Razões pelas quais estudantes chineses podem parar de estudar nos EUA

Quase 400.000 estudantes chineses foram matriculados em faculdades e universidades dos EUA em 2019 – mais de um terço dos estudantes internacionais do país.

Uma multidão se reúne perto da Universidade de Harvard antes da visita do ex-presidente chinês Jiang Zemin

Um declínio acentuado no número desses estudantes seria um problema financeiro para faculdades e universidades dos EUA, dado que os estudantes chineses gastam US$ 15 bilhões em pagamentos de mensalidades. A saída deles também pode resultar em maior taxa de matrícula para os estudantes dos EUA.

De onde são os estudantes que lotam as universidades americanas

Como instrutor de estudos internacionais e globais cuja pesquisa se concentra na globalização, migração e educação internacional, vejo cinco razões pelas quais os estudantes chineses podem começar a se formar na China em vez de vir para os EUA em 2020 e além.

  • Restrições de visto nos EUA
    O governo Trump parece estar incentivando os estudantes chineses a ficarem longe. A imigração e a alfândega dos EUA, ou ICE, anunciaram restrições amplas a mais de 1,5 milhão de vistos de estudantes internacionais em 6 de julho, apenas para que as restrições fossem revertidas pelo presidente Donald Trump uma semana depois e confirmadas novamente em 26 de julho. Essas medidas têm implicações para faculdades americanas, pois uma pesquisa já demonstrou como apenas a restrição percebida dos vistos de estudante nos EUA pode diminuir a matrícula de estudantes internacionais. Independentemente de qual política tropeça na Casa Branca de Trump, as mensagens inconsistentes e confusas dão aos estudantes chineses motivos para não se matricularem nas escolas dos EUA neste outono.
    O pior é que essas diretrizes não são as primeiras. Em maio de 2020, o governo Trump anunciou um plano amplo e ambíguo de deportar estudantes de pós-graduação chineses com conexões com os militares chineses que atualmente estudam nos EUA. Em abril e junho, as ordens executivas suspenderam todos os novos vistos de trabalho não imigrantes. Em conjunto, essas medidas sinalizam que uma proibição mais ampla pode estar chegando para estudantes internacionais que planejam estudar ou trabalhar nos EUA após a formatura.
  • Melhor qualidade em casa
    Enquanto o governo Trump está dificultando a entrada de estudantes chineses, o sistema de ensino superior chinês vem crescendo há anos. Em 1998, o ex-presidente chinês Jiang Zemin pediu uma expansão maciça do sistema de ensino superior do país. Desde então, o país mais que dobrou o número de faculdades e universidades, recrutou professores melhores e aumentou as matrículas.
    Hoje, duas universidades chinesas estão classificadas entre as 25 melhores do mundo, com várias outras entre as 200 melhores no ranking global do Times Higher Education. A China poderia até superar os EUA nesta década em termos de impacto da pesquisa. Esses avanços são cruciais, considerando que os estudantes chineses se preocupam mais com a reputação de uma escola, com suas ofertas de cursos e programas e com as perspectivas de carreira dos graduados ao escolher para onde ir.
    Além disso, a Iniciativa One Belt, One Road (Nova Rota da Seda), liderada pela China, conecta mais de 65 países e quase 63% da população mundial. Isso já aumentou a colaboração em pesquisa liderada pela China com países parceiros, como Índia, Coréia do Sul, Rússia e Cingapura. Simplificando, a quantidade, a qualidade e o alcance global do ensino superior chinês percorreram um longo caminho em apenas 20 anos.
  • Mais e mais fortes perspectivas de emprego na China
  • Um estudo de abril de 2020 revelou que alguns empregadores chineses claramente preferem contratar pessoas com diplomas chineses. Como parte do estudo, aplicativos on-line fictícios foram enviados para trabalhos de negócios e ciência da computação na China. Metade listou um diploma universitário nos EUA e metade listou um diploma em chinês. Em última análise, os resultados mostraram que “os candidatos com educação nos EUA têm, em média, 18% menos probabilidade de receber um retorno de chamada do que os candidatos com educação na China”.
    O estudo também descobriu que os candidatos de escolas muito seletivas dos EUA receberam menos retornos de chamada do que as instituições chinesas menos seletivas.
    As empresas multinacionais chinesas também estão alcançando rapidamente seus pares dos EUA em pesquisa e desenvolvimento, particularmente no setor de eletrônicos com empresas como Huawei, Lenovo e Haier.
  • Mais acessível
    Mesmo que os diplomas chineses não fossem mais desejáveis, eles são muito mais baratos. A taxa média anual de ensino nas universidades chinesas é inferior a US$ 1.600. Por outro lado, os estudantes chineses nos EUA costumam pagar matrículas completas, que custam em média US$ 26.820 por matrículas e taxas fora do estado em instituições públicas de quatro anos. Se o ensino em casa é uma fração do custo e o dinheiro é pouco, por que não ficar?
  • Menos risco de Covid-19
    Como é o caso de qualquer problema hoje, a Covid-19 está causando transtornos. A pandemia foi muito pior nos EUA do que na China no início de agosto.
    Mesmo que os estudantes chineses possam estudar nos EUA e possam pagar por isso, eles correm um risco maior de adoecer em um país com cuidados de saúde caros. Por fim, se custa muito menos frequentar uma faculdade ou universidade chinesa, um diploma chinês aumenta as perspectivas de carreira de um graduado na China e ficar em casa reduz os riscos de Covid-19, o estudante chinês pode ficar em casa para sempre.
A curva epidemiológica da Covid-19 nos EUA e na China

Publicado em The Conversation com tradução por Cezar Xavier

Autor

Um comentario para "Razões pelas quais estudantes chineses podem parar de estudar nos EUA"

  1. Cann disse:

    Otimo artigo. Sugiro a redacao e a Beatriz Narita que leiam o ultimo artigo de John Pilger, um dos melhores jornalistas investigativos de nosso tempo. Fala sobre a China ameaçada e possiveis consequencias ao mundo. Abracos e cuidem-se.

    http://johnpilger.com/articles/another-hiroshima-is-coming-unless-we-stop-it-now

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *