele não está empreendendo nada, ele não tem capital algum, apenas os instrumentos de trabalho. Ele está inteiramente subordinado às regras da empresa. Eu chamo isso de autogerenciamento subordinado.

Nexo: As empresas rejeitam a ideia de vínculo profissional pois alegam que são apenas plataformas tecnológicas que facilitam o contato entre o cliente e o prestador. Como vê esse posicionamento?
LCA: As empresas, cada vez mais, tentam se apresentar não como contratantes, mas como mediadoras. A qualquer processo de tentar estabelecer vínculo empregatício elas vão dizer: “Nossa atividade é prover os meios tecnológicos para que oferta e procura se encontrem. Então, somos mediadoras. Não somos do transporte, da logística – somos do ramo da tecnologia”. Isso vai isentá-las de qualquer responsabilidade sobre esses trabalhadores.

Esse discurso é muito poderoso, pois quando você diz que medeia uma oferta e procura que existem, tudo parece neutro. É o fundamento do pensamento liberal. Você tem o encontro entre oferta e procura. Quanto menos você regulá-lo, mais naturalmente ele acontece e mais tende ao equilíbrio. Então, tudo que acontecer com esse trabalhador é fruto das dinâmicas naturais do mercado. É o caso do preço dinâmico, que varia por causa da variação entre oferta e procura. A taxa de entrega varia porque teve chuva. Então, nesse momento naturalmente seu trabalho vale mais do que num dia de sol. Mas sabemos que, na verdade, essas empresas detêm o poder de definir o valor do trabalho, a distribuição do trabalho, a variação do valor e, consequentemente, determinar o tempo de trabalho necessário para sobreviver.

Nexo: Como avalia as tentativas de organização e mobilização desses trabalhadores? Elas têm condições de prosperar nesse modelo descentralizado e precarizado?
LCA: A pandemia evidenciou que os entregadores são trabalhadores essenciais para a sociedade. São eles que garantem o direito – mas que se tornou um privilégio – de se isolar. Eles estão na linha de frente da pandemia. Há nesse momento uma consciência da importância desse trabalho, uma consciência política da categoria, um reconhecimento da sociedade de que eles são centrais.

É legítimo e compreensível ver isso se formando agora porque talvez tenha se intensificado o risco de uma profissão arriscada, se intensificaram as formas de exploração, ao mesmo tempo em que essa categoria sabe mais do que nunca que é essencial para a sociedade. É um momento em que ela realmente tem de pautar suas demandas, exigindo melhores condições pelo seu trabalho.

A história mostra que toda nova forma de dominação traz consigo novas formas de resistência. Então, a forma de organização desses trabalhadores, nesse formato de multidão, que opera em rede, da comunicação descentralizada, também será a forma como eles resistirão. Ouvimos falar do Paulo Gallo [líder dos Entregadores Antifascistas], mas tem várias outras iniciativas de organização que estão se encontrando. Nem conseguimos mapear isso ainda direito, é um novo tipo de organização. Se eles se reconhecem como multidão e assumem sua potencialidade, têm muitas chances de conseguir melhores condições.

Com informações do Nexo Jornal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *