Novas pesquisas fortalecem evidências de utilidade das máscaras

Sabe-se há muito que as máscaras ajudam a impedir que as pessoas infectadas espalhem o vírus, mas algumas pesquisas sugerem que elas também protegem os não infectados.

Especialistas apontam evidências que sugerem que as máscaras protegem as pessoas que as usam, diminuindo a gravidade dos sintomas.

Os pesquisadores sabem há muito tempo que as máscaras podem impedir que as pessoas espalhem germes das vias aéreas para outras pessoas. Mas agora os especialistas apontam evidências que sugerem que as máscaras também protegem as pessoas que as usam, diminuindo a severidade dos sintomas ou, em alguns casos, impedindo completamente a infecção.

Diferentes tipos de máscaras “bloqueiam o vírus em um grau diferente, mas todos impedem a entrada do vírus”, disse Monica Gandhi, médica de doenças infecciosas da Universidade da Califórnia, em São Francisco. Se alguma partícula de vírus romper essas barreiras, ela disse, a doença ainda pode ser mais branda.

A Dra. Gandhi e seus colegas desenvolvem esse argumento em um artigo a ser publicado no Journal of General Internal Medicine. Partindo de experiências com animais e observações de vários eventos durante a pandemia, eles afirmam que as pessoas que usam coberturas faciais terão menos partículas de coronavírus.

Tsion Firew, médico de emergência da Universidade de Columbia que não estava envolvido no trabalho, alertou que os vínculos entre mascaramento e doenças mais leves ainda não foram provados como causa e efeito.

Ideias sobre a importância da dose viral no desenvolvimento da doença surgiram na literatura médica desde pelo menos a década de 1930. Mais recentemente, os cientistas chegaram a estufar diferentes quantidades de um vírus da gripe pelo nariz de voluntários humanos. Quanto mais vírus nessa pluma nasal, eles descobriram, mais provável que os participantes fossem infectados e apresentassem sintomas.

Esse tipo de experimento não pode ser feito de maneira ética para o novo coronavírus, dado o quão perigoso é. Mas no início deste ano, uma equipe de pesquisadores na China tentou algo semelhante em hamsters: eles abrigavam animais saudáveis e infectados por coronavírus em gaiolas adjacentes, algumas das quais separadas por tampões feitos de máscaras cirúrgicas. Muitos dos hamsters saudáveis por trás das partições nunca foram infectados. E os animais infelizes que ficaram menos doentes do que seus vizinhos “sem máscara”.

As regras sobre o uso de máscaras foram altamente politizadas. O presidente Trump passou meses questionando sua utilidade e se recusando a usar uma em público, embora ele tenha mudado de rumo recentemente.

Publicado no New York Times, tradução de Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *